Publicações | Criação Literária

Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Foto: Michele Moreira

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condução da professora Maurina Lima Silva, a atividade fez parte do projeto Literatura Brasileira no XXI, resultado de parceria da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) com a SP Leituras

Maurina, que é licenciada em Letras pela Universidade do Estado da Bahia e mestra pela Unifesp, começou a primeira aula falando de si, de sua infância e família, e de como surgiu a ideia de estudar a população analfabeta.

Para ela, sempre ficou muito claro que aqueles que não aprenderam os códigos da leitura têm muito a ensinar. Essa população, segundo demonstrou, desenvolve seus próprios mecanismos e estratégias para enfrentar a realidade e o dia a dia em um universo todo mapeado pelas letras e línguas. Maurina foi tutora no Programa de Desenvolvimento Acadêmico Abdias Nascimento, do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Unifesp, orientando a elaboração de projetos de pessoas interessadas em ingressar na pós-graduação. No âmbito da pesquisa, estuda a história da educação e do analfabetismo no Brasil e suas representações literárias.

Foto: Reprodução.

Foto: Reprodução.

Realidade e literatura
Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), atualmente, são 11 milhões de analfabetos no Brasil. E a realidade dessa população – muitas vezes sem voz e sem vez, como ressalta Maurina – tem sido registrada em vários títulos da literatura nacional. “Vidas secas”, de Graciliano Ramos, foi um dos primeiros livros citados. O analfabetismo, como a professora salientou, nem sempre foi um problema, mas começou a ser encarado assim quando passou a ser “coisa de pobre”, no final do século XIX.

A escrita é um código, mas há muitos outros em nossa sociedade, como salientou. Maurina apresentou o texto “Aula de leitura”, de Ricardo de Azevedo; a música “Béradêro”, de Chico César; trechos de “Os analphabetos”, de João Gumes; e de “Becos da memória”, de Conceição Evaristo, entre outros. O curta “Vida Maria”, vencedor de mais de 50 prêmios nacionais e internacionais, também causou reflexão e emoção.

Um trecho do jornal “A Penna”, escrito por João Gumes (autor de “Os analphabetos”, citado anteriormente), foi incluído na apresentação e gerou análise aprofundada sobre os diferentes momentos do analfabetismo (ontem e hoje).

Foto: reprodução.

Foto: Reprodução.

"Se a realidade produz literatura, a literatura também pode produzir realidade", afirma Maurina que acredita na fronteira fluida entre ambas. E, como exercício de escrita desse primeiro encontro, a professora propôs que os participantes criassem um texto que tratasse dos primeiros cadernos, de como cada um foi alfabetizado e das memórias desse momento mágico da compreensão do “estou lendo”. Alguns desses trabalhos desenvolvidos nas aulas podem ser lidos aqui no site do Literatura Brasileira no XXI.

Quer saber mais sobre o tema? “Menino de engenho”, de José Lins do Rego; e “História inacabada do analfabetismo no Brasil”, de Alceu Ferraro, são dicas deixadas também por Maurina.

Leia também

O guarda-roupa modernista

Poucos talvez tenham se dado conta de que a estética modernista avançou para muito além das letras, das telas de figuras enigmáticas e dos acordes dissonantes. Contaminou também o estilo de vida, os modos e chegou ao guarda-roupa dos principais artífices da Semana de Arte Moderna de 1922, com des...

Leia Mais!
À moda do diário

Os textos aqui reunidos foram escritos pelas alunas que participaram da oficina on-line “O guarda-roupa modernista”, ministrada por mim ao longo do mês de junho de 2022 através da Biblioteca Parque Villa-Lobos. Inicialmente, minha proposta era a produção de um tipo de texto diferente a cada enc...

Leia Mais!
A efervescência modernista na América Latina

O que é ser latino-americano para você? Foi com essa provocação que a jornalista e professora de Literaturas em Língua Espanhola, na faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Unifesp, Joana Rodrigues, começou a série de quatro encontros da oficina-online Modernismos nas Vizinhanças ...

Leia Mais!
Prazer em conhecê-los!

Em um ano marcado por tantos episódios culturais, em que o centenário da Semana de 22 se faz presente de forma retumbante no país, a oficina Modernismo nas vizinhanças latino-americanas foi pensada como possibilidade de trazer ao público alguns aspectos do que acontecia literariamente em paíse...

Leia Mais!
Arquitetura modernista

O que é moderno, é moderno por acaso? Para responder essa pergunta, o arquiteto, poeta e professor Humberto Pio convidou os participantes da oficina on-line Moderno por Acaso? Literatura e Arquitetura, realizada em quatro encontros entre os dias 5 e 26 de abril organizados pela Biblioteca Parque Vil...

Leia Mais!
Moderno por acaso? Literatura e arquitetura

Cem anos após a Semana de Arte Moderna de 1922, nas tardes ensolaradas das terças de abril do terceiro ano pandêmico, computadores aproximaram nossas casas da biblioteca. Foram quatro encontros que buscaram entender a literatura e a arquitetura modernas brasileiras num amplo panorama cultural, em di...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP