/ governosp

Publicações | Criação Literária

Sobre o jogo da poesia

Ilustração: Fernando Siniscalchi

Na oficina de criação literária “A poesia do jogo ҉ O jogo da poesia”, exploramos novas possibilidades de escrita poética a partir do diálogo com diversas práticas lúdicas e esportivas. Tomando como ponto de partida as atividades criativas do grupo Oulipo (formado por Raymond Queneau, Italo Calvino, Georges Perec e diversos outros escritores), propus uma série de jogos verbais com o intuito de desenvolver a capacidade imaginativa, crítica e construtiva dos participantes. Os dois primeiros encontros foram dedicados a elementos cruciais do texto poético: o ritmo e a imagem. Nos outros dois encontros, aventuramo-nos em jogos com a ficcionalização da voz lírica e com a recriação de textos já existentes.

Cada encontro se estruturou a partir da exposição de alguns pressupostos básicos, ilustrados por textos de autores de diversos locais e épocas (da Grécia clássica ao Japão do século XVIII; da Provença medieval ao Brasil contemporâneo), seguida pela proposição de exercícios de criação. A princípio, a ideia de que determinadas regras (ou restrições) poderiam estimular a criatividade soou como contraintuitiva para os participantes da oficina; no entanto, à medida que eles se dedicavam aos exercícios, logo descobriram que (assim como acontece na prática esportiva) as restrições ampliavam suas possibilidades criativas, forçando-os a pensar em alternativas que não teriam considerado caso se vissem completamente livres para escrever de qualquer forma sobre qualquer assunto.

Respeitando o ritmo de cada participante (alguns escreviam vários poemas em poucos minutos; outros preferiam fazer esboços que depois seriam desenvolvidos no período de uma semana entre cada encontro), conseguimos reunir uma coleção de textos variados, inventivos e vigorosos: haicais sintéticos e poemas que se estendiam por três páginas; textos metrificados e rimados, poemas em verso livre; poemas escritos a partir de outros textos ou de experiências individuais...

Uma parte fundamental de cada encontro foi a partilha dos textos entre os participantes, feita num ambiente de camaradagem e respeito mútuo, em que algumas sugestões foram decisivas para a forma final dos poemas. Fiquei particularmente tocado pelo empenho dos participantes, que levaram a sério todas as atividades propostas e se mostraram abertos para se transformarem através da escuta e da leitura da voz dos outros poetas, compreendendo suas vozes singulares como frutos de um diálogo contínuo com a tradição literária e com a sociedade contemporânea. 

Por Marco Catalão


Veja, a seguir, textos poéticos produzidos durante a oficina “A poesia do jogo ҉ O jogo da poesia”, realizada por Marco Catalão na Biblioteca Parque Villa-Lobos, em maio de 2020:

Diana Vanderlei - Nymeria

Diana Vanderlei - Sem título

Sabrina Silva - Sem título (1)

Sabrina Silva - Sem título (2)

Thiago Ballestero - A pena

Thiago Ballestero - Sem título



Marco Catalão é poeta, dramaturgo e ficcionista. Doutor em Teoria e História Literária pela Unicamp, ele é autor de "No cravo e na ferradura", "O cânone acidental", "Agro negócio", "Sob a face neutra" e "As asas do albatroz". Entre 2015 e 2019, fez pós-doutorado em Teoria do Teatro pela USP com estágio na Université Sorbonne Nouvelle. Em 2018 e 2019, recebeu o Prêmio de Incentivo à Publicação Literária.

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!