/ governosp

Publicações | Criação Literária

Lilian do Rocio Borba analisa textos de vários gêneros e disseca criação literária

Foto: Fausto Cabral Costa

Na oficina O Texto Desvendado: Estratégias Discursivas em Diferentes Gêneros Textuais, ministrada em outubro, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, Lilian do Rocio Borba analisou textos de diversos gêneros, e apontou as principais estratégias textuais, discursivas e linguísticas que os estruturam. Foram apreciados discursos  publicitários, literários, jornalísticos, memes e textos da esfera digital. "Ler é produzir sentidos a partir de conhecimento de mundo, de conhecimento histórico, de conhecimento de outros textos e de conhecimentos de linguagem", diz ela.

Outros gêneros foram incorporados à análise de textos nas aulas, os cartuns, as charges e as tiras, em função da morte recente do artista argentino Quino (1932-2020), criador da Mafalda. A professora analisou com os alunos frases da personagem contestadora e rebelde, além de se deter sobra as escolhas do autor na configuração do desenho e das palavras.

Como primeiro exercício foi proposta a análise de um texto de Ricardo Ramos intitulado “Circuito fechado”. Contando só com substantivos, o escritor descreve a rotina de um publicitário. Aos alunos coube decifrar cenário, tempo e interpretar as intenções do autor, com o objetivo de identificar as estratégias para a construção do conteúdo. A professora também tratou da aplicação dos denotativos e conotativos, da subversão das frases e do uso da ironia para imprimir sentido aos textos. 

As relações intertextuais, as adequações de estilo para as diferentes audiências e leitores, além da necessidade de ativação do conhecimento para a interpretação das obras constaram ainda das abordagens desta primeira aula. As referências dos mais de 30 alunos participantes da oficina fizeram parte deste primeiro encontro e, entre eles, surgiram escritores dos mais variados estilos como Mia Couto, Valter Hugo Mãe, Guimarães Rosa, Margaret Atwood, as irmãs Brontë, Edgard Alan Poe e Luisa Geisler.

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!