Publicações | Criação Literária

Danielle Crepaldi Carvalho parte da história do carnaval para estimular a escrita

Foto: Arquivo pessoal.

Adiado em várias partes do País em função da pandemia, o Carnaval foi tema da oficina online de crônicas, realizada no final do ano passado, dentro da programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos. A professora Danielle Crepaldi Carvalho comandou os encontros da série intitulada "História e escrita de crônicas: um percurso pelo Carnaval a partir da produção cultural realizada no Brasil". A atividade fez parte do projeto Literatura Brasileira no XXI e tem resultados publicados neste site. São artigos desenvolvidos durante as aulas e que refletem o aprendizado adquirido em mais esta ação em parceria com a UNIFESP.

Danielle traçou um panorama histórico sobre a folia, que é paixão de tantos brasileiros, no território nacional, com exemplos dos períodos do Império à Quarta República. A professora destacou as raízes do festejo, que nasceu como uma espécie de campo de embate e tratou até das origens na Antiguidade Romana. A chegada da festa ao Brasil colonizado e escravizado tomou parte dos encontros. Danielle detalhou como a sociedade no País convivia com as imposições da elite imperial e refletia esse cenário na criação de um Carnaval com usos e costumes bem peculiares da época. A professora apresentou uma série de imagens que ilustraram o cotidiano dos festejos, no decorrer do tempo pelo mundo, tratou das bacantes e de situar o festejo como espaço de catarse, experimentação e excessos. 

Danielle ilustrou as explanações com reproduções de materiais sobre o Carnaval nos primórdios, como, imagens, por exemplo, de bolinhas com água de cheiro. Destacou inclusive a representação do campo de inversão e no qual é possível experimentar o outro, durante a folia. A prática dos rostos pintados, a farinha sendo jogada nas pessoas e a participação dos escravos nos entrudos foram alguns dos aspectos detalhados em aula. Estes costumes de atirar água (água de cheiro ou outros líquidos) foram sendo transformados com o passar dos anos, como ressalta a professora. Quem esteve nos encontros também divertiu-se com crônicas publicadas em diferentes tempos na história do Brasil, além de memes atuais sobre temas diversos, mas que ilustram a análise de um evento que precede a construção de um texto ou conteúdo.

Leia também

O guarda-roupa modernista

Poucos talvez tenham se dado conta de que a estética modernista avançou para muito além das letras, das telas de figuras enigmáticas e dos acordes dissonantes. Contaminou também o estilo de vida, os modos e chegou ao guarda-roupa dos principais artífices da Semana de Arte Moderna de 1922, com des...

Leia Mais!
À moda do diário

Os textos aqui reunidos foram escritos pelas alunas que participaram da oficina on-line “O guarda-roupa modernista”, ministrada por mim ao longo do mês de junho de 2022 através da Biblioteca Parque Villa-Lobos. Inicialmente, minha proposta era a produção de um tipo de texto diferente a cada enc...

Leia Mais!
A efervescência modernista na América Latina

O que é ser latino-americano para você? Foi com essa provocação que a jornalista e professora de Literaturas em Língua Espanhola, na faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Unifesp, Joana Rodrigues, começou a série de quatro encontros da oficina-online Modernismos nas Vizinhanças ...

Leia Mais!
Prazer em conhecê-los!

Em um ano marcado por tantos episódios culturais, em que o centenário da Semana de 22 se faz presente de forma retumbante no país, a oficina Modernismo nas vizinhanças latino-americanas foi pensada como possibilidade de trazer ao público alguns aspectos do que acontecia literariamente em paíse...

Leia Mais!
Arquitetura modernista

O que é moderno, é moderno por acaso? Para responder essa pergunta, o arquiteto, poeta e professor Humberto Pio convidou os participantes da oficina on-line Moderno por Acaso? Literatura e Arquitetura, realizada em quatro encontros entre os dias 5 e 26 de abril organizados pela Biblioteca Parque Vil...

Leia Mais!
Moderno por acaso? Literatura e arquitetura

Cem anos após a Semana de Arte Moderna de 1922, nas tardes ensolaradas das terças de abril do terceiro ano pandêmico, computadores aproximaram nossas casas da biblioteca. Foram quatro encontros que buscaram entender a literatura e a arquitetura modernas brasileiras num amplo panorama cultural, em di...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP