/ governosp

Publicações | Criação Literária

Contando o trabalho na pandemia

Ilustração: Fernando Siniscalchi.

A oficina Personagens do trabalho foi realizada ao longo de quatro encontros, durante o mês de março de 2021. Nestes encontros, pudemos discutir as diferentes facetas do trabalho, procurando apreendê-lo como um fenômeno essencial da atividade humana. Trabalhar não é só se dedicar a uma atividade profissional ou a um meio de vida. É, antes de tudo, criar mundos. É participar ativamente na produção e transformação das coisas ao nosso redor. Daí também o papel importante da fantasia, da literatura e da arte quando nos propomos a pensar sobre o trabalho e sobre como as diferentes condições de acesso a ele afetam as nossas vidas.

Em nossos encontros, o gênero literário escolhido para ser exercitado foi o miniconto. Espécie de forma narrativa essencialmente breve, às vezes até muito próxima da anedota e da fábula, ou mesmo do provérbio e da poesia, ela encanta pela agilidade e intensidade do efeito. Combina, portanto, com o ritmo acelerado que a produção e o trabalho vêm assumindo num mundo cada vez mais globalizado e tecnológico. Nossas discussões não foram indiferentes a isso. Nem poderiam ser. Os encontros aconteceram no momento de maior agravamento da pandemia do novo coronavírus, quando os seus efeitos sobre a economia e o desemprego, já combalidos, atingiam um ponto ainda mais crítico.

O resultado é perceptível nos textos recolhidos nessa pequena coletânea. Não faltam neles uma nota crítica, e muitas vezes combinada com o humor. Mesmo a um primeiro olhar, o leitor pode observar como os autores buscaram apurar a linguagem de suas histórias, focando-as em pequenas situações do cotidiano, interessantes pelas tensões que encerram. Recorrendo a suas experiências prévias ou imaginadas, os participantes não deixaram de abordar a pandemia e as transformações no trabalho decorrentes do isolamento.

Apesar do momento crítico, os encontros virtuais foram muito prazerosos e renderam bons resultados. Esperamos que possam desfrutar de pelo menos uma parte desse prazer na leitura desses minicontos.

Por Milena Mulatti Magri & Gustavo Scudeller

Veja, a seguir, os minicontos produzidos como resultado da oficina “Personagens do trabalho”, ministrada em março pelos professores Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller, dentro da programação da Biblioteca de São Paulo.

Anderson Pimentel 

Cairo Reis 

Lilian Amaral 

Raiany Peixe Gremes

Suelen Santana 

Tita Nunes 

Vanessa Castro

Victória Galvão


Milena Mulatti Magri é doutora em Letras pela Universidade de São Paulo e pós-doutora pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Tem experiência na área de letras, com ênfase em Literatura Brasileira e Teoria da Literatura. 

Gustavo Scudeller é doutor em Teoria e História Literária pela Unicamp. É professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, onde realiza atividades acadêmicas e de extensão. 

Leia também

O peso da caneta

Certa vez perguntei à minha mãe como ela fazia para viajar. E dela ouvi: “Ué, eu observo tudo ao meu redor. Quando o ônibus para eu olho quem é o motorista, a cor, vejo quem sentou do meu lado...” Desse modo não se perde. Contou-me que tal modo de viajar aprendera com seu pai. A pergunta, apa...

Leia Mais!
Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condu...

Leia Mais!
Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A prim...

Leia Mais!
O sujeito indígena na literatura

A partir do século XVI, a figura do indígena vira um dos objetos preferidos entre aqueles que aqui aportavam. Uma curiosidade enorme sobre aqueles corpos descobertos, exibindo saúde e beleza superiores aos europeus, enfiados em roupas desenhadas para abafar pudores e falta de banho. Carcomidos pelo ...

Leia Mais!
A ponte que aproxima a ciência e a literatura

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado...

Leia Mais!
A ciência como thriller

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos a...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC