Edição 42 - Março/2024 | Editorial

O sertão em cada um

Freepik

O Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), vem norteando oficinas do projeto Literatura Brasileira no XXI. Neste mês de março, o foco é o Brasil Sertanejo, cujos traços culturais, econômicos e sociais são localizados pelo estudioso principalmente na região que hoje chamamos de Nordeste.

Apossada por portugueses em princípio a partir do litoral, a região foi o centro político e financeiro da Colônia por quase três séculos. Ali desembarcaram contingentes de europeus, árabes, judeus e africanos. A riqueza advinda do comércio mundial do açúcar, dominado por Portugal-Brasil, atraia gentes de toda parte, desde os que vinham por vontade empreender, até os que chegavam forçados a pelejar na lavoura da cana.

Território em disputa, os nativos resistiram às invasões lusas e depois inglesas, holandesas, espanholas e francesas. As potências europeias, dos séculos XVI ao XVIII, cobiçavam nosso Nordeste, um processo violento que foi interiorizando povos originais e formados da mistura étnica, todos alijados de terras, títulos de nobreza e posses.

Constituído de pessoas descartadas dos engenhos, tocadas à força de fome e bala das cidades litorâneas ou, ainda, enviadas pelos senhores a ocupar os ermos desconhecidos, o sertão foi um desaguadouro de gentes. Mais que isso, virou reduto de esperanças, conhecimentos orais, ofícios, crenças, técnicas de cultivo, cantos e narrativas mis.

Foi esse legado, dos mais originais deste país, que a professora e pesquisadora Susana Souto, da Universidade Federal de Alagoas, e Joel Vieira, indígena Katokinn e professor, fizeram emergir da oficina “O sertão múltiplo”. Além do sertão nordestino geográfico, fizeram acordar nos participantes o sertão que cada um pode carregar consigo em memórias, falares, valores e vivências. Respirem fundo e desfrutem a leitura!

 

Leia também

O preto em todos os Brasis

O Povo Brasileiro (1995), Darcy Ribeiro (1922-1997) fala do português como povo euro-africano, que vem implantar uma economia açucareira e escravista a partir, principalmente, do Nordeste. Mas para além da cor predominante na força de trabalho que fez rodar as engrenagens deste sistema, o chama...

Leia Mais!
Enorme Norte

Darcy Ribeiro (1922-1997), em O Povo Brasileiro (1995), estuda a predominância das populações caboclas na Região Norte do Brasil. Mesmo com a chegada de contingentes vindos da Europa e da África árabe e subsaariana, os povos originários determinaram cultural e geneticamente a maior parcela te...

Leia Mais!
Caipira: um causo do Brasil

Inspirado no Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), o projeto Literatura Brasileira no XXI segue com seu novo ciclo. Depois da primeira ação mais panorâmica, a segunda concentra-se numa das cinco unidades geográficas, econômicas, étnicas e culturais do país: o Brasil caipira.S...

Leia Mais!
Literaturas dos Brasis

O projeto Literatura Brasileira no XXI abre novo ciclo, voltado às nossas diversidades regionais. Inspiradas no Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), as oficinas visam discutir a literatura de cada Brasil descrito nessa obra fundamental: caipira, sertanejo, caboclo, crioulo e sulin...

Leia Mais!
Em todos os tempos: vozes indígenas

O projeto Literatura Brasileira no XXI fecha o ciclo de oficinas em defesa da democracia. Sabíamos que o tema era relevante, diante do ambiente político tomado por sectarismos. Queríamos contribuir para o debate, exercendo nossa função cultural, educacional e social. E de saída, com os ataque...

Leia Mais!
Em todos os tempos: vozes indígenas

O projeto Literatura Brasileira no XXI fecha o ciclo de oficinas em defesa da democracia. Sabíamos que o tema era relevante, diante do ambiente político tomado por sectarismos. Queríamos contribuir para o debate, exercendo nossa função cultural, educacional e social. E de saída, com os ataque...

Leia Mais!