/ governosp

Publicações | Criação Literária

Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Foto: acervo pessoal.

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A primeira aula levou os alunos dos registros iniciais sobre a natureza no nosso território até conteúdos nos quais a voz desses povos está impressa no papel de protagonistas de suas próprias histórias. A relação de Casemiro, poeta, músico e doutor em Literatura, é forte. Em sua pesquisa de pós-doutorado em Letras da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), ele estuda representações de natureza na literatura brasileira e essa paixão pelo assunto só tem crescido. Casemiro conta que, diante do que tem coletado, vem compreendendo que essa presença – da natureza – está constantemente atrelada às manifestações das culturas popular, negra e indígena. E foi esse o caminho que o levou a estudar também – como frisa – a literatura indígena.

O professor ressalta que, com os textos, observamos ainda como se dão as estratégicas políticas que nascem das relações estabelecidas a partir da ação dos colonizadores diante dos povos originários, e até da migração forçada do tráfico vergonhoso de escravos africanos para o Brasil. Como os indígenas aparecem – ou não – em nossa literatura diz muito sobre o olhar para o outro e como nos reconhecemos em nossas multiplicidades e diferenças, acrescenta. O professor lançou provocações sobre quem são e como estão retratados os povos originários na história da literatura brasileira. E demonstrou que não há uma só resposta para esse questionamento. Como apontou em aula, os povos indígenas são apresentados, até o século XVII, em geral, em textos épicos ou informativos (verdadeiros tratados descritivos de costumes e características da terra) ou ainda em religiosos (com o indígena como “alvo” de conversão). Para compreender melhor o que se deu entre os séculos XVII e XVIII, Casemiro compartilhou referências como as obras “Prosopopeia”, de Bento Teixeira; “Uraguai”, de Basílio da Gama; “Caramuru”, de Frei Santa Rita Durão; e “Vila Rica”, de Cláudio Manuel da Costa. Ao passar para as explicações sobre o século XIX, o professor destacou textos de Gonçalves de Magalhães (“A confederação dos tamoios”) e Gonçalves Dias (“Juca Pirama” / “Os Timbiras”).

Segundo Casemiro, dentro do romantismo da época, é possível observar as várias subtendências da descrição de indígenas, mas sempre com a característica de enaltecimento da nação; elege-se o indígena como herói da fundação da raça, do caráter brasileiro. Ainda nesse período, os romances de José de Alencar são bastante lembrados como “O Guarani”, “Iracema” e “Ubirajara”. “O Guêsa errante”, de Sousândrade, também foi citado pelo professor que avançou por temas relacionados à Semana de 1922, ao Manifesto Antropófago, de Oswald de Andrade, e “Magma”, livro de poemas de Guimarães Rosa, de 1936. A aula contou ainda com as citações de autores contemporâneos que vivem, tratam ou retratam o tema como Kaká Werá, Ailton Krenak e Eliane Potiguara, entre outros.  Confira os textos produzidos nas aulas, que fizeram parte do projeto Literatura Brasileira no XXI, e estão disponíveis aqui. O link leva ainda aos conteúdos produzidos por Casemiro e a escritora Julie Dorrico.

Leia também

O peso da caneta

Certa vez perguntei à minha mãe como ela fazia para viajar. E dela ouvi: “Ué, eu observo tudo ao meu redor. Quando o ônibus para eu olho quem é o motorista, a cor, vejo quem sentou do meu lado...” Desse modo não se perde. Contou-me que tal modo de viajar aprendera com seu pai. A pergunta, apa...

Leia Mais!
Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condu...

Leia Mais!
O sujeito indígena na literatura

A partir do século XVI, a figura do indígena vira um dos objetos preferidos entre aqueles que aqui aportavam. Uma curiosidade enorme sobre aqueles corpos descobertos, exibindo saúde e beleza superiores aos europeus, enfiados em roupas desenhadas para abafar pudores e falta de banho. Carcomidos pelo ...

Leia Mais!
A ponte que aproxima a ciência e a literatura

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado...

Leia Mais!
A ciência como thriller

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos a...

Leia Mais!
Canções e fábulas foram referências para a oficina online de minicontos

Canções, fábulas e minicontos foram alguns dos materiais que os professores Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller compartilharam com os participantes durante a oficina online "Personagens do trabalho", que aconteceu em março deste ano. O objetivo dos encontros foi promover uma reflexão sobre o ...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC