Publicações | Criação Literária

A ciência como thriller

Ilustração: Fernando Siniscalchi

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos arguidores – um professor que, sem saber, inspiraria o modus operandi de quem se tornaria um grande escritor e semiólogo trazendo, em todos os seus trabalhos acadêmicos, nada mais que “o relato de uma busca por algum Santo Graal”, motivado pela tenaz convicção de que “toda obra científica deve ser uma espécie de thriller”.

Partindo desse pressuposto sedutor, a oficina "A literatura como ciência e a ciência como literatura" procurou estimular o diálogo entre esses dois campos do conhecimento, numa época em que paira sobre ambos a mesma ironia capciosa: em plena pandemia da Covid-19, quando a ciência tem nos ajudado a enfrentar o vírus com suas descobertas e os livros voltaram a ser nossos companheiros no isolamento social, a ignorância humana se tornou tão nociva a ponto de causar a morte de milhões de pessoas ao redor do mundo, vítimas diretas ou indiretas do negacionismo de parte de nossa sociedade e governantes.

No mesmo ritmo com que médicos tentam ressuscitar pacientes entubados na linha de frente de hospitais, laboratórios tentam produzir vacinas a toque de caixa e infectologistas vêm a público para nos alertar da importância do uso de máscaras e do distanciamento, notícias falsas circulam minimizando o impacto da doença e propondo tratamentos comprovadamente ineficazes. Ao passo que nunca se venderam tantos livros pela internet, nesse mesmo espaço contemplamos, atônitos, a insurgência de discursos que parecem se voltar contra o saber e a cultura, trocando bibliotecas por fogueiras, livros por armas, arte por violência.

No centro desse thriller, por vezes uma distopia insana, nada fascinante de se acompanhar, a palavra jaz como esse Santo Graal que a humanidade está constantemente buscando, em páginas de uma história que vai sendo escrita e que é também, a seu modo, uma batalha pelo controle de narrativas, produzindo heróis e vilões, protagonistas e coadjuvantes, textos e notas de rodapé. Cabe a nós, mulheres e homens, acreditar na palavra, ainda que numa era em que a sua falência tem gerado tantos ruídos. Ou, como diria o poeta espanhol Alberto Juarroz:

O serviço que se pede ao homem

É nada mais que continuar a narração,

Com qualquer argumento,

Ou também sem nenhum.

Por Tiago Germano

Veja, a seguir, textos produzidos como resultado da oficina “A literatura como ciência e a ciência como literatura”, ministrada em maio pelo escritor Tiago Germano, dentro da programação da Biblioteca de São Paulo

Melissa Mel

Patricia Dias

Patrícia Orestes

Tiago Germano é mestre e doutor em escrita criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Atua como consultor, é resenhista da plataforma de leitura Goodreads e assina uma coluna no suplemento literário Correio das Artes. É autor da coletânea de crônicas "Demônios Domésticos" (2017), indicada ao Jabuti, e do romance "A Mulher Faminta" (2018).

Leia também

O guarda-roupa modernista

Poucos talvez tenham se dado conta de que a estética modernista avançou para muito além das letras, das telas de figuras enigmáticas e dos acordes dissonantes. Contaminou também o estilo de vida, os modos e chegou ao guarda-roupa dos principais artífices da Semana de Arte Moderna de 1922, com des...

Leia Mais!
À moda do diário

Os textos aqui reunidos foram escritos pelas alunas que participaram da oficina on-line “O guarda-roupa modernista”, ministrada por mim ao longo do mês de junho de 2022 através da Biblioteca Parque Villa-Lobos. Inicialmente, minha proposta era a produção de um tipo de texto diferente a cada enc...

Leia Mais!
A efervescência modernista na América Latina

O que é ser latino-americano para você? Foi com essa provocação que a jornalista e professora de Literaturas em Língua Espanhola, na faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Unifesp, Joana Rodrigues, começou a série de quatro encontros da oficina-online Modernismos nas Vizinhanças ...

Leia Mais!
Prazer em conhecê-los!

Em um ano marcado por tantos episódios culturais, em que o centenário da Semana de 22 se faz presente de forma retumbante no país, a oficina Modernismo nas vizinhanças latino-americanas foi pensada como possibilidade de trazer ao público alguns aspectos do que acontecia literariamente em paíse...

Leia Mais!
Arquitetura modernista

O que é moderno, é moderno por acaso? Para responder essa pergunta, o arquiteto, poeta e professor Humberto Pio convidou os participantes da oficina on-line Moderno por Acaso? Literatura e Arquitetura, realizada em quatro encontros entre os dias 5 e 26 de abril organizados pela Biblioteca Parque Vil...

Leia Mais!
Moderno por acaso? Literatura e arquitetura

Cem anos após a Semana de Arte Moderna de 1922, nas tardes ensolaradas das terças de abril do terceiro ano pandêmico, computadores aproximaram nossas casas da biblioteca. Foram quatro encontros que buscaram entender a literatura e a arquitetura modernas brasileiras num amplo panorama cultural, em di...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP