/ governosp

Publicações | Crítica

Críticas e algumas bem-vindas crises: da poesia à prosa

Ilustração: Fernando Siniscalchi

Quanto das nossas experiências de leitura pode ser comunicado, transformado em palavras alongando o próprio fio da obra recém-contemplada? Mais: como esse exercício pode também ampliar nosso horizonte de entendimentos, de mais dúvidas ainda, iluminações e perturbações de todos os tipos? Um pouco a partir de perguntas assim foi estruturada a oficina “Críticas sem crise: da poesia à prosa”, ocorrida nos sábados de junho – o mês-do-meio-do-ano, o tal de 2020, seus dias com o indesejado adjetivo de pandêmicos. Encontrar aí a literatura e se propor a olhá-la em minúcia passa também por, de certa forma, nos permitir novos encontros com a palavra nos desencontros de um período assim caótico.

Ali, a produção de autoras brasileiras foi o foco. E, se a palavra crítica de início parece pesada por si só, meu esforço foi no sentido de estimular que as elucubrações das e dos participantes passassem ao papel, à tela, à superfície, enfim, funcionando como ponte para novas descobertas de leitura do coletivo. É preciso alguma confiança para arriscar colocar no papel e na tela o que nos atravessa depois da matéria literária, criando tensão entre ela e nossa bagagem referencial, nossas leituras de mundo. Uma vez em contato com um livro, cúmplice é a pessoa leitora em alguma medida do universo a ela revelado ou, quem sabe, mais envolto em mistérios.

Mas é só falar bem? Mas e aquilo de “falar mal”? E se meu texto também for poético, pode? E tem problema se o livro já for bem conhecido? – as inquietações (crises?) tantas sobre a crítica, no contexto de uma oficina na biblioteca, não são senão possibilidades de campo aberto para a própria produção. E por falar em espaços abertos, o campo dos afetos se fez bastante presente conforme as identificações com os diferentes nomes de escritoras e poetas surgiam. Saber de algumas características gerais a respeito de uma obra literária desconhecida, naquele momento, nos pareceu tão interessante quanto saber das perspectivas de quem escrevia a resenha sobre ela. Com as obras que já conhecíamos, o mesmo processo se dava: o que será que essa pessoa me diz sobre esse livro? E como será que ela vai dizer?

Confiar e valorizar as nossas experiências de leitura foi, nessa prática de compartilhamento, análise, pesquisa, escuta e, vejam só, um movimento de coragem. Olhar; olhar de novo; olhar de outra forma. Fazer jus à escrita da mulher poeta, da mulher escritora: escrever sobre sua obra. E que as pequenas crises dentro disso sejam as melhores possíveis, fruto do que mora nos textos e nos seus espaços de entendimento.

Por Carina Carvalho


Veja, a seguir, resenhas produzidas durante a oficina “Críticas sem crise: da poesia à prosa”, realizada por Carina Carvalho na Biblioteca de São Paulo, em junho de 2020:

Carolina Margiotte Grohmann - Resenha Brasil, construtor de ruínas

Isabelle Ferreira - Resenha Enfim, capivaras

Karina E. Costa - Resenha Tudo nela brilha e queima

Lídia Mendes - Resenha Mulher bomba


Carina Carvalho é poeta, trabalha com edição e revisão de materiais didáticos e de aprendizagem socioemocional. Mestra em Estudos Literários pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), ela assina a série poética Ensaio para sair de casa, que integrou a coletânea do II Prêmio Ufes de Literatura. Carina é autora dos livros de poemas "Marambaia", "Passiflora" e "Corpo clareira". 

Leia também

Um Brasil Sonoro: do Modernismo à Tropicália

A paisagem sonora brasileira se construiu por um conjunto de ambiguidades, multiplicidades e contradições, entre a consciência de projeto e suas realizações. Os encontros da oficina “Do Modernismo à Tropicália: diferentes modos de escutar canção e música brasileira”, se concretizaram, um ...

Leia Mais!
Sons do Brasil

Oficina com Gustavo Bonin mostra a influência do Modernismo e da Tropicálica na construção do Brasil sonoro.Se tem algo que realmente embalou a Semana de Arte Moderna de 1922 foi a música. Entre as diversas apresentações realizadas nos três dias de evento, os concertos dominaram a maior parte ...

Leia Mais!
Semana de Arte Moderna – por outros caminhos

Quando meu amigo e colega Pedro Marques me convidou para integrar o projeto Literatura Brasileira no XXI com uma oficina sobre a Semana de Arte Moderna, senti a alegria e a responsabilidade de levar ao público reflexões sobre o evento e seu papel no processo de renovação da cultura brasileira. Assi...

Leia Mais!
A Semana de Arte Moderna sob o viés das revistas literárias

Na oficina A Semana de Arte Moderna por Outros Caminhos, realizada nos dias 7, 8, 9 e 10 de novembro, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, a professora de literatura brasileira da Unifesp, Mirhiane Mendes de Abreu, propôs um olhar diferenciado sobre o movimento modernista de 1922. Em vez de pesquisar as ...

Leia Mais!
A modernidade do século XIX

Modernos, antes de 1922. O objetivo da oficina ministrada pela professora de literatura da Unifesp, de Guarulhos, Francine Fernandes Weiss Ricieiri e realizada nos dias 6, 13, 20 e 27 de novembro, foi mostrar aos participantes que a ideia de modernidade na literatura brasileira começou bem antes do mo...

Leia Mais!
Modernos, antes de 22

Uma oficina que pudesse pensar a modernidade, no Brasil, nas últimas décadas do século XIX. Talvez pareça paradoxal – e é. Modernidade implica mergulho em paradoxos que apagam ou embaralham limites e fronteiras: os limites entre nacionalismo e cosmopolitismo, os limites entre tradição e aceler...

Leia Mais!