/ governosp

Publicações | Criação Literária

Fábio Martinelli Casemiro compartilha dicas para criação de textos poéticos

Foto: Aliane Barata

Para o professor Fábio Martinelli Casemiro, a poesia é a arte que existe nas coisas. Definida como uma função de linguagem, ela tem sido refúgio para muitos, especialmente durante este período de enfrentamento da pandemia, para expressar sentimentos e sensações. Os mais de 30 participantes da “Oficina arte poética: demência ou sobrevivência?”, realizada em setembro na programação online da Biblioteca Parque Villa-Lobos, aproveitaram para conhecer melhor este “espaço” de liberdade dentro da literatura.

Com o objetivo de estimular a produção de textos poéticos autorais (em prosa ou em verso), a atividade reuniu conteúdos de variados autores e trouxe até referências de pensadores como o linguista russo Roman Jakobson e produção do escritor brasileiro Manuel Bandeira. Tudo para que cada participante encontre sua própria “voz”. A ideia é dar “uma injeção a fim de provocar a infecção literária, evoé em seus estágios mais terminais”, de acordo com o próprio Fábio.

Para ele, “o poema é um texto grávido de poesia” e a “prosa é a escrita contínua, cursiva”, define. Misturando teoria e prática, as aulas contaram, entre as atividades, com a exibição e debate de vídeos do artista Adherrio Laiss disponíveis no Instagram. O professor utilizou as cenas como pontapé inicial para a construção de um exercício: a criação de um texto poético, que foi sendo transformado durante as aulas. 


Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!