/ governosp

Publicações | Destaques

Persona analfabeta

Foto: banco de imagem

Uma oficina de criação literária focada em analfabetos soa como para você? Se falamos de leitura e escrita, o que isso teria a ver com quem, justamente, não lê e tampouco escreve? Bem, o Brasil foi construído por trabalhadores majoritariamente analfabetos – contando povos ameríndios, africanos e europeus – que também habitam nossa literatura. 

Claro que cozinheiras, escravos, roceiros e operários nem sempre foram representados de modo positivo. Embora detentores de conhecimentos fundamentais ao sucesso econômico da pátria, não é difícil encontrar escritores imbecilizando uma preta velha – ela que preparou mingau para aqueles que seriam diplomatas e senadores – ou embrutecendo um violeiro – justo ele cheio de virtuosos ponteados e duetos afinados.

Mas houve quem reconhecesse no analfabeto fontes de conhecimentos, e não o tipo infecto a ser curado ou até eliminado da sociedade. Cornélio Pires revelou caipiras de fala aguda, dos mutirões organizados, leitores da fertilidade e beleza da terra. Manuel Bandeira ouviu a língua certa do sertanejo, sua capacidade de domar enchentes e arquitetar festejos coletivos. 

Na oficina “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, Maurina Lima Silva discutiu autores que, como Conceição Evaristo e Itamar Vieira Jr.,  dão conta dessa vida oral comum a tantos brasileiros dignos. Depois de muitas campanhas para erradicar o analfabetismo, às vezes mal planejadas e baseadas em preconceitos, temos hoje cerca de 5% da população iletrada. Um outro país de homens e mulheres que, apesar de relevantes na sociedade, são pouco respeitados.

É essa identidade ignorada por diversas políticas públicas – quando desconsideram que cartilhas sobre covid-19 não serão lidas por todos – e até por intérpretes da nossa cultura – ao subestimarem eficiência e restrições das formas ágrafas de aprendizado – que pulsa registrada aqui em relatos, versos e narrativas para lá de comoventes. Uma reflexão necessária para o oito de setembro: Dia Mundial da Alfabetização.


Leia também

Um salve a quem ensina!

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigos...

Leia Mais!
Para se fazer ouvir e ler

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada...

Leia Mais!
A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer q...

Leia Mais!
O videoclipe dá sua letra

Algumas pessoas vão olhar para essa oficina – “O lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro contemporâneo” – e não vão entender nada. Como assim videoclipe num site sobre “Literatura Brasileira no XXI”? Outras tantas, mais irônicas talvez, podem dizer que pelo menos o recorte temporal est...

Leia Mais!
Minicontos de trabalho

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente ...

Leia Mais!
Quem quer brincar de livro?

Livros costumam ser caixinhas de surpresas sensoriais e imagéticas. Em aulas, estudos ou leituras compartilhadas, comentamos muito a narrativa ou a temática de um volume. Falamos, ainda, da forma desse conteúdo, se é bonito ou feio, estranho ou agradável, tocante ou engraçado.Mas livro tamb...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC