/ governosp

Publicações | Crítica

Oficina com Lilian do Rocio Borba ensina a ‘desvendar’ os segredos do texto

O texto é um evento. Mas que evento é esse? O que faz um texto ser caracterizado como literário? Para começar a responder a essas perguntas, a “Oficina Professores personagens da literatura: textos sobre outros textos”, ministrada pela professora Lilian do Rocio Borba, com início no último dia 7 de agosto, apresentou um panorama conceitual de como pensar o texto como um lugar de constituição e de interação de sujeitos sociais, a partir de análises de textos de Ricardo Ramos (Circuito Fechado) , Chico Buarque (ParaTodos – Chico: Artista Brasileiro) e Geovani Martins (O Sol na Cabeça).

As práticas e interações com os participantes tiveram o objetivo de estudar os mecanismos que ajudam a ‘desvendar’ os segredos de um texto – um construto histórico e social extremamente complexo e multifacetado, cujo sentido vai além de sua materialidade, seu significado literal.

“Para a construção de um sentido do texto, precisamos de conhecimento de mundo, conhecimento histórico e social, enfatiza a professora Lilian, acrescentando: “a leitura do mundo precede a leitura do texto, portanto, ler não é algo tão óbvio assim”.

Para a dinâmica da oficina, os alunos escolheram um personagem professor no universo da literatura para estudar como tais indivíduos são construídos textualmente e discursivamente, em que espaços narrativos aparecem e como tais espaços são constituídos como “objetos de discursos” nas obras literárias. O objetivo da oficina foi estimular os participantes à produção escrita de uma resenha, um artigo ou ainda um ensaio sobre uma obra literária analisada durante os encontros.

Lilian do Rocio Borba

Lilian é graduada em Letras pela Universidade Federal do Paraná, com doutorado em Linguística, na área de Sociolinguística, pela Universidade Estadual de Campinas, e estágios de pós-doutorado também pela Universidade Estadual de Campinas. Pesquisa sobre os africanos e a formação do português brasileiro.

A atividade faz parte da programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos e integra o Literatura Brasileira no XXI. Inscrições gratuitas em https://bvl.org.br/inscricao (vagas limitadas). Mais informações em https://bvl.org.br/garanta-sua-vaga-em-nossa-programacao-de-agosto/. A continuidade da oficina está prevista para os próximos dias 14, 21 e 28 de agosto (sábados), das 10h às 13h, em formato online.

Lilian do Rocio Borba é graduada em Letras pela Universidade Federal do Paraná (1992), com doutorado em Linguística, na área de Sociolinguística, pela Universidade Estadual de Campinas (2006), e estágios de pós-doutorado também pela Universidade Estadual de Campinas (2010 e 2014). Pesquisa sobre os africanos e a formação do português brasileiro.

Leia também

Um Brasil Sonoro: do Modernismo à Tropicália

A paisagem sonora brasileira se construiu por um conjunto de ambiguidades, multiplicidades e contradições, entre a consciência de projeto e suas realizações. Os encontros da oficina “Do Modernismo à Tropicália: diferentes modos de escutar canção e música brasileira”, se concretizaram, um ...

Leia Mais!
Sons do Brasil

Oficina com Gustavo Bonin mostra a influência do Modernismo e da Tropicálica na construção do Brasil sonoro.Se tem algo que realmente embalou a Semana de Arte Moderna de 1922 foi a música. Entre as diversas apresentações realizadas nos três dias de evento, os concertos dominaram a maior parte ...

Leia Mais!
Semana de Arte Moderna – por outros caminhos

Quando meu amigo e colega Pedro Marques me convidou para integrar o projeto Literatura Brasileira no XXI com uma oficina sobre a Semana de Arte Moderna, senti a alegria e a responsabilidade de levar ao público reflexões sobre o evento e seu papel no processo de renovação da cultura brasileira. Assi...

Leia Mais!
A Semana de Arte Moderna sob o viés das revistas literárias

Na oficina A Semana de Arte Moderna por Outros Caminhos, realizada nos dias 7, 8, 9 e 10 de novembro, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, a professora de literatura brasileira da Unifesp, Mirhiane Mendes de Abreu, propôs um olhar diferenciado sobre o movimento modernista de 1922. Em vez de pesquisar as ...

Leia Mais!
A modernidade do século XIX

Modernos, antes de 1922. O objetivo da oficina ministrada pela professora de literatura da Unifesp, de Guarulhos, Francine Fernandes Weiss Ricieiri e realizada nos dias 6, 13, 20 e 27 de novembro, foi mostrar aos participantes que a ideia de modernidade na literatura brasileira começou bem antes do mo...

Leia Mais!
Modernos, antes de 22

Uma oficina que pudesse pensar a modernidade, no Brasil, nas últimas décadas do século XIX. Talvez pareça paradoxal – e é. Modernidade implica mergulho em paradoxos que apagam ou embaralham limites e fronteiras: os limites entre nacionalismo e cosmopolitismo, os limites entre tradição e aceler...

Leia Mais!