/ governosp

Publicações | Destaques

E no Dia do Palhaço tem poesia

Equipe SP Leituras

O Dia Universal do Palhaço é celebrado em 10 de dezembro. A palavra palhaço, com suas variantes, é tão presente quanto controversa em nossa cultura. Se essa figura, com sapatos maiores que os pés, é sinônimo de festa, também pode servir de ofensa. Por isso mesmo, o palhaço caminha feito a encarnação da poesia, essa arte de juntar opostos, de fazer renascer e nascer termos, de fazer tropeçar nos sentidos.

Tal o palhaço, o poeta (símbolo de todo escritor) conquistou espaço especial para falar o que ninguém consegue. Sim, conquistar, que nada é dado nessa vida. Eles é que fazem piada com o cabelo da rainha, criticam a inépcia do presidente, elogiam o dente quebrado da criança. Em situação normal, recebem riso e atenção em troca. Em regimes de exceção, ganham sopapos, quando não o cárcere.

O portal Literatura Brasileira no XXI destaca essa figura, portadora de uma máscara que mal esconde seu nariz. Neste tempo pandêmico, com todos virando mascarados, ao menos os cautos, também aprendemos algo de palhacaria às avessas. Pois no auge do morticínio por covid-19, xingava-se de “palhaço!” alguém com máscara no pescoço. Descobriu-se, mesmo, diversas “palhaçadas” que atrasaram a compra de vacinas.

Tensionando tais sentidos de palhaçada, poesia ou máscaras é que Suelen Santana (palhaça, poeta e estudiosa) propôs a oficina multi-artes “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”. Dos versos do poeta, ela fabricou máscaras concretas com os participantes. E foi além, revelou que poesia pode ser desfile de máscaras. Ler um poema, assim, é uma delicada prova de máscara, no mínimo entre poeta e leitor/ouvinte.

Leia também

Estação de chegada: 1922

O ano de 2022 carrega duas efemérides de peso: o bicentenário da Independência do Brasil e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A primeira significa a rompimento com Portugal, antiga metrópole que se apossou e colonizou o país a partir de 1500.Uma ruptura controversa, evidente, pois qu...

Leia Mais!
Luiz Gama: vacina antirracismo

Uma vez mais, o portal Literatura Brasileira no XXI destaca o 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, sob o símbolo de Zumbi dos Palmares. E quantas vezes mais será preciso frisar o significado dessa efeméride? Com tantas balas perdidas que preferem achar corpos negros, com tamanha inflação que...

Leia Mais!
Um salve a quem ensina!

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigos...

Leia Mais!
Persona analfabeta

Uma oficina de criação literária focada em analfabetos soa como para você? Se falamos de leitura e escrita, o que isso teria a ver com quem, justamente, não lê e tampouco escreve? Bem, o Brasil foi construído por trabalhadores majoritariamente analfabetos – contando povos ameríndios, africano...

Leia Mais!
Para se fazer ouvir e ler

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada...

Leia Mais!
A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer q...

Leia Mais!