Publicações | Criação Literária

Sobre o jogo da poesia

Ilustração: Fernando Siniscalchi

Na oficina de criação literária “A poesia do jogo ҉ O jogo da poesia”, exploramos novas possibilidades de escrita poética a partir do diálogo com diversas práticas lúdicas e esportivas. Tomando como ponto de partida as atividades criativas do grupo Oulipo (formado por Raymond Queneau, Italo Calvino, Georges Perec e diversos outros escritores), propus uma série de jogos verbais com o intuito de desenvolver a capacidade imaginativa, crítica e construtiva dos participantes. Os dois primeiros encontros foram dedicados a elementos cruciais do texto poético: o ritmo e a imagem. Nos outros dois encontros, aventuramo-nos em jogos com a ficcionalização da voz lírica e com a recriação de textos já existentes.

Cada encontro se estruturou a partir da exposição de alguns pressupostos básicos, ilustrados por textos de autores de diversos locais e épocas (da Grécia clássica ao Japão do século XVIII; da Provença medieval ao Brasil contemporâneo), seguida pela proposição de exercícios de criação. A princípio, a ideia de que determinadas regras (ou restrições) poderiam estimular a criatividade soou como contraintuitiva para os participantes da oficina; no entanto, à medida que eles se dedicavam aos exercícios, logo descobriram que (assim como acontece na prática esportiva) as restrições ampliavam suas possibilidades criativas, forçando-os a pensar em alternativas que não teriam considerado caso se vissem completamente livres para escrever de qualquer forma sobre qualquer assunto.

Respeitando o ritmo de cada participante (alguns escreviam vários poemas em poucos minutos; outros preferiam fazer esboços que depois seriam desenvolvidos no período de uma semana entre cada encontro), conseguimos reunir uma coleção de textos variados, inventivos e vigorosos: haicais sintéticos e poemas que se estendiam por três páginas; textos metrificados e rimados, poemas em verso livre; poemas escritos a partir de outros textos ou de experiências individuais...

Uma parte fundamental de cada encontro foi a partilha dos textos entre os participantes, feita num ambiente de camaradagem e respeito mútuo, em que algumas sugestões foram decisivas para a forma final dos poemas. Fiquei particularmente tocado pelo empenho dos participantes, que levaram a sério todas as atividades propostas e se mostraram abertos para se transformarem através da escuta e da leitura da voz dos outros poetas, compreendendo suas vozes singulares como frutos de um diálogo contínuo com a tradição literária e com a sociedade contemporânea. 

Por Marco Catalão


Veja, a seguir, textos poéticos produzidos durante a oficina “A poesia do jogo ҉ O jogo da poesia”, realizada por Marco Catalão na Biblioteca Parque Villa-Lobos, em maio de 2020:

Diana Vanderlei - Nymeria

Diana Vanderlei - Sem título

Sabrina Silva - Sem título (1)

Sabrina Silva - Sem título (2)

Thiago Ballestero - A pena

Thiago Ballestero - Sem título



Marco Catalão é poeta, dramaturgo e ficcionista. Doutor em Teoria e História Literária pela Unicamp, ele é autor de "No cravo e na ferradura", "O cânone acidental", "Agro negócio", "Sob a face neutra" e "As asas do albatroz". Entre 2015 e 2019, fez pós-doutorado em Teoria do Teatro pela USP com estágio na Université Sorbonne Nouvelle. Em 2018 e 2019, recebeu o Prêmio de Incentivo à Publicação Literária.

Leia também

O guarda-roupa modernista

Poucos talvez tenham se dado conta de que a estética modernista avançou para muito além das letras, das telas de figuras enigmáticas e dos acordes dissonantes. Contaminou também o estilo de vida, os modos e chegou ao guarda-roupa dos principais artífices da Semana de Arte Moderna de 1922, com des...

Leia Mais!
À moda do diário

Os textos aqui reunidos foram escritos pelas alunas que participaram da oficina on-line “O guarda-roupa modernista”, ministrada por mim ao longo do mês de junho de 2022 através da Biblioteca Parque Villa-Lobos. Inicialmente, minha proposta era a produção de um tipo de texto diferente a cada enc...

Leia Mais!
A efervescência modernista na América Latina

O que é ser latino-americano para você? Foi com essa provocação que a jornalista e professora de Literaturas em Língua Espanhola, na faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Unifesp, Joana Rodrigues, começou a série de quatro encontros da oficina-online Modernismos nas Vizinhanças ...

Leia Mais!
Prazer em conhecê-los!

Em um ano marcado por tantos episódios culturais, em que o centenário da Semana de 22 se faz presente de forma retumbante no país, a oficina Modernismo nas vizinhanças latino-americanas foi pensada como possibilidade de trazer ao público alguns aspectos do que acontecia literariamente em paíse...

Leia Mais!
Arquitetura modernista

O que é moderno, é moderno por acaso? Para responder essa pergunta, o arquiteto, poeta e professor Humberto Pio convidou os participantes da oficina on-line Moderno por Acaso? Literatura e Arquitetura, realizada em quatro encontros entre os dias 5 e 26 de abril organizados pela Biblioteca Parque Vil...

Leia Mais!
Moderno por acaso? Literatura e arquitetura

Cem anos após a Semana de Arte Moderna de 1922, nas tardes ensolaradas das terças de abril do terceiro ano pandêmico, computadores aproximaram nossas casas da biblioteca. Foram quatro encontros que buscaram entender a literatura e a arquitetura modernas brasileiras num amplo panorama cultural, em di...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP