Publicações | Destaques

Coral de gritos: música e canção

Equipe SP Leituras

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: diferentes modos de escutar canção e música brasileira”, ministrada pelo músico e professor Gustavo Bonin.

Uma das ausências da Semana de 22 – que não poderia abraçar tudo que se produzida no Brasil da época – foi a canção popular. O gênero canção de consumo, tal como o curtimos hoje, além de não estar bem definido, sequer inspirava seriedade aos ouvidos modernistas. Já na canção de câmara, por exemplo, o impacto foi imediato, com músicos como o próprio Villa-Lobos e Lorenzo Fernandez, e depois Camargo Guarnieri e José Siqueira, musicando poemas de Manuel Bandeira e companhia.

Se as melodias, ritmos, ruídos e timbres brasileiros entrariam de vez no radar das gerações de compositores após 1922, muitas décadas se passariam para que os atores do campo popular fossem, de fato, influenciados pela legado músico-poético do modernismo. Ainda em 1931, Noel Rosa e Lamartine Babo chacoteavam a arte modernista ou futurista, que numa marcha satírica eles chamam de “A. B. Surdo”.

Bonin mostrou que os tropicalistas ampliaram o diálogo da canção popular com o modernismo, reunindo duas tendências defendidas na Semana: a poética como mescla de técnicas vanguardistas e oralidades cotidianas, presente em letras de Torquato Neto, Gilberto Gil ou Tom Zé; os métodos de composição e instrumentação europeias soando à brasileira, perceptíveis nos arranjos de Rogério Duprat, nas execuções dos Mutantes e de Lanny Gordin. Vale ouvir e ler tudo isso nas composições do passado e do presente!

Leia também

América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Uma semana muitos ângulos

O projeto Literatura Brasileira no XXI segue abordando o centenário da Semana de Arte Moderna de 22. A cada oficina de 2022 sempre um olhar renovado sobre o relevante evento. Evita-se, assim, narrativas romanescas – dois ou três gênios que decidiram o rumo das artes nacionais – ou mesmo anedóti...

Leia Mais!
Estação de chegada: 1922

O ano de 2022 carrega duas efemérides de peso: o bicentenário da Independência do Brasil e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A primeira significa a rompimento com Portugal, antiga metrópole que se apossou e colonizou o país a partir de 1500.Uma ruptura controversa, evidente, pois qu...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP