Publicações | Criação Literária

O que jogos e literatura têm em comum?

Foto: Arquivo pessoal.

As Olimpíadas, que acabaram sendo canceladas este ano por conta do enfrentamento da pandemia, foram a fonte de inspiração para a oficina de criação literária realizada no primeiro semestre de 2020 pela Biblioteca Parque Villa-Lobos. Intitulada “A Poesia do Jogo e o Jogo da Poesia”, a atividade, que somou quatro dias de encontros online, foi conduzida por Marco Catalão.

Catalão abriu os trabalhos traçando um panorama das ações criativas do grupo Oulipo, e propôs que os alunos participassem de jogos verbais para desenvolver a imaginação e a análise crítica. Em cada encontro, o foco ficou um tipo de escrita, com exercícios práticos, que resultaram em textos publicado neste site. O bloqueio criativo pode ser um grande problema, principalmente neste tempo de isolamento e preocupações com a pandemia. E a questão foi apontada por vários participantes da oficina. Neste sentido, Catalão acredita que há vários exercícios que podem contribuir para “destravar” e indicar caminhos para que a fluidez da criatividade seja retomada. Entre as estratégias, ele destaca a restrição e a repetição como gatilhos para os textos.

Em aula, ele apresentou um vídeo com a sequência de um jogo de futebol e apontou a relação entre um gol do esportista Grafite e uma obra de arte. Segundo Catalão, o que torna o lance especial, além do resultado sempre almejado pelos atacantes (o gol), é o elemento surpresa, o inesperado. Tendemos a achar que algo que não nos surpreenda ao final pareça uma obra menor. E, por isso, a surpresa e reviravolta são sempre bem-vindas no que produzimos. Baseando-se no trabalho do grupo Oulipo, ele cita o estabelecimento de regras como um ponto de partida possível para a criação de textos. E dá um forte exemplo: tente não utilizar uma letra ou uma determinada palavra. O que, aparentemente, pode ser encarado como obstáculo, torna-se um desafio para pavimentar este caminho de construção do conteúdo. “As regras podem ser libertadoras”, segundo ele, salientando que, às vezes, é mais fácil escrever a partir deste conjunto de parâmetros pré-estabelecidos. “A criatividade encontra caminhos, quando apresentamos obstáculos”, destaca.

Como sugestões de leitura, Catalão indica textos de Manuel Bandeira e de Edgard Alan Poe, entre outros, para evidenciar a importância do ritmo na poesia, que também pode ser resultado da multiplicação de uma mesma frase ou palavra. Em aula, ele aplicou um exercício que você pode reproduzir aí, na sua casa: crie um poema a partir de uma sentença que se repita pelo menos uma vez – “essas não vão voltar”; “e ficarão os pássaros”; “virá a aurora”; “vida feliz”. 

Leia também

O guarda-roupa modernista

Poucos talvez tenham se dado conta de que a estética modernista avançou para muito além das letras, das telas de figuras enigmáticas e dos acordes dissonantes. Contaminou também o estilo de vida, os modos e chegou ao guarda-roupa dos principais artífices da Semana de Arte Moderna de 1922, com des...

Leia Mais!
À moda do diário

Os textos aqui reunidos foram escritos pelas alunas que participaram da oficina on-line “O guarda-roupa modernista”, ministrada por mim ao longo do mês de junho de 2022 através da Biblioteca Parque Villa-Lobos. Inicialmente, minha proposta era a produção de um tipo de texto diferente a cada enc...

Leia Mais!
A efervescência modernista na América Latina

O que é ser latino-americano para você? Foi com essa provocação que a jornalista e professora de Literaturas em Língua Espanhola, na faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Unifesp, Joana Rodrigues, começou a série de quatro encontros da oficina-online Modernismos nas Vizinhanças ...

Leia Mais!
Prazer em conhecê-los!

Em um ano marcado por tantos episódios culturais, em que o centenário da Semana de 22 se faz presente de forma retumbante no país, a oficina Modernismo nas vizinhanças latino-americanas foi pensada como possibilidade de trazer ao público alguns aspectos do que acontecia literariamente em paíse...

Leia Mais!
Arquitetura modernista

O que é moderno, é moderno por acaso? Para responder essa pergunta, o arquiteto, poeta e professor Humberto Pio convidou os participantes da oficina on-line Moderno por Acaso? Literatura e Arquitetura, realizada em quatro encontros entre os dias 5 e 26 de abril organizados pela Biblioteca Parque Vil...

Leia Mais!
Moderno por acaso? Literatura e arquitetura

Cem anos após a Semana de Arte Moderna de 1922, nas tardes ensolaradas das terças de abril do terceiro ano pandêmico, computadores aproximaram nossas casas da biblioteca. Foram quatro encontros que buscaram entender a literatura e a arquitetura modernas brasileiras num amplo panorama cultural, em di...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP