Edição 33 - Junho/2023 | Tema

Caro Leitor

Fernando Siniscalchi

Caro leitor

Estou aqui para lhe contar uma novidade. Aqui você encontrará textos produzidos pelos participantes da oficina Cartas, história e democracia, que aconteceu no mês de abril de 2023. Durante essa oficina, lemos e analisamos trechos de obras dedicadas ao gênero epistolar para o reconhecimento de suas características. Também lemos e analisamos cartas ou trechos de cartas que demonstravam a importância do gênero epistolar para o exercício da democracia.

Assim, partimos, no primeiro encontro, da leitura de trechos do livro A arte de escrever cartas (que está disponível em https://editoraunicamp.com.br/catalogo/?id=1706) para que todos se familiarizassem com a estrutura e as características do gênero epistolar e suas implicações “literárias”, históricas e biográficas.

No encontro seguinte, lemos cartas ligadas à história e ao exercício do poder político, principalmente aquelas relacionadas à história do Brasil. Assim, resgatamos a carta de Pero Vaz de Caminha, relembramos o caso das cartas falsas atribuídas a Artur Bernardes e recordamos a carta-testamento de Getúlio Vargas, entre outros textos.

Pensamos, no penúltimo encontro, no papel das cartas de leitores nas seções a eles reservadas nos jornais para o exercício da democracia, a fim de chegarmos à reflexão quanto à sua substituição pelas redes sociais. E você? O que acha disso? Foram as cartas de leitores substituídas pelas manifestações na internet?

Reservamos ao último encontro as cartas do cárcere, aquelas produzidas ou recebidas principalmente tendo em vista a prisão como arbítrio do detentor do poder, ou seja, justamente quando falha a democracia.

Em cada encontro, os participantes eram convidados a redigir uma carta a partir do que havia sido discutido. Você poderá, assim, caro leitor, ter uma amostra do que conversamos ao longo desse mês de abril de 2023. Quem sabe, numa próxima oportunidade, você não esteja conosco?

Um abraço!


https://lbxxi.org.br/arquivos/publicacoes-1147-tais-diniz1.pdf

https://lbxxi.org.br/arquivos/publicacoes-1147-angelo-ribeiro1.pdf

https://lbxxi.org.br/arquivos/publicacoes-1147-angelo-ribeiro2.pdf

https://lbxxi.org.br/arquivos/publicacoes-1147-angelo-ribeiro3.pdf

https://lbxxi.org.br/arquivos/publicacoes-1147-sonia-regina-da-silva1.pdf

https://lbxxi.org.br/arquivos/publicacoes-1147-sonia-regina-da-silva2.pdf

https://lbxxi.org.br/arquivos/publicacoes-1147-sonia-regina-da-silva3.pdf
















Emerson Tin é graduado em Letras pela UNICAMP (1996) e em Ciências Jurídicas e Sociais pela PUC-Campinas (1997), mestre (2003) e doutor (2007) em Teoria e História Literária pelo IEL/UNICAMP. Professor das Faculdades de Campinas (FACAMP) e membro dos seguintes grupos de pesquisa: Núcleo de Estudos de Epistolografia Brasileira (USP); Historiografia das Letras Luso-Brasileiras e da Literatura Brasileira (UNIFESP); Literatura em Rede (UFPR). Livros publicados: A arte de escrever cartas (Editora da UNICAMP, 2005); Para sempre: cinquenta cartas de amor de todos os tempos (Globo, 2009; prefácio de Renato Janine Ribeiro), entre outros. 

Leia também

Raízes, travessias e encontros: dois dedos de prosa caipira

Pode a cultura caipira produzir literatura de alto nível? Sim, claro... até porque o nível de uma literatura (se é que essa medida existe) deve passar pela compreensão de que ela, como diz Antonio Candido, é “o sonho acordado das civilizações”... Sonhar acordado, delirar, devanear, cont...

Leia Mais!
O que pesa na prosa?

Antes de responder à pergunta, falemos da noção de “peso” na literatura. Em Seis propostas para o próximo milênio (1988), Italo Calvino afirma que “se a ideia de um mundo constituído de átomos sem peso nos impressiona é porque temos experiência do peso das coisas; assim como não pode...

Leia Mais!
Perspectivas Pindorâmicas: literaturas Indígenas (sempre) contemporâneas

Aprendi com as mais velhas que não escrevemos sozinhas. Quando a caneta dança no papel-árvore-morta, ela dança ao som de muitas vozes. E foi assim que aprendi a ler literaturas indígenas, ouvindo as muitas vozes manifestas no texto. E foi assim que pensei a oficina Perspectivas Pindorâmicas: ...

Leia Mais!
Narrativas de Mulheres Negras à Margem da Democracia Brasileira

A oficina Narrativas de Mulheres Negras à Margem da Democracia Brasileira foi construída com base na leitura e análise de textos sobre a produção literária de autoras afro-brasileiras. Os textos analisados foram poemas e contos das autoras Maria Firmina dos Reis, Carolina Maria de Jesus, Conc...

Leia Mais!
Muito narcisismo para pouca diferença

Debater a presença do autoritarismo na sociedade brasileira. Construir reflexões acerca do sistema democrático do país, relacionando-o a polarizações e ataques à democracia. Abordar a linguagem, enquanto manifestação de anseios e afetos, e a história escravocrata desta ex-colônia. Uma of...

Leia Mais!
Romance Árabe, Feminino e Contemporâneo lido no Brasil

A oficina destacou a dispersão das categorias de gênero e nação que impactam a construção da identidade nacional das personagens dos romances analisados: Haifa Fragments e Country of Origin.Maisson, personagem de Haifa Fragments, vive em meio a uma experiência tensa. Sendo uma palestina com...

Leia Mais!