/ governosp

Publicações | Criação Literária

Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Foto: Michele Moreira

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condução da professora Maurina Lima Silva, a atividade fez parte do projeto Literatura Brasileira no XXI, resultado de parceria da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) com a SP Leituras

Maurina, que é licenciada em Letras pela Universidade do Estado da Bahia e mestra pela Unifesp, começou a primeira aula falando de si, de sua infância e família, e de como surgiu a ideia de estudar a população analfabeta.

Para ela, sempre ficou muito claro que aqueles que não aprenderam os códigos da leitura têm muito a ensinar. Essa população, segundo demonstrou, desenvolve seus próprios mecanismos e estratégias para enfrentar a realidade e o dia a dia em um universo todo mapeado pelas letras e línguas. Maurina foi tutora no Programa de Desenvolvimento Acadêmico Abdias Nascimento, do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Unifesp, orientando a elaboração de projetos de pessoas interessadas em ingressar na pós-graduação. No âmbito da pesquisa, estuda a história da educação e do analfabetismo no Brasil e suas representações literárias.

Foto: Reprodução.

Foto: Reprodução.

Realidade e literatura
Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), atualmente, são 11 milhões de analfabetos no Brasil. E a realidade dessa população – muitas vezes sem voz e sem vez, como ressalta Maurina – tem sido registrada em vários títulos da literatura nacional. “Vidas secas”, de Graciliano Ramos, foi um dos primeiros livros citados. O analfabetismo, como a professora salientou, nem sempre foi um problema, mas começou a ser encarado assim quando passou a ser “coisa de pobre”, no final do século XIX.

A escrita é um código, mas há muitos outros em nossa sociedade, como salientou. Maurina apresentou o texto “Aula de leitura”, de Ricardo de Azevedo; a música “Béradêro”, de Chico César; trechos de “Os analphabetos”, de João Gumes; e de “Becos da memória”, de Conceição Evaristo, entre outros. O curta “Vida Maria”, vencedor de mais de 50 prêmios nacionais e internacionais, também causou reflexão e emoção.

Um trecho do jornal “A Penna”, escrito por João Gumes (autor de “Os analphabetos”, citado anteriormente), foi incluído na apresentação e gerou análise aprofundada sobre os diferentes momentos do analfabetismo (ontem e hoje).

Foto: reprodução.

Foto: Reprodução.

"Se a realidade produz literatura, a literatura também pode produzir realidade", afirma Maurina que acredita na fronteira fluida entre ambas. E, como exercício de escrita desse primeiro encontro, a professora propôs que os participantes criassem um texto que tratasse dos primeiros cadernos, de como cada um foi alfabetizado e das memórias desse momento mágico da compreensão do “estou lendo”. Alguns desses trabalhos desenvolvidos nas aulas podem ser lidos aqui no site do Literatura Brasileira no XXI.

Quer saber mais sobre o tema? “Menino de engenho”, de José Lins do Rego; e “História inacabada do analfabetismo no Brasil”, de Alceu Ferraro, são dicas deixadas também por Maurina.

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!