/ governosp

Publicações | Criação Literária

Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Foto: Michele Moreira

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condução da professora Maurina Lima Silva, a atividade fez parte do projeto Literatura Brasileira no XXI, resultado de parceria da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) com a SP Leituras

Maurina, que é licenciada em Letras pela Universidade do Estado da Bahia e mestra pela Unifesp, começou a primeira aula falando de si, de sua infância e família, e de como surgiu a ideia de estudar a população analfabeta.

Para ela, sempre ficou muito claro que aqueles que não aprenderam os códigos da leitura têm muito a ensinar. Essa população, segundo demonstrou, desenvolve seus próprios mecanismos e estratégias para enfrentar a realidade e o dia a dia em um universo todo mapeado pelas letras e línguas. Maurina foi tutora no Programa de Desenvolvimento Acadêmico Abdias Nascimento, do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Unifesp, orientando a elaboração de projetos de pessoas interessadas em ingressar na pós-graduação. No âmbito da pesquisa, estuda a história da educação e do analfabetismo no Brasil e suas representações literárias.

Foto: Reprodução.

Foto: Reprodução.

Realidade e literatura
Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), atualmente, são 11 milhões de analfabetos no Brasil. E a realidade dessa população – muitas vezes sem voz e sem vez, como ressalta Maurina – tem sido registrada em vários títulos da literatura nacional. “Vidas secas”, de Graciliano Ramos, foi um dos primeiros livros citados. O analfabetismo, como a professora salientou, nem sempre foi um problema, mas começou a ser encarado assim quando passou a ser “coisa de pobre”, no final do século XIX.

A escrita é um código, mas há muitos outros em nossa sociedade, como salientou. Maurina apresentou o texto “Aula de leitura”, de Ricardo de Azevedo; a música “Béradêro”, de Chico César; trechos de “Os analphabetos”, de João Gumes; e de “Becos da memória”, de Conceição Evaristo, entre outros. O curta “Vida Maria”, vencedor de mais de 50 prêmios nacionais e internacionais, também causou reflexão e emoção.

Um trecho do jornal “A Penna”, escrito por João Gumes (autor de “Os analphabetos”, citado anteriormente), foi incluído na apresentação e gerou análise aprofundada sobre os diferentes momentos do analfabetismo (ontem e hoje).

Foto: reprodução.

Foto: Reprodução.

"Se a realidade produz literatura, a literatura também pode produzir realidade", afirma Maurina que acredita na fronteira fluida entre ambas. E, como exercício de escrita desse primeiro encontro, a professora propôs que os participantes criassem um texto que tratasse dos primeiros cadernos, de como cada um foi alfabetizado e das memórias desse momento mágico da compreensão do “estou lendo”. Alguns desses trabalhos desenvolvidos nas aulas podem ser lidos aqui no site do Literatura Brasileira no XXI.

Quer saber mais sobre o tema? “Menino de engenho”, de José Lins do Rego; e “História inacabada do analfabetismo no Brasil”, de Alceu Ferraro, são dicas deixadas também por Maurina.

Leia também

O peso da caneta

Certa vez perguntei à minha mãe como ela fazia para viajar. E dela ouvi: “Ué, eu observo tudo ao meu redor. Quando o ônibus para eu olho quem é o motorista, a cor, vejo quem sentou do meu lado...” Desse modo não se perde. Contou-me que tal modo de viajar aprendera com seu pai. A pergunta, apa...

Leia Mais!
Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A prim...

Leia Mais!
O sujeito indígena na literatura

A partir do século XVI, a figura do indígena vira um dos objetos preferidos entre aqueles que aqui aportavam. Uma curiosidade enorme sobre aqueles corpos descobertos, exibindo saúde e beleza superiores aos europeus, enfiados em roupas desenhadas para abafar pudores e falta de banho. Carcomidos pelo ...

Leia Mais!
A ponte que aproxima a ciência e a literatura

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado...

Leia Mais!
A ciência como thriller

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos a...

Leia Mais!
Canções e fábulas foram referências para a oficina online de minicontos

Canções, fábulas e minicontos foram alguns dos materiais que os professores Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller compartilharam com os participantes durante a oficina online "Personagens do trabalho", que aconteceu em março deste ano. O objetivo dos encontros foi promover uma reflexão sobre o ...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC