/ governosp

Publicações | Criação Literária

O que jogos e literatura têm em comum?

Foto: Arquivo pessoal.

As Olimpíadas, que acabaram sendo canceladas este ano por conta do enfrentamento da pandemia, foram a fonte de inspiração para a oficina de criação literária realizada no primeiro semestre de 2020 pela Biblioteca Parque Villa-Lobos. Intitulada “A Poesia do Jogo e o Jogo da Poesia”, a atividade, que somou quatro dias de encontros online, foi conduzida por Marco Catalão.

Catalão abriu os trabalhos traçando um panorama das ações criativas do grupo Oulipo, e propôs que os alunos participassem de jogos verbais para desenvolver a imaginação e a análise crítica. Em cada encontro, o foco ficou um tipo de escrita, com exercícios práticos, que resultaram em textos publicado neste site. O bloqueio criativo pode ser um grande problema, principalmente neste tempo de isolamento e preocupações com a pandemia. E a questão foi apontada por vários participantes da oficina. Neste sentido, Catalão acredita que há vários exercícios que podem contribuir para “destravar” e indicar caminhos para que a fluidez da criatividade seja retomada. Entre as estratégias, ele destaca a restrição e a repetição como gatilhos para os textos.

Em aula, ele apresentou um vídeo com a sequência de um jogo de futebol e apontou a relação entre um gol do esportista Grafite e uma obra de arte. Segundo Catalão, o que torna o lance especial, além do resultado sempre almejado pelos atacantes (o gol), é o elemento surpresa, o inesperado. Tendemos a achar que algo que não nos surpreenda ao final pareça uma obra menor. E, por isso, a surpresa e reviravolta são sempre bem-vindas no que produzimos. Baseando-se no trabalho do grupo Oulipo, ele cita o estabelecimento de regras como um ponto de partida possível para a criação de textos. E dá um forte exemplo: tente não utilizar uma letra ou uma determinada palavra. O que, aparentemente, pode ser encarado como obstáculo, torna-se um desafio para pavimentar este caminho de construção do conteúdo. “As regras podem ser libertadoras”, segundo ele, salientando que, às vezes, é mais fácil escrever a partir deste conjunto de parâmetros pré-estabelecidos. “A criatividade encontra caminhos, quando apresentamos obstáculos”, destaca.

Como sugestões de leitura, Catalão indica textos de Manuel Bandeira e de Edgard Alan Poe, entre outros, para evidenciar a importância do ritmo na poesia, que também pode ser resultado da multiplicação de uma mesma frase ou palavra. Em aula, ele aplicou um exercício que você pode reproduzir aí, na sua casa: crie um poema a partir de uma sentença que se repita pelo menos uma vez – “essas não vão voltar”; “e ficarão os pássaros”; “virá a aurora”; “vida feliz”. 

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!