/ governosp

Publicações | Crítica

O brinquedo feito de papel que ensina, educa e emociona

Ilustração: Fernando Siniscalchi

É por meio da família e da escola que começamos a desenvolver o gosto pela leitura, principalmente a partir de nossos primeiros contatos com os livros.  Todo livro é carregado de uma história, e não me refiro a sua narrativa propriamente, mas ao livro em sua materialidade. Alguém o escreveu, alguém fez a arte da capa e o ilustrou, alguém pensou em seu formato, em seu papel, por exemplo. Quem ama ler, também ama o livro enquanto objeto carregado de simbologia, afetos, emoções sensoriais e sentimentos.

Foi com o objetivo de trazer um novo olhar para o livro, valorizando seus aspectos como um objeto também de arte, com o qual se pode brincar e se encantar, que iniciei os encontros na oficina “Um brinquedo chamado livro: as possibilidades do livro infantil que extrapolam a narrativa escrita”, ocorridos aos sábados de fevereiro de 2021.

O diálogo partiu de uma reflexão sobre a importância do livro em nossa sociedade. Mais do que isso, sobre as experiências do impacto do livro infantil em nossas vidas ou em outras pessoas, que de certa forma, nos rodeiam. As conversas giraram em torno, principalmente, do potencial do livro infantil, não só como fonte de narrativas, mas como potencial de um objeto artístico, um artefato afetivo, inclusive.

Ao longo dos outros encontros da oficina, tentei trazer à tona conhecimentos inconscientes sobre o design gráfico do livro, bem como suas ilustrações, o uso das cores, sua tipologia, sua diagramação. Fazendo uso de uma bibliografia ampla sobre o tema, fui mostrando alguns exemplares de livros infantis, sempre entrecortado com uma belíssima e tocante troca de depoimentos, exemplos e ensinamentos dos participantes.

Agora, terminado a oficina, essas leitoras nos oferecem resenhas de livros infantis. Nesses textos sensíveis, elas mostram a perspectiva de seu olhar que recai sobre o objeto estético e artístico, que toca o leitor não apenas por sua leitura, mas por suas sensações e emoções ao se olhar e tocar o livro. 

Por Fabiano Fernandes Garcez

Veja, a seguir, as resenhas produzidas como resultado da oficina “Um brinquedo chamado livro: as possibilidades do livro infantil que extrapolam a narrativa escrita”, ministrada em fevereiro pelo professor Fabiano Fernandes Garcez, dentro da programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos

Carina Castro - Resenha A visita

Lila C. G. Vanzella - Resenhas Aperte aqui e Numa tarde quente de verão

Patricia Teixeira Dias - Resenha A casa da madrinha

Suelen Santana - Resenha Menino do Mato


Fabiano Fernandes Garcez é poeta e professor de língua portuguesa na rede municipal de ensino de São Paulo. É mestrando no curso de Letras na Unifesp e produtor e apresentador do “Sala de Leitura com Fabiano Fernandes Garcez” no Youtube. Assina, entre outros, os livros “Poesia se é que há” (2008), “Em meio aos ruídos urbanos” (2016)  e  “Badaladas de uma preliminar” (2020). 

Leia também

Rodrigo Ribeiro Barreto analisa o lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro

A oficina online intitulada “O lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro contemporâneo”, realizada em abril na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos com o professor Rodrigo Ribeiro Barreto, teve início com análise e explanações sobre a representação genérico-sexual nessas produções...

Leia Mais!
A hora e a vez do videoclipe LGBTQIA+ no Brasil

Não mais sob o controle quase exclusivo da Rede Globo, com os “clipes do Fantástico” dos anos 1970 e 1980, nem tampouco concentrado demais, como a partir da década de 1990, nas mãos de realizadores sudestinos plenos de capital social no campo de produção audiovisual, o videoclipe brasileiro t...

Leia Mais!
Livro: um objeto carregado de beleza, arte e significado

A oficina online “Um brinquedo chamado livro: as possibilidades do livro infantil que extrapolam a narrativa escrita”, realizada em fevereiro, dentro da programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos (BVL), teve o livro infantil como protagonista. Na atividade, o professor e escritor Fabiano Fernan...

Leia Mais!
Críticas e algumas bem-vindas crises: da poesia à prosa

Quanto das nossas experiências de leitura pode ser comunicado, transformado em palavras alongando o próprio fio da obra recém-contemplada? Mais: como esse exercício pode também ampliar nosso horizonte de entendimentos, de mais dúvidas ainda, iluminações e perturbações de todos os tipos? Um po...

Leia Mais!
Carina Carvalho compartilha dicas sobre a criação de resenhas literárias

Mestra em Estudos Literários pela UNIFESP, Carina Carvalho defende que a resenha literária tenha seu espaço em formatos diferenciados para os vários canais disponíveis para a publicação destes textos. Na oficina “Críticas sem crise: da poesia à prosa”, realizada em junho dentro da programa...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC