/ governosp

Publicações | Criação Literária

O que tem de música num poema?

Ilustração: Fernando Siniscalchi

A pergunta talvez faça pouco sentido em sociedades leitoras tradicionais. Aquelas em que o livro, a revista e o jornal seguros entre as mãos, ou o aplicativo aberto sob os olhos, representam um instante quase sagrado do indivíduo consigo. O feitiço diante de um objeto de leitura foi ganhando encanto conforme o mundo foi se urbanizando, racionalizando e se automatizando. Perdidos os mitos, as aldeias e o senso comunitário, sempre cantados e falados, a escrita encadernada funciona quase como um portal da imaginação, de um jogo agora portátil e, em regra, solitário. 

Mas mesmo aí onde a leitura individual é requisito do cidadão, tal como abrir a conta bancária ou ter hora para entrar e sair do trabalho, um poema parece resistir a determinados padrões de leitura. Um poema num livro ou periódico mostra mais o branco da página que um texto em prosa. O poema é uma mancha rarefeita na página. É quase uma praça no meio da urbes moderna.

Talvez aí esteja o segredo para começarmos a ver um poema como algo que também canta, que também solicita o corpo e não apenas o intelecto. Um poema faz lembrar que falamos, que somos gregários. E mesmo nos frontes das vanguardas modernistas, o poema fazia as vezes do grito, não raro do insulto. Um poema, portanto, tem algo de nostalgia da voz e da comunidade.

A sociedade brasileira, resultando de tantas culturas alfabéticas migrantes, de Europa e África, e ágrafas locais, de América, e diaspóricas, de Áfricas, criou uma conexão peculiar entre leitura e audição. Temos sempre um olho no livro e um ouvido no causo. Uma mão que escreve e outra que fala por gestos. Conhecer essa tensão criativa entre escrita e oralidade, é central para entendermos parte substancial da nossa poesia publicada em livros ou gravada em alguma forma de mídia.

Poetas como Castro Alves, Luís Gama, Olavo Bilac, Cecília Meireles, Solano Trindade, Ferreira Gullar ou Adélia Prado não escreveram apenas para a mudez do impresso. Muitos de seus poemas nasceram para voz, e para ela retornam cada vez que um leitor vira seu locutor, seu cochicho. Talvez por isso nossas bibliotecas e salas de aula sejam um tanto ruidosas para o gosto europeu. Ora, lemos falando. Não é falta de educação coisa nenhuma, é um não querer guardar só para si o que se sente.

É uma elaboração apurada, que alterna e sobrepõe som e pausa. Uma aprendizagem por simultaneidade, do escutar falando, do falar ouvindo. O atual pool de novas tecnologias é com a gente mesmo. Responder email, ouvir mensagens e educar o filho é nosso dia a dia há séculos. Meus alunos analisam poemas ouvindo música e, ao mesmo tempo, avisando a mãe que vão jantar mais tarde. Eles são ótimos!

Essa simultaneidade não poderia simplesmente sumir do poeta quando escreve, do leitor quando lê. Assim, o que está quieto num escrito está também gritando. Porque música é som dançando com o silêncio. Assim, os brancos de uma página com poesia tem tanto valor quanto os pretos tipográficos. Essa alternância de cor e não cor é já uma partitura, sobre o que de fato soa e cala num poema.

Assim lemos, falamos e ouvimos poemas contemporâneos na oficina O que tem de música num poema? Versos de Alice Ruiz surgiram pulsando no peito da mãe. A pregação de Cuti, devolveu a voz ao negro silenciado na cadência da chibata. A lira de Mauro Sta. Cecília tirou a roupa de dicionário, e se fez corda mexendo o corpo do poema e do leitor. Os desenganos de Lula Cortês viraram sensações em acordes, sinos tocando dentro da gente. Porque, claro, queremos acessar livros os mais complexos, mas para que eles caminhem com as histórias faladas de pais para filhos. É que há uma cantiga ancestral cantando mais que pássaros no Brasil, como sugere o poema de Marli de Fátima Aguiar.

Todo esse ouro musical foi garimpado pelos alunos da oficina, em poemas de livros e álbuns de canções. Na rocha adormecida do impresso, eles acharam brilhos e sons para acordar a própria rocha que, no fundo, é o livro quando canto, é o leitor quando conversa(dor). Que você que me ouve aprecie as resenhas a seguir, colocando cabeça, garganta e orelhas para trabalhar.

Por Pedro Marques

Veja a seguir uma seleção de textos produzidos como resultado da oficina "O que tem de música num poema?”, ministrada em outubro pelo professor Pedro Marques, dentro da programação da Biblioteca de São Paulo:

Alberto Mejia - Análise, não análise

Carolina Camargo Soares Figueiredo - Um invegável convite

Jéssica Aline Ferreira Felix (1) - A eterna volta à lira

Jéssica Aline Ferreira Felix (2) - Adentrando a casa da canção

Miguel Euclides da Silva - Desengano: a valsa da esperança em Lula Côrtes

Paula Morato - A força da oralidade


Pedro Marques é poeta, compositor e crítico. Professor de Literatura Brasileira da Unifesp. Com Pablo Simpson e Caio Gagliardi, organizou as revistas de poesia Salamandra, Camaleoa e Lagartixa. Com Gagliardi, editou o site Crítica & Companhia. Editor do site Poesia à Mão. Escreveu, entre outros, "Em Cena com o Absurdo" (1998), "Olhos nos Olhos" (poesia, 2008), "Clusters (poesia, 2010) e "Cena Absurdo" (poesia, 2016).

Leia também

O peso da caneta

Certa vez perguntei à minha mãe como ela fazia para viajar. E dela ouvi: “Ué, eu observo tudo ao meu redor. Quando o ônibus para eu olho quem é o motorista, a cor, vejo quem sentou do meu lado...” Desse modo não se perde. Contou-me que tal modo de viajar aprendera com seu pai. A pergunta, apa...

Leia Mais!
Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condu...

Leia Mais!
Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A prim...

Leia Mais!
O sujeito indígena na literatura

A partir do século XVI, a figura do indígena vira um dos objetos preferidos entre aqueles que aqui aportavam. Uma curiosidade enorme sobre aqueles corpos descobertos, exibindo saúde e beleza superiores aos europeus, enfiados em roupas desenhadas para abafar pudores e falta de banho. Carcomidos pelo ...

Leia Mais!
A ponte que aproxima a ciência e a literatura

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado...

Leia Mais!
A ciência como thriller

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos a...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC