Publicações | Destaques

E no Dia do Palhaço tem poesia

Equipe SP Leituras

O Dia Universal do Palhaço é celebrado em 10 de dezembro. A palavra palhaço, com suas variantes, é tão presente quanto controversa em nossa cultura. Se essa figura, com sapatos maiores que os pés, é sinônimo de festa, também pode servir de ofensa. Por isso mesmo, o palhaço caminha feito a encarnação da poesia, essa arte de juntar opostos, de fazer renascer e nascer termos, de fazer tropeçar nos sentidos.

Tal o palhaço, o poeta (símbolo de todo escritor) conquistou espaço especial para falar o que ninguém consegue. Sim, conquistar, que nada é dado nessa vida. Eles é que fazem piada com o cabelo da rainha, criticam a inépcia do presidente, elogiam o dente quebrado da criança. Em situação normal, recebem riso e atenção em troca. Em regimes de exceção, ganham sopapos, quando não o cárcere.

O portal Literatura Brasileira no XXI destaca essa figura, portadora de uma máscara que mal esconde seu nariz. Neste tempo pandêmico, com todos virando mascarados, ao menos os cautos, também aprendemos algo de palhacaria às avessas. Pois no auge do morticínio por covid-19, xingava-se de “palhaço!” alguém com máscara no pescoço. Descobriu-se, mesmo, diversas “palhaçadas” que atrasaram a compra de vacinas.

Tensionando tais sentidos de palhaçada, poesia ou máscaras é que Suelen Santana (palhaça, poeta e estudiosa) propôs a oficina multi-artes “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”. Dos versos do poeta, ela fabricou máscaras concretas com os participantes. E foi além, revelou que poesia pode ser desfile de máscaras. Ler um poema, assim, é uma delicada prova de máscara, no mínimo entre poeta e leitor/ouvinte.

Leia também

América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Uma semana muitos ângulos

O projeto Literatura Brasileira no XXI segue abordando o centenário da Semana de Arte Moderna de 22. A cada oficina de 2022 sempre um olhar renovado sobre o relevante evento. Evita-se, assim, narrativas romanescas – dois ou três gênios que decidiram o rumo das artes nacionais – ou mesmo anedóti...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP