/ governosp

Publicações | Criação Literária

A ponte que aproxima a ciência e a literatura

Foto: Fábio Cardoso.

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado. Ciência e Humanidades não deveriam estar em lados opostos?


A oficina “A literatura como ciência e a ciência como literatura”, realizada em maio, na Biblioteca de São Paulo, teve como objetivo desconstruir essa barreira e aproximar as duas áreas do conhecimento. Tiago Germano, mestre e doutor em escrita criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, conduziu a atividade tecendo relações entre a construção da pesquisa científica e da escrita criativa, além de apresentar evidentes semelhanças entre elas. Para enriquecer o debate, foram analisados textos distintos como o discurso da física e química polonesa Marie Curie ao receber o Prêmio Nobel; “Galileu” (em roteiro para teatro); “Confissões de um jovem romancista”, de Umberto Eco; e a série “Botão vermelho”, projeto do Suplemento Pernambuco e do Instituto Serrapilheira.

Durante os encontros, os participantes analisaram as narrativas e fizeram exercícios apresentando produções escritas, relacionadas aos temas abordados. Esses trabalhos estão disponíveis aqui no site do projeto Literatura Brasileira no XXI. Clique aqui para conferir.

 

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!