/ governosp

Publicações | Destaques

O videoclipe dá sua letra

Freepik / Frimufilms.

Algumas pessoas vão olhar para essa oficina – “O lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro contemporâneo” – e não vão entender nada. Como assim videoclipe num site sobre “Literatura Brasileira no XXI”? Outras tantas, mais irônicas talvez, podem dizer que pelo menos o recorte temporal está correto: os clipes apresentados são todos desse século em que estamos. E se as pessoas irônicas forem também generosas, elas saberão que, às vezes, estar um pouquinho certo é o que basta. Contudo, é importante dizer, não é o caso aqui, e a Biblioteca Parque Villa-Lobos acertou na mosca quando encampou a oficina ministrada pelo professor Rodrigo Ribeiro Barreto. Não se trata sequer do tema, este sempre urgente, hoje como nunca. Ao trazer para o primeiro plano o lugar LGBTQIA+ numa mídia com tanto impacto quanto o videoclipe (que, ao contrário do que se pensa, vai muito bem, obrigado), Barreto apresenta também um processo de construção social de uma autoimagem própria, orgulhosa de si. Como se vê, nada mais adequado para o mês de junho. 


Mas não é só no tema que se acerta. Imaginar que literatura diga respeito apenas à palavra escrita é de uma restrição sem tamanho, equivocada já há algum tempo. As manifestações folclóricas de caráter oral, para ficar num exemplo mais fácil, também fazem parte do acervo literário brasileiro. É igualmente o caso dos slams, para trazer um exemplo urbano. Nesse sentido, os videoclipes são narrativas audiovisuais através das quais sentidos do mundo são disputados. E, como Barreto mostra, no espaço do videoclipe, ninguém soube fazê-lo tão bem quanto a comunidade LGTBQIA+.

Leia também

Um salve a quem ensina!

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigos...

Leia Mais!
Persona analfabeta

Uma oficina de criação literária focada em analfabetos soa como para você? Se falamos de leitura e escrita, o que isso teria a ver com quem, justamente, não lê e tampouco escreve? Bem, o Brasil foi construído por trabalhadores majoritariamente analfabetos – contando povos ameríndios, africano...

Leia Mais!
Para se fazer ouvir e ler

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada...

Leia Mais!
A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer q...

Leia Mais!
Minicontos de trabalho

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente ...

Leia Mais!
Quem quer brincar de livro?

Livros costumam ser caixinhas de surpresas sensoriais e imagéticas. Em aulas, estudos ou leituras compartilhadas, comentamos muito a narrativa ou a temática de um volume. Falamos, ainda, da forma desse conteúdo, se é bonito ou feio, estranho ou agradável, tocante ou engraçado.Mas livro tamb...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC