Publicações | Destaques

Luiz Gama: vacina antirracismo

Reprodução


Uma vez mais, o portal Literatura Brasileira no XXI destaca o 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, sob o símbolo de Zumbi dos Palmares. E quantas vezes mais será preciso frisar o significado dessa efeméride? Com tantas balas perdidas que preferem achar corpos negros, com tamanha inflação que faz mais vitimas entre famílias negras, urge batermos sempre na tecla: é preciso reconhecer e agir contra o racismo à brasileira.

Nada mais apropriado, para essa tarefa, do que uma oficina sobre Luiz Gama, esse herói negro do século XIX que segue inspirando a luta pela igualdade racial no Brasil. Ler sua prosa e seus versos, refletir a partir daí sobre a estrutura escravocrata de nossa sociedade, não nos enganemos, é uma das coisas mais contemporâneas que podemos experimentar enquanto leitores.

Luiz Gama, ainda antes de Lima Barreto, descortinou o nacionalismo faz de conta do Império, depois retificado e até turbinado pelo primeira República, que ele não chegou a ver. Mas Gama sempre soube da inviabilidade de qualquer projeto nacional sem a participação dos negros e seus descendentes. Um pais que escolhe escravizar e explorar uma parte substancial de sua população jamais será democrático, jamais gozará de paz social.

E para sorte do nosso projeto, a oficina dedicada ao tema foi ministrada por ninguém menos que Ligia Fonseca Ferreira, hoje a principal estudiosa de Luiz Gama. Com “Inspiração Luiz Gama: escrever sobre si, o Brasil e o mundo hoje”, ela demostrou quão atuais são as bandeiras defendidas pelo grande abolicionista.

É aterrador e necessário conhecer, a partir da leitura do agudo escritor, que ainda não somos uma república racialmente democrática. Felizmente, hoje temos o trabalho de Ligia Ferreira e mesmo o filme de Jeferson De para tomarmos essa poderosa vacina antirracismo: Luiz Gama!

Leia também

Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP