/ governosp

Publicações | Criação Literária

Em oficina online, Pedro Marques leva arte poética à vida das pessoas

Foto: Ricardo Lima

Na oficina online "O que tem de música num poema?", ministrada em novembro dentro da programação da Biblioteca de São Paulo, o professor Pedro Marques mostrou como formar e fortalecer a leitura, a escuta e a composição de poesia literária e cancional. O curso foi acompanhado por cerca de 30 alunos de São Paulo e de outras partes do País.

Marques começou a oficina com uma apresentação geral. A ideia, segundo ele, é fazer com que os participantes sejam "estimulados à ação diante da página silenciosa e da faixa sonora, seja como inventores de novos poemas, seja como criadores de novos sentidos para canções e poemas já conhecidos". A primeira aula foi dedicada à língua falada no poema e na canção, com uma pequena oficina de percepção. Na primeira parte, foram analisados poemas como "Terraço", de Cassia Janeiro, parte da antologia "A pérola e a ostra" (2007), e outros.

Entre os alunos, a variedade de profissões e objetivos também surpreendeu. José Andrade, de Vitória, é estudante de Filosofia: "Minha conexão é mais com a poesia na infância. Referências como José Paulo Paes, Cecília Meireles e outros". Já Paula Almeida Morato é professora de língua portuguesa e quer desenvolver projetos de mediação de leitura: "Atualmente, tenho me interessado muito pelas narrativas em cordel e tenho descoberto muitas releituras de obras clássicas."

"Como poeta, pesquisador e professor de poesia escrita, oral e cantada, minha meta é levar, ao máximo, a arte poética à vida das pessoas", diz Marques. "Nesse sentido, propor práticas e reflexões, que transitam do valor estético à função social da poesia, certamente promove a formação de mais e melhores leitores, não somente para a poesia, mas para quaisquer gêneros literários e textuais."

Leia também

O peso da caneta

Certa vez perguntei à minha mãe como ela fazia para viajar. E dela ouvi: “Ué, eu observo tudo ao meu redor. Quando o ônibus para eu olho quem é o motorista, a cor, vejo quem sentou do meu lado...” Desse modo não se perde. Contou-me que tal modo de viajar aprendera com seu pai. A pergunta, apa...

Leia Mais!
Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condu...

Leia Mais!
Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A prim...

Leia Mais!
O sujeito indígena na literatura

A partir do século XVI, a figura do indígena vira um dos objetos preferidos entre aqueles que aqui aportavam. Uma curiosidade enorme sobre aqueles corpos descobertos, exibindo saúde e beleza superiores aos europeus, enfiados em roupas desenhadas para abafar pudores e falta de banho. Carcomidos pelo ...

Leia Mais!
A ponte que aproxima a ciência e a literatura

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado...

Leia Mais!
A ciência como thriller

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos a...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC