/ governosp

Publicações | Criação Literária

Em oficina online, Pedro Marques leva arte poética à vida das pessoas

Foto: Ricardo Lima

Na oficina online "O que tem de música num poema?", ministrada em novembro dentro da programação da Biblioteca de São Paulo, o professor Pedro Marques mostrou como formar e fortalecer a leitura, a escuta e a composição de poesia literária e cancional. O curso foi acompanhado por cerca de 30 alunos de São Paulo e de outras partes do País.

Marques começou a oficina com uma apresentação geral. A ideia, segundo ele, é fazer com que os participantes sejam "estimulados à ação diante da página silenciosa e da faixa sonora, seja como inventores de novos poemas, seja como criadores de novos sentidos para canções e poemas já conhecidos". A primeira aula foi dedicada à língua falada no poema e na canção, com uma pequena oficina de percepção. Na primeira parte, foram analisados poemas como "Terraço", de Cassia Janeiro, parte da antologia "A pérola e a ostra" (2007), e outros.

Entre os alunos, a variedade de profissões e objetivos também surpreendeu. José Andrade, de Vitória, é estudante de Filosofia: "Minha conexão é mais com a poesia na infância. Referências como José Paulo Paes, Cecília Meireles e outros". Já Paula Almeida Morato é professora de língua portuguesa e quer desenvolver projetos de mediação de leitura: "Atualmente, tenho me interessado muito pelas narrativas em cordel e tenho descoberto muitas releituras de obras clássicas."

"Como poeta, pesquisador e professor de poesia escrita, oral e cantada, minha meta é levar, ao máximo, a arte poética à vida das pessoas", diz Marques. "Nesse sentido, propor práticas e reflexões, que transitam do valor estético à função social da poesia, certamente promove a formação de mais e melhores leitores, não somente para a poesia, mas para quaisquer gêneros literários e textuais."

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!