/ governosp

Publicações | Criação Literária

Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Foto: acervo pessoal.

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A primeira aula levou os alunos dos registros iniciais sobre a natureza no nosso território até conteúdos nos quais a voz desses povos está impressa no papel de protagonistas de suas próprias histórias. A relação de Casemiro, poeta, músico e doutor em Literatura, é forte. Em sua pesquisa de pós-doutorado em Letras da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), ele estuda representações de natureza na literatura brasileira e essa paixão pelo assunto só tem crescido. Casemiro conta que, diante do que tem coletado, vem compreendendo que essa presença – da natureza – está constantemente atrelada às manifestações das culturas popular, negra e indígena. E foi esse o caminho que o levou a estudar também – como frisa – a literatura indígena.

O professor ressalta que, com os textos, observamos ainda como se dão as estratégicas políticas que nascem das relações estabelecidas a partir da ação dos colonizadores diante dos povos originários, e até da migração forçada do tráfico vergonhoso de escravos africanos para o Brasil. Como os indígenas aparecem – ou não – em nossa literatura diz muito sobre o olhar para o outro e como nos reconhecemos em nossas multiplicidades e diferenças, acrescenta. O professor lançou provocações sobre quem são e como estão retratados os povos originários na história da literatura brasileira. E demonstrou que não há uma só resposta para esse questionamento. Como apontou em aula, os povos indígenas são apresentados, até o século XVII, em geral, em textos épicos ou informativos (verdadeiros tratados descritivos de costumes e características da terra) ou ainda em religiosos (com o indígena como “alvo” de conversão). Para compreender melhor o que se deu entre os séculos XVII e XVIII, Casemiro compartilhou referências como as obras “Prosopopeia”, de Bento Teixeira; “Uraguai”, de Basílio da Gama; “Caramuru”, de Frei Santa Rita Durão; e “Vila Rica”, de Cláudio Manuel da Costa. Ao passar para as explicações sobre o século XIX, o professor destacou textos de Gonçalves de Magalhães (“A confederação dos tamoios”) e Gonçalves Dias (“Juca Pirama” / “Os Timbiras”).

Segundo Casemiro, dentro do romantismo da época, é possível observar as várias subtendências da descrição de indígenas, mas sempre com a característica de enaltecimento da nação; elege-se o indígena como herói da fundação da raça, do caráter brasileiro. Ainda nesse período, os romances de José de Alencar são bastante lembrados como “O Guarani”, “Iracema” e “Ubirajara”. “O Guêsa errante”, de Sousândrade, também foi citado pelo professor que avançou por temas relacionados à Semana de 1922, ao Manifesto Antropófago, de Oswald de Andrade, e “Magma”, livro de poemas de Guimarães Rosa, de 1936. A aula contou ainda com as citações de autores contemporâneos que vivem, tratam ou retratam o tema como Kaká Werá, Ailton Krenak e Eliane Potiguara, entre outros.  Confira os textos produzidos nas aulas, que fizeram parte do projeto Literatura Brasileira no XXI, e estão disponíveis aqui. O link leva ainda aos conteúdos produzidos por Casemiro e a escritora Julie Dorrico.

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!