/ governosp

Publicações | Destaques

O bloco das crônicas

Foto: Equipe SP Leituras.

Em razão científica, a pandemia também barrou a principal expressão de ruas e salões do país. Em 2021 o folião precisará pular nas páginas, correr atrás do trio elétrico da imaginação. O Carnaval faz falta, porque a diversão também é um direito do povo, porque é a festa mais democrática do país. Pouco importa o dinheiro no bolso, quando a folia se espalha por calçadas e praças, todo estão convocados, ainda que só como rostos nas janelas.

O Carnaval é a festa do corpo que dança junto, este corpo na mira da Covid-19. Assim, é preciso preservá-lo, porque há muitos carnavais pela vida adentro. Mas se o corpo precisa de sossego, enquanto a vacina não chega de vez, a mente pede passagem. Como um dos fatores mais constitutivos da cultura brasileira, o Carnaval não poderia faltar como um dos destaques da nossa literatura desde sempre.

Tal evento, também objeto da sociologia e da antropologia, desfilou pela oficina “História e escrita de crônicas: um percurso pelo Carnaval a partir da produção cultural realizada no Brasil”. Uma verdadeira visita guiada por Danielle Crepaldi Carvalho, através de máscaras, perfumes, imagens e narrativas que povoaram e povoam o imaginário de gerações. E, de fato, dificilmente se explica ou se vivencia o Brasil sem entender o Carnaval enquanto fenômeno artístico, mas também religioso, comportamental, político e até econômico.

Neste Carnaval, você está convidado e curtir este bloco de crônicas, direto de nossa última oficina. Há enredos para muitos gostos, há seduções memoráveis, confissões inusitadas. Se “o importante é ser fevereiro”, como canta a letra do samba, ainda mais relevante é manter o corpo vivo e seguro. Enquanto o bloco da vacina não termina de passar, vamos ler estas deliciosas crônicas em serpentinas. E que elas nos inspirem a lembrar de nossos carnavais vividos na rua! E a ler a desfilar por tantos outros livros!


Leia também

Um salve a quem ensina!

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigos...

Leia Mais!
Persona analfabeta

Uma oficina de criação literária focada em analfabetos soa como para você? Se falamos de leitura e escrita, o que isso teria a ver com quem, justamente, não lê e tampouco escreve? Bem, o Brasil foi construído por trabalhadores majoritariamente analfabetos – contando povos ameríndios, africano...

Leia Mais!
Para se fazer ouvir e ler

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada...

Leia Mais!
A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer q...

Leia Mais!
O videoclipe dá sua letra

Algumas pessoas vão olhar para essa oficina – “O lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro contemporâneo” – e não vão entender nada. Como assim videoclipe num site sobre “Literatura Brasileira no XXI”? Outras tantas, mais irônicas talvez, podem dizer que pelo menos o recorte temporal est...

Leia Mais!
Minicontos de trabalho

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente ...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC