/ governosp

Publicações | Criação Literária

Danielle Crepaldi Carvalho parte da história do carnaval para estimular a escrita

Foto: Arquivo pessoal.

Adiado em várias partes do País em função da pandemia, o Carnaval foi tema da oficina online de crônicas, realizada no final do ano passado, dentro da programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos. A professora Danielle Crepaldi Carvalho comandou os encontros da série intitulada "História e escrita de crônicas: um percurso pelo Carnaval a partir da produção cultural realizada no Brasil". A atividade fez parte do projeto Literatura Brasileira no XXI e tem resultados publicados neste site. São artigos desenvolvidos durante as aulas e que refletem o aprendizado adquirido em mais esta ação em parceria com a UNIFESP.

Danielle traçou um panorama histórico sobre a folia, que é paixão de tantos brasileiros, no território nacional, com exemplos dos períodos do Império à Quarta República. A professora destacou as raízes do festejo, que nasceu como uma espécie de campo de embate e tratou até das origens na Antiguidade Romana. A chegada da festa ao Brasil colonizado e escravizado tomou parte dos encontros. Danielle detalhou como a sociedade no País convivia com as imposições da elite imperial e refletia esse cenário na criação de um Carnaval com usos e costumes bem peculiares da época. A professora apresentou uma série de imagens que ilustraram o cotidiano dos festejos, no decorrer do tempo pelo mundo, tratou das bacantes e de situar o festejo como espaço de catarse, experimentação e excessos. 

Danielle ilustrou as explanações com reproduções de materiais sobre o Carnaval nos primórdios, como, imagens, por exemplo, de bolinhas com água de cheiro. Destacou inclusive a representação do campo de inversão e no qual é possível experimentar o outro, durante a folia. A prática dos rostos pintados, a farinha sendo jogada nas pessoas e a participação dos escravos nos entrudos foram alguns dos aspectos detalhados em aula. Estes costumes de atirar água (água de cheiro ou outros líquidos) foram sendo transformados com o passar dos anos, como ressalta a professora. Quem esteve nos encontros também divertiu-se com crônicas publicadas em diferentes tempos na história do Brasil, além de memes atuais sobre temas diversos, mas que ilustram a análise de um evento que precede a construção de um texto ou conteúdo.

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!