/ governosp
Sobre o jogo da poesia - Literatura Brasileira no XXI

Publicações | Criação Literária

Sobre o jogo da poesia

Ilustração: Fernando Siniscalchi

Na oficina de criação literária “A poesia do jogo ҉ O jogo da poesia”, exploramos novas possibilidades de escrita poética a partir do diálogo com diversas práticas lúdicas e esportivas. Tomando como ponto de partida as atividades criativas do grupo Oulipo (formado por Raymond Queneau, Italo Calvino, Georges Perec e diversos outros escritores), propus uma série de jogos verbais com o intuito de desenvolver a capacidade imaginativa, crítica e construtiva dos participantes. Os dois primeiros encontros foram dedicados a elementos cruciais do texto poético: o ritmo e a imagem. Nos outros dois encontros, aventuramo-nos em jogos com a ficcionalização da voz lírica e com a recriação de textos já existentes.

Cada encontro se estruturou a partir da exposição de alguns pressupostos básicos, ilustrados por textos de autores de diversos locais e épocas (da Grécia clássica ao Japão do século XVIII; da Provença medieval ao Brasil contemporâneo), seguida pela proposição de exercícios de criação. A princípio, a ideia de que determinadas regras (ou restrições) poderiam estimular a criatividade soou como contraintuitiva para os participantes da oficina; no entanto, à medida que eles se dedicavam aos exercícios, logo descobriram que (assim como acontece na prática esportiva) as restrições ampliavam suas possibilidades criativas, forçando-os a pensar em alternativas que não teriam considerado caso se vissem completamente livres para escrever de qualquer forma sobre qualquer assunto.

Respeitando o ritmo de cada participante (alguns escreviam vários poemas em poucos minutos; outros preferiam fazer esboços que depois seriam desenvolvidos no período de uma semana entre cada encontro), conseguimos reunir uma coleção de textos variados, inventivos e vigorosos: haicais sintéticos e poemas que se estendiam por três páginas; textos metrificados e rimados, poemas em verso livre; poemas escritos a partir de outros textos ou de experiências individuais...

Uma parte fundamental de cada encontro foi a partilha dos textos entre os participantes, feita num ambiente de camaradagem e respeito mútuo, em que algumas sugestões foram decisivas para a forma final dos poemas. Fiquei particularmente tocado pelo empenho dos participantes, que levaram a sério todas as atividades propostas e se mostraram abertos para se transformarem através da escuta e da leitura da voz dos outros poetas, compreendendo suas vozes singulares como frutos de um diálogo contínuo com a tradição literária e com a sociedade contemporânea. 

Por Marco Catalão


Veja, a seguir, textos poéticos produzidos durante a oficina “A poesia do jogo ҉ O jogo da poesia”, realizada por Marco Catalão na Biblioteca Parque Villa-Lobos, em maio de 2020:

Diana Vanderlei - Nymeria

Diana Vanderlei - Sem título

Sabrina Silva - Sem título (1)

Sabrina Silva - Sem título (2)

Thiago Ballestero - A pena

Thiago Ballestero - Sem título



Marco Catalão é poeta, dramaturgo e ficcionista. Doutor em Teoria e História Literária pela Unicamp, ele é autor de "No cravo e na ferradura", "O cânone acidental", "Agro negócio", "Sob a face neutra" e "As asas do albatroz". Entre 2015 e 2019, fez pós-doutorado em Teoria do Teatro pela USP com estágio na Université Sorbonne Nouvelle. Em 2018 e 2019, recebeu o Prêmio de Incentivo à Publicação Literária.

Leia também

Canções e fábulas foram referências para a oficina online de minicontos

Canções, fábulas e minicontos foram alguns dos materiais que os professores Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller compartilharam com os participantes durante a oficina online "Personagens do trabalho", que aconteceu em março deste ano. O objetivo dos encontros foi promover uma reflexão sobre...

Leia Mais!
Contando o trabalho na pandemia

A oficina Personagens do trabalho foi realizada ao longo de quatro encontros, durante o mês de março de 2021. Nestes encontros, pudemos discutir as diferentes facetas do trabalho, procurando apreendê-lo como um fenômeno essencial da atividade humana. Trabalhar não é só se dedicar a uma ati...

Leia Mais!
Depois do princípio era o verso

Pode não parecer, mas a poesia é uma das tecnologias mais antigas do homo sapiens. Desde os tempos antediluvianos, quando ainda não se imaginava nenhuma escrita baseada em logogramas, hieróglifos, ideogramas ou alfabetos. Não havia sequer as condições materiais de hoje, que garantem o registr...

Leia Mais!
Versos de Horácio são ponto de partida para desvendar a métrica da poesia

Muitos segredos da poesia não são segredos, mas a aplicação consciente e a variação criativa de certas técnicas. Na oficina online “O poeta é um fazedor: ritmos antigos e versos contemporâneos”, realizada em janeiro na programação da Biblioteca de São Paulo, o professor Érico Noguei...

Leia Mais!
Danielle Crepaldi Carvalho parte da história do carnaval para estimular a escrita

Adiado em várias partes do País em função da pandemia, o Carnaval foi tema da oficina online de crônicas, realizada no final do ano passado, dentro da programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos. A professora Danielle Crepaldi Carvalho comandou os encontros da série intitulada "História e ...

Leia Mais!
Carnaval em tempo de pandemia

Recebi com surpresa o convite gracioso da Biblioteca Villa-Lobos para ministrar esta oficina em homenagem ao Carnaval, às portas de um fevereiro em que não haverá Carnaval. Como começar 2021 sem realizar, por meio da folia carnavalesca, a catarse de um ano de tantas provações? Dadas as inquest...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC