/ governosp

Publicações | Destaques

A poesia está morta

Foto: Equipe SP Leituras.

A poesia está morta, dizem por aí. Não rende na bolsa, não ajuda na infraestrutura precária em que vive uma parte considerável da população mundial, sequer aplaca as dores da alma — quando muito, as potencializa. Em suma, um desserviço. 

Contudo, a despeito do senso comum, não foi bem isso o que se viu na oficina ministrada por Érico Nogueira, "O poeta é um fazedor: ritmos antigos e versos contemporâneos", a mais recente novidade para o projeto Literatura Brasileira no XXI, que celebrou o dia mundial da poesia (21 de março para quem ainda não sabe).

O desafio é dos maiores, porque ata duas (dentre várias) pontas de um longo arco temporal, uma que se nutre de uma tradição antiga, latina, e outra mais nossa contemporânea. O combinado, como não poderia deixar de ser, é instigante porque nem o passado nem o presente saem os mesmos, renovados e amadurecidos ambos. 

E pra quê isso tudo?, há de se perguntar o cético.  Cada participante da oficina tem sua própria resposta, mas certamente nenhuma delas há de satisfazer o nosso senso comum dessensibilizado — o que só nos enche de alegria. A poesia está morta! Vida longa à poesia!

Leia também

O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Uma semana muitos ângulos

O projeto Literatura Brasileira no XXI segue abordando o centenário da Semana de Arte Moderna de 22. A cada oficina de 2022 sempre um olhar renovado sobre o relevante evento. Evita-se, assim, narrativas romanescas – dois ou três gênios que decidiram o rumo das artes nacionais – ou mesmo anedóti...

Leia Mais!
Estação de chegada: 1922

O ano de 2022 carrega duas efemérides de peso: o bicentenário da Independência do Brasil e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A primeira significa a rompimento com Portugal, antiga metrópole que se apossou e colonizou o país a partir de 1500.Uma ruptura controversa, evidente, pois qu...

Leia Mais!
E no Dia do Palhaço tem poesia

O Dia Universal do Palhaço é celebrado em 10 de dezembro. A palavra palhaço, com suas variantes, é tão presente quanto controversa em nossa cultura. Se essa figura, com sapatos maiores que os pés, é sinônimo de festa, também pode servir de ofensa. Por isso mesmo, o palhaço caminha feito a enc...

Leia Mais!