/ governosp
Lilian do Rocio Borba analisa textos de vários gêneros e disseca criação literária - Literatura Brasileira no XXI

Publicações | Criação Literária

Lilian do Rocio Borba analisa textos de vários gêneros e disseca criação literária

Foto: Fausto Cabral Costa

Na oficina O Texto Desvendado: Estratégias Discursivas em Diferentes Gêneros Textuais, ministrada em outubro, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, Lilian do Rocio Borba analisou textos de diversos gêneros, e apontou as principais estratégias textuais, discursivas e linguísticas que os estruturam. Foram apreciados discursos  publicitários, literários, jornalísticos, memes e textos da esfera digital. "Ler é produzir sentidos a partir de conhecimento de mundo, de conhecimento histórico, de conhecimento de outros textos e de conhecimentos de linguagem", diz ela.

Outros gêneros foram incorporados à análise de textos nas aulas, os cartuns, as charges e as tiras, em função da morte recente do artista argentino Quino (1932-2020), criador da Mafalda. A professora analisou com os alunos frases da personagem contestadora e rebelde, além de se deter sobra as escolhas do autor na configuração do desenho e das palavras.

Como primeiro exercício foi proposta a análise de um texto de Ricardo Ramos intitulado “Circuito fechado”. Contando só com substantivos, o escritor descreve a rotina de um publicitário. Aos alunos coube decifrar cenário, tempo e interpretar as intenções do autor, com o objetivo de identificar as estratégias para a construção do conteúdo. A professora também tratou da aplicação dos denotativos e conotativos, da subversão das frases e do uso da ironia para imprimir sentido aos textos. 

As relações intertextuais, as adequações de estilo para as diferentes audiências e leitores, além da necessidade de ativação do conhecimento para a interpretação das obras constaram ainda das abordagens desta primeira aula. As referências dos mais de 30 alunos participantes da oficina fizeram parte deste primeiro encontro e, entre eles, surgiram escritores dos mais variados estilos como Mia Couto, Valter Hugo Mãe, Guimarães Rosa, Margaret Atwood, as irmãs Brontë, Edgard Alan Poe e Luisa Geisler.

Leia também

Depois do princípio era o verso

Pode não parecer, mas a poesia é uma das tecnologias mais antigas do homo sapiens. Desde os tempos antediluvianos, quando ainda não se imaginava nenhuma escrita baseada em logogramas, hieróglifos, ideogramas ou alfabetos. Não havia sequer as condições materiais de hoje, que garantem o registr...

Leia Mais!
Versos de Horácio são ponto de partida para desvendar a métrica da poesia

Muitos segredos da poesia não são segredos, mas a aplicação consciente e a variação criativa de certas técnicas. Na oficina online “O poeta é um fazedor: ritmos antigos e versos contemporâneos”, realizada em janeiro na programação da Biblioteca de São Paulo, o professor Érico Noguei...

Leia Mais!
Danielle Crepaldi Carvalho parte da história do carnaval para estimular a escrita

Adiado em várias partes do País em função da pandemia, o Carnaval foi tema da oficina online de crônicas, realizada no final do ano passado, dentro da programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos. A professora Danielle Crepaldi Carvalho comandou os encontros da série intitulada "História e ...

Leia Mais!
Carnaval em tempo de pandemia

Recebi com surpresa o convite gracioso da Biblioteca Villa-Lobos para ministrar esta oficina em homenagem ao Carnaval, às portas de um fevereiro em que não haverá Carnaval. Como começar 2021 sem realizar, por meio da folia carnavalesca, a catarse de um ano de tantas provações? Dadas as inquest...

Leia Mais!
Em oficina online, Pedro Marques leva arte poética à vida das pessoas

Na oficina online "O que tem de música num poema?", ministrada em novembro dentro da programação da Biblioteca de São Paulo, o professor Pedro Marques mostrou como formar e fortalecer a leitura, a escuta e a composição de poesia literária e cancional. O curso foi acompanhado por cerca de 30 a...

Leia Mais!
O que tem de música num poema?

A pergunta talvez faça pouco sentido em sociedades leitoras tradicionais. Aquelas em que o livro, a revista e o jornal seguros entre as mãos, ou o aplicativo aberto sob os olhos, representam um instante quase sagrado do indivíduo consigo. O feitiço diante de um objeto de leitura foi ganhando enc...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC