Publicações | Crítica

A Semana de Arte Moderna sob o viés das revistas literárias

Acervo pessoal

Na oficina A Semana de Arte Moderna por Outros Caminhos, realizada nos dias 7, 8, 9 e 10 de novembro, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, a professora de literatura brasileira da Unifesp, Mirhiane Mendes de Abreu, propôs um olhar diferenciado sobre o movimento modernista de 1922. Em vez de pesquisar as manifestações do período por meio da literatura produzida na época, o convite foi analisar as revistas literárias como a Klaxon e a Madrugada, e também as correspondências trocadas por Mario de Andrade com colegas, como Manuel Bandeira, Ronald de Carvalho e Carlos Drummond de Andrade, e até dedicatórias para trazer a vivacidade de um tempo que não fez parte da narrativa tradicional. 

“A construção desse legado por meio da pesquisa na literatura é muito ampla, o que me interessa é o processo de construção do pensamento. Modernismo é movimento, construção coletiva, que vai além das artes e recebe forte influência da alta sociedade, como os escritores e diplomatas Raul Bopp e Graça Aranha”, explica a professora. 

A proposta do movimento modernista era tirar o atraso cultural do Brasil. Para dar o contexto da época às aulas, Mihriane apresentou no primeiro dia a programação e os preparativos para a realização da Semana de Arte de Moderna, que, a princípio, foi formatada como um evento simples a ser realizado dentro de uma livraria e com a duração de apenas um dia. Interesses econômicos advindos da elite cafeeira fez o movimento crescer: além de ganhar o status do Theatro Municipal de São Paulo, a programação passou para três dias. Apesar do envolvimento da alta sociedade nos preparativos, os artistas e suas produções não foram poupadas das vaias e das críticas. Um dos momentos mais emblemáticos foram as vaias proferidas a Ronald de Carvalho ao ler o poema Os Sapos, de Manuel Bandeira. 

Avançando na temática, os alunos viram como se deu a relação dos modernistas brasileiros com a vanguarda cultural europeia, especialmente no que diz respeito ao Manifesto Futurista escrito pelo poeta italiano Fillippo Tommaso Marinetti. “O Mario de Andrade não queria essa proximidade com o futurismo e foi um dos grandes defensores do nome modernista para o movimento, discordando inclusive de Oswald de Andrade que só abandou a ideia após ver o envolvimento de Marinetti com o fascismo de Mussolini”, conta Mihriane. 

O terceiro dia foi reservado para analisar a imagem de Portugal dentro do modernismo, lembrando que o movimento aconteceu no ano do centenário da Independência do Brasil. Entre os achados, pode-se dizer os brasileiros foram extremamente lusofóbicos, trazendo à tona as mazelas da colonização e evitando as associações com país. A recíproca também foi verdadeira, mostrando o vazio de referências ao movimento brasileiro nas revistas de literatura portuguesa, como a Orpheu. 

A pesquisa da professora Mirhiane também contemplou a análise do movimento fora de São Paulo, principalmente nos textos das revistas Madrugada, do Rio Grande do Sul, e Arco & Flexa, da Bahia. Algo recorrente em todas as publicações é o viés elitizado, presente tanto nas matérias quanto nos anúncios e na apresentação gráfica. 

Sobre as comemorações do centenário da Semana de Arte Moderna, a serem realizadas em 2022, a professora reafirma a importância da celebração, “porém sempre de forma crítica e sem ser subserviente ao movimento”, adverte. 


Portugal-Brasil e os modernismos em revistas

No encerramento da sua palestra, Mirhiane convidou a docente de literatura portuguesa da Universidade Federal de Minas Gerais, Raquel Madanêlo Sousa para mostrar sua pesquisa sobre o modernismo brasileiro nas revistas de literatura de Portugal, como Orpheu, A Águia, Contemporânea e Seara Nova. O resultado revelou que o movimento foi totalmente ignorado pelos escritores portugueses, principalmente Fernando Pessoa. 

Raquel afirma que o movimento modernista português se estruturou nas páginas das revistas. “Elas são praticamente um gênero literário em si porque o material ali reunido era resultado de um trabalho coletivo, de discussões periódicas entre vozes heterogêneas e importantes para o movimento, como o próprio Fernando Pessoa, Eduardo Guimarães, Ronald de Carvalho, Luís de Montalvor, Mario de Sá-Carneiro, Almada Negreiros, Antonio Ferro e outros.” 

Se o modernismo brasileiro não ganhou projeção em Portugal, o mesmo não aconteceu com o centenário da Independência, comemorado como ex-colônia exemplar com o qual mantinham relações fraternas. Para marcar a data criaram o cinematográfico raid aéreo Lisboa-Rio de Janeiro, a primeira travessia do Atlântico Sul, realizada em 1922 por Gago Coutinho e Sacadura Cabral, aventura amplamente divulgada e comemorada na imprensa dos dois países.

Leia também

Um Brasil Sonoro: do Modernismo à Tropicália

A paisagem sonora brasileira se construiu por um conjunto de ambiguidades, multiplicidades e contradições, entre a consciência de projeto e suas realizações. Os encontros da oficina “Do Modernismo à Tropicália: diferentes modos de escutar canção e música brasileira”, se concretizaram, um ...

Leia Mais!
Sons do Brasil

Oficina com Gustavo Bonin mostra a influência do Modernismo e da Tropicálica na construção do Brasil sonoro.Se tem algo que realmente embalou a Semana de Arte Moderna de 1922 foi a música. Entre as diversas apresentações realizadas nos três dias de evento, os concertos dominaram a maior parte ...

Leia Mais!
Semana de Arte Moderna – por outros caminhos

Quando meu amigo e colega Pedro Marques me convidou para integrar o projeto Literatura Brasileira no XXI com uma oficina sobre a Semana de Arte Moderna, senti a alegria e a responsabilidade de levar ao público reflexões sobre o evento e seu papel no processo de renovação da cultura brasileira. Assi...

Leia Mais!
A modernidade do século XIX

Modernos, antes de 1922. O objetivo da oficina ministrada pela professora de literatura da Unifesp, de Guarulhos, Francine Fernandes Weiss Ricieiri e realizada nos dias 6, 13, 20 e 27 de novembro, foi mostrar aos participantes que a ideia de modernidade na literatura brasileira começou bem antes do mo...

Leia Mais!
Modernos, antes de 22

Uma oficina que pudesse pensar a modernidade, no Brasil, nas últimas décadas do século XIX. Talvez pareça paradoxal – e é. Modernidade implica mergulho em paradoxos que apagam ou embaralham limites e fronteiras: os limites entre nacionalismo e cosmopolitismo, os limites entre tradição e aceler...

Leia Mais!
Oficina com Lilian do Rocio Borba ensina a ‘desvendar’ os segredos do texto

O texto é um evento. Mas que evento é esse? O que faz um texto ser caracterizado como literário? Para começar a responder a essas perguntas, a “Oficina Professores personagens da literatura: textos sobre outros textos”, ministrada pela professora Lilian do Rocio Borba, com início no último di...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP