/ governosp

Publicações | Destaques

Minicontos de trabalho

Foto: Equipe SP Leituras

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente – a divisão do trabalho exaurindo braços para ampliar a produção – a matéria veio para o centro da cena.

Num país erguido à escravidão e subemprego, drama presente em qualquer ramo da atividade econômica brasileira, escritores haveriam de flagrar as relações de trabalho. Machado de Assis mostra o cinismo com que um Brás Cubas normaliza a servidão de mucamas e meninos de recados. Muitas letras de canções revelam o desespero de quem muito trabalha para comer pouco.

Chega a ser difícil não encontrar em contistas contemporâneos, como Marçal Aquino e Cida Sepúlveda, situações em que o trabalho, em lugar de edificar pessoas, destrói corpos e psicologias. Quando dependente de aplicativos, o trabalhador pode estar sujeito a acidentes e arbitrariedades fatais, num drama que ganha novos contornos, tensão entre dois extremos: empreendedorismo individual e escravidão moderna.

Os minicontos da oficina Personagens do trabalho, sob a batuta de Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller, acertam em cheio a violência das atuais relações trabalhistas. Olhares afiados, às vezes do tamanho de uma linha, desmontam o mito de que todo trabalho é digno. O trabalho pode e deveria ser o espaço da partilha social e do desenvolvimento individual. Mas para isso, o Estado precisaria, de fato, garantir a justiça entre os entes geradores da riqueza nacional.

Empresas, públicas ou privadas, não podem ser moendas de gente. A população, mais ou menos capacitada, tampouco se conforma à esmola de governantes ou patrões. Tudo isso foi amplificado pela pandemia, que tanto ceifa empregos como pessoas. Estes minicontos de trabalho, tão mínimos quanto ardidos, estão aqui para lembrar o Primeiro de Maio. Para contar, na linha dos velhos cantos de trabalho, aqueles que perderam a batalha contra a covid-19 buscando ganhar a vida.

Leia também

Um salve a quem ensina!

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigos...

Leia Mais!
Persona analfabeta

Uma oficina de criação literária focada em analfabetos soa como para você? Se falamos de leitura e escrita, o que isso teria a ver com quem, justamente, não lê e tampouco escreve? Bem, o Brasil foi construído por trabalhadores majoritariamente analfabetos – contando povos ameríndios, africano...

Leia Mais!
Para se fazer ouvir e ler

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada...

Leia Mais!
A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer q...

Leia Mais!
O videoclipe dá sua letra

Algumas pessoas vão olhar para essa oficina – “O lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro contemporâneo” – e não vão entender nada. Como assim videoclipe num site sobre “Literatura Brasileira no XXI”? Outras tantas, mais irônicas talvez, podem dizer que pelo menos o recorte temporal est...

Leia Mais!
Quem quer brincar de livro?

Livros costumam ser caixinhas de surpresas sensoriais e imagéticas. Em aulas, estudos ou leituras compartilhadas, comentamos muito a narrativa ou a temática de um volume. Falamos, ainda, da forma desse conteúdo, se é bonito ou feio, estranho ou agradável, tocante ou engraçado.Mas livro tamb...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC