/ governosp

Publicações | Criação Literária

Contando o trabalho na pandemia

Ilustração: Fernando Siniscalchi.

A oficina Personagens do trabalho foi realizada ao longo de quatro encontros, durante o mês de março de 2021. Nestes encontros, pudemos discutir as diferentes facetas do trabalho, procurando apreendê-lo como um fenômeno essencial da atividade humana. Trabalhar não é só se dedicar a uma atividade profissional ou a um meio de vida. É, antes de tudo, criar mundos. É participar ativamente na produção e transformação das coisas ao nosso redor. Daí também o papel importante da fantasia, da literatura e da arte quando nos propomos a pensar sobre o trabalho e sobre como as diferentes condições de acesso a ele afetam as nossas vidas.

Em nossos encontros, o gênero literário escolhido para ser exercitado foi o miniconto. Espécie de forma narrativa essencialmente breve, às vezes até muito próxima da anedota e da fábula, ou mesmo do provérbio e da poesia, ela encanta pela agilidade e intensidade do efeito. Combina, portanto, com o ritmo acelerado que a produção e o trabalho vêm assumindo num mundo cada vez mais globalizado e tecnológico. Nossas discussões não foram indiferentes a isso. Nem poderiam ser. Os encontros aconteceram no momento de maior agravamento da pandemia do novo coronavírus, quando os seus efeitos sobre a economia e o desemprego, já combalidos, atingiam um ponto ainda mais crítico.

O resultado é perceptível nos textos recolhidos nessa pequena coletânea. Não faltam neles uma nota crítica, e muitas vezes combinada com o humor. Mesmo a um primeiro olhar, o leitor pode observar como os autores buscaram apurar a linguagem de suas histórias, focando-as em pequenas situações do cotidiano, interessantes pelas tensões que encerram. Recorrendo a suas experiências prévias ou imaginadas, os participantes não deixaram de abordar a pandemia e as transformações no trabalho decorrentes do isolamento.

Apesar do momento crítico, os encontros virtuais foram muito prazerosos e renderam bons resultados. Esperamos que possam desfrutar de pelo menos uma parte desse prazer na leitura desses minicontos.

Por Milena Mulatti Magri & Gustavo Scudeller

Veja, a seguir, os minicontos produzidos como resultado da oficina “Personagens do trabalho”, ministrada em março pelos professores Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller, dentro da programação da Biblioteca de São Paulo.

Anderson Pimentel 

Cairo Reis 

Lilian Amaral 

Raiany Peixe Gremes

Suelen Santana 

Tita Nunes 

Vanessa Castro

Victória Galvão


Milena Mulatti Magri é doutora em Letras pela Universidade de São Paulo e pós-doutora pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Tem experiência na área de letras, com ênfase em Literatura Brasileira e Teoria da Literatura. 

Gustavo Scudeller é doutor em Teoria e História Literária pela Unicamp. É professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, onde realiza atividades acadêmicas e de extensão. 

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!