/ governosp

Publicações | Destaques

Um salve a quem ensina!

Foto: Equipe SP Leituras

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigoso para o pobre ou para o não especialista. 

Em O triste fim de Policarpo Quaresma, Lima Barreto combate tal crença, útil a quem deseja subjugar o povo pela ignorância. Quando o Major Quaresma passa a estudar e a constituir acervo de obras, herda o desafeto do Doutor Segadas, que não admitia livros em mãos de quem não fosse formado em faculdade. Denuncia ele os endinheirados sem espírito coletivo, em geral medíocres mas bem “arranjados”, a defender que leitura enlouquece. É a sua fina ironia para provar, por inversão, que leitura, na real, esclarece.

A oficina Professores personagens da literatura: textos sobre outros textos, ministrada por Lilian do Rocio Borba, tratou de dar vida a mestres e mestras que, tendo nascido em páginas literárias, almejam a dignificação do humano, movem-se pela justiça. Bibiana, de Torto Arado, abre as janelas da literatura e da vida a seus alunos, seus iguais no mundo. Já Alice, de Quarenta Dias, costura extremos. A viagem do autoconhecimento é da menina, mas também da senhora aposentada, cujo valor não se encerra numa conta da previdência social. 

No fundo, uma delicada homenagem ao 15 de outubro, Dia do Professor. Essas personagens, homens e mulheres, que nos ensinam a ler sonhos, a ter ciência da injustiça. Desrespeitados pelos que ganham com a cegueira do hoje, são amados por quem descobrirá o amanhã. Um salve a quem ensina!


Leia também

Persona analfabeta

Uma oficina de criação literária focada em analfabetos soa como para você? Se falamos de leitura e escrita, o que isso teria a ver com quem, justamente, não lê e tampouco escreve? Bem, o Brasil foi construído por trabalhadores majoritariamente analfabetos – contando povos ameríndios, africano...

Leia Mais!
Para se fazer ouvir e ler

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada...

Leia Mais!
A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer q...

Leia Mais!
O videoclipe dá sua letra

Algumas pessoas vão olhar para essa oficina – “O lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro contemporâneo” – e não vão entender nada. Como assim videoclipe num site sobre “Literatura Brasileira no XXI”? Outras tantas, mais irônicas talvez, podem dizer que pelo menos o recorte temporal est...

Leia Mais!
Minicontos de trabalho

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente ...

Leia Mais!
Quem quer brincar de livro?

Livros costumam ser caixinhas de surpresas sensoriais e imagéticas. Em aulas, estudos ou leituras compartilhadas, comentamos muito a narrativa ou a temática de um volume. Falamos, ainda, da forma desse conteúdo, se é bonito ou feio, estranho ou agradável, tocante ou engraçado.Mas livro tamb...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC