Publicações | Crítica

O brinquedo feito de papel que ensina, educa e emociona

Ilustração: Fernando Siniscalchi

É por meio da família e da escola que começamos a desenvolver o gosto pela leitura, principalmente a partir de nossos primeiros contatos com os livros.  Todo livro é carregado de uma história, e não me refiro a sua narrativa propriamente, mas ao livro em sua materialidade. Alguém o escreveu, alguém fez a arte da capa e o ilustrou, alguém pensou em seu formato, em seu papel, por exemplo. Quem ama ler, também ama o livro enquanto objeto carregado de simbologia, afetos, emoções sensoriais e sentimentos.

Foi com o objetivo de trazer um novo olhar para o livro, valorizando seus aspectos como um objeto também de arte, com o qual se pode brincar e se encantar, que iniciei os encontros na oficina “Um brinquedo chamado livro: as possibilidades do livro infantil que extrapolam a narrativa escrita”, ocorridos aos sábados de fevereiro de 2021.

O diálogo partiu de uma reflexão sobre a importância do livro em nossa sociedade. Mais do que isso, sobre as experiências do impacto do livro infantil em nossas vidas ou em outras pessoas, que de certa forma, nos rodeiam. As conversas giraram em torno, principalmente, do potencial do livro infantil, não só como fonte de narrativas, mas como potencial de um objeto artístico, um artefato afetivo, inclusive.

Ao longo dos outros encontros da oficina, tentei trazer à tona conhecimentos inconscientes sobre o design gráfico do livro, bem como suas ilustrações, o uso das cores, sua tipologia, sua diagramação. Fazendo uso de uma bibliografia ampla sobre o tema, fui mostrando alguns exemplares de livros infantis, sempre entrecortado com uma belíssima e tocante troca de depoimentos, exemplos e ensinamentos dos participantes.

Agora, terminado a oficina, essas leitoras nos oferecem resenhas de livros infantis. Nesses textos sensíveis, elas mostram a perspectiva de seu olhar que recai sobre o objeto estético e artístico, que toca o leitor não apenas por sua leitura, mas por suas sensações e emoções ao se olhar e tocar o livro. 

Por Fabiano Fernandes Garcez

Veja, a seguir, as resenhas produzidas como resultado da oficina “Um brinquedo chamado livro: as possibilidades do livro infantil que extrapolam a narrativa escrita”, ministrada em fevereiro pelo professor Fabiano Fernandes Garcez, dentro da programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos

Carina Castro - Resenha A visita

Lila C. G. Vanzella - Resenhas Aperte aqui e Numa tarde quente de verão

Patricia Teixeira Dias - Resenha A casa da madrinha

Suelen Santana - Resenha Menino do Mato


Fabiano Fernandes Garcez é poeta e professor de língua portuguesa na rede municipal de ensino de São Paulo. É mestrando no curso de Letras na Unifesp e produtor e apresentador do “Sala de Leitura com Fabiano Fernandes Garcez” no Youtube. Assina, entre outros, os livros “Poesia se é que há” (2008), “Em meio aos ruídos urbanos” (2016)  e  “Badaladas de uma preliminar” (2020). 

Leia também

Um Brasil Sonoro: do Modernismo à Tropicália

A paisagem sonora brasileira se construiu por um conjunto de ambiguidades, multiplicidades e contradições, entre a consciência de projeto e suas realizações. Os encontros da oficina “Do Modernismo à Tropicália: diferentes modos de escutar canção e música brasileira”, se concretizaram, um ...

Leia Mais!
Sons do Brasil

Oficina com Gustavo Bonin mostra a influência do Modernismo e da Tropicálica na construção do Brasil sonoro.Se tem algo que realmente embalou a Semana de Arte Moderna de 1922 foi a música. Entre as diversas apresentações realizadas nos três dias de evento, os concertos dominaram a maior parte ...

Leia Mais!
Semana de Arte Moderna – por outros caminhos

Quando meu amigo e colega Pedro Marques me convidou para integrar o projeto Literatura Brasileira no XXI com uma oficina sobre a Semana de Arte Moderna, senti a alegria e a responsabilidade de levar ao público reflexões sobre o evento e seu papel no processo de renovação da cultura brasileira. Assi...

Leia Mais!
A Semana de Arte Moderna sob o viés das revistas literárias

Na oficina A Semana de Arte Moderna por Outros Caminhos, realizada nos dias 7, 8, 9 e 10 de novembro, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, a professora de literatura brasileira da Unifesp, Mirhiane Mendes de Abreu, propôs um olhar diferenciado sobre o movimento modernista de 1922. Em vez de pesquisar as ...

Leia Mais!
A modernidade do século XIX

Modernos, antes de 1922. O objetivo da oficina ministrada pela professora de literatura da Unifesp, de Guarulhos, Francine Fernandes Weiss Ricieiri e realizada nos dias 6, 13, 20 e 27 de novembro, foi mostrar aos participantes que a ideia de modernidade na literatura brasileira começou bem antes do mo...

Leia Mais!
Modernos, antes de 22

Uma oficina que pudesse pensar a modernidade, no Brasil, nas últimas décadas do século XIX. Talvez pareça paradoxal – e é. Modernidade implica mergulho em paradoxos que apagam ou embaralham limites e fronteiras: os limites entre nacionalismo e cosmopolitismo, os limites entre tradição e aceler...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP