/ governosp

Publicações | Criação Literária

Versos de Horácio são ponto de partida para desvendar a métrica da poesia

Foto: Adriana Nogueira.

Muitos segredos da poesia não são segredos, mas a aplicação consciente e a variação criativa de certas técnicas. Na oficina online “O poeta é um fazedor: ritmos antigos e versos contemporâneos”, realizada em janeiro na programação da Biblioteca de São Paulo, o professor Érico Nogueira compartilhou algumas de suas referências literárias e deu dicas para quem desejasse produzir textos no gênero. Esta atividade integra o Literatura Brasileira no XXI, projeto realizado em parceria com a Unifesp. 

O pesquisador, que atualmente é visitante na Universidade de Oxford, partiu da análise da obra do poeta romano Horácio nas aulas e visou, assim, que os alunos tivessem contato com a técnica, refinando o pensamento e afinando a imaginação.

Aprendidos os conceitos fundamentais da poética e desvendados os mistérios da métrica utilizada por Horácio, chegou a vez dos participantes colocarem os conhecimentos em prática. Houve espaço para exercitar poesias lúdicas e composições mais sérias, usando o verso metrificado e regular, segundo o que foi aprendido durante as aulas. O professor Érico compartilhou algumas de suas referências e dicas. Confira, a seguir:

Quais são as cinco dicas que daria para quem quer começar a escrever poesia?

Essa pergunta é difícil de responder – mas vou tentar, com o máximo de exatidão de que sou capaz. Note-se que vou me ater a uma descrição quanto possível objetiva da vocação e do ofício, de que não sei se sairão propriamente cinco conselhos ou sugestões. Bom, acredito que a primeira providência que o aspirante a poeta deva tomar é fazer um impiedoso exame de consciência. Isso mesmo. Com o mesmo grau de escrúpulo e detalhe com que se faz o exame de consciência antes de uma boa confissão. Deve prestar atenção em si, ser objetivo, preciso, e examinar se tem paixão pela leitura, se tem certa habilidade inata com as palavras, se ama a própria língua, se tem uma curiosidade vital, irreprimível, por línguas estrangeiras, se está disposto a estudar muito, e dedicar sua vida a um objeto esquivo, a uma sombra impalpável, se está ciente de que o ofício é duro, paga mal, e que o reconhecimento, quando vem, é absolutamente fortuito e aleatório, e não tem ligação direta com a qualidade do que você produz – e assim por diante. Se, depois disso, o aspirante ainda assim quiser ser poeta, a vida vai ensinar-lhe como proceder, e não há necessidade de conselho nenhum. Eu obviamente descrevo o caso do poeta profissional; quanto ao poeta amador, ou bissexto, que escreve versos ocasionalmente, e sem grandes pretensões artísticas, esse aí geralmente sabe muito bem o que quer, e como fazer o que quer, já que a poesia é um seu dileto passatempo.

Qual a sua opinião sobre o “lugar” da métrica na poesia?

Poesia pressupõe ritmo, que pode ser regular ou irregular, constante ou variado. Métrica é medição do ritmo, é aferição do ritmo, e pode ser teórica, como nos tratados de versificação, ou simplesmente prática, elaborada em poemas. Todo poeta, com maior ou menor grau de consciência técnica e apuro rítmico, mede e metrifica o que escreve. Com isso quero dizer que, a rigor, não há poema sem métrica, porquanto o ritmo, mesmo capenga, do poema mais reles e chinfrim que se possa imaginar, sempre pode ser medido e metrificado. Agora, o que ocorreu depois da gloriosa Semana de 22 aqui no Brasil, e já o grande Manuel Bandeira (exímio conhecedor de métrica, aliás) deplorava, é um desprezo irresponsável pela tradição e pelas formas tradicionais, uma espécie de execração da rima e dos tropos e da “métrica” entendida como ciência e habilidade de compor formas fixas, como se não fosse mais necessário conhecer ou saber fazer um soneto ou uma sextina, ora vejam… O resultado está aí: gerações e gerações de autoproclamados “poetas” que não sabem o básico do seu ofício – algo como gerações e gerações de carpinteiros que, desejando romper com o passado e fabricar o absolutamente novo, desaprenderam como se faz uma mesa, para só produzir geringonças. Esse meu curso, portanto, ainda que breve e incompleto, é uma espécie de re-alfabetização em poesia.

Quais são os pilares da obra do poeta romano Horácio, autor central desta oficina, e o que podemos aprender com eles?

Há bibliotecas sobre Horácio, que é um dos autores mais lidos, mais influentes, mais importantes do Ocidente e do mundo. Ele é daqueles autores que sempre serão lidos e estudados – isto é, enquanto o homem for homem, e não se transformar no cão de Pavlov que as redes sociais, a propaganda, os governos, e os meios de comunicação de massa querem que ele seja. Enfim: enquanto formos humanos, continuaremos a ler e a aprender com Horácio. É quase impossível resumir em duas linhas por que sua obra é tão importante. Seguindo Montaigne, acho que a sua principal característica é o indestrutível bom senso, o riso leve e inteligente, a desconfiança de si, a sadia desilusão. Mas isso é o lado filosófico da coisa. Do ponto de vista poético, Horácio é o poeta “numeroso” – isto é, “de muitos ritmos” – por excelência. É o mestre da forma, da perfeição técnica. É isso o que procuro transmitir aos alunos nesta oficina. 

Quais os três livros que daria como referências neste gênero literário e como sugestões para quem quer se aprofundar no tema poesia?

Vamos entrar na brincadeira, gostei. Supondo que sejam três e não três mil, não dá para querer ser poeta em português sem ler “Os Lusíadas” e as “Rimas” de Camões, a “Obra Poética” de Fernando Pessoa, e a “Nova Reunião” de Carlos Drummond de Andrade. Isto é, Camões, Pessoa e Drummond são os maiores poetas de língua portuguesa, sem choro nem vela. Sem eles, não dá para viver. – Dos poetas em atividade hoje no Brasil, destaco os recentes “As Asas do Albatroz”, de Marco Catalão; “Arte Nova”, de Wladimir Saldanha; e “Um Sol de Bolso”, de João Filho.

Sobre seu trabalho na literatura, qual seria o livro que indicaria para que o leitor começasse a conhecer sua trajetória tão premiada?

Acho que meu segundo livro – não por acaso intitulado “Dois” –, sendo o mais curto de todos, contém, de forma concentrada, a maior parte de minhas obsessões artísticas: o dever moral de atualizar a tradição poética, o culto dos poetas mortos, a tensão entre passado e presente, a investigação do significado da vida, o riso… Motivos esses que orquestro com a maior perícia técnica de que sou capaz. Se não encontrarem esse livro (parece que está esgotado), sugiro que esperem um pouco, já que o meu mais recente –”Aqui, Ali, Além” – está no prelo, e sairá em meados do ano pela editora Filocalia.

Sabemos que atualmente é pesquisador visitante na Universidade de Oxford, onde estuda e traduz o poeta britânico Geoffrey Hill. O que poderia nos dizer sobre este trabalho em desenvolvimento?

Sir Geoffrey Hill (1932-2016) é poeta dificílimo. Quando digo a meus amigos britânicos que o estou traduzindo em português, eles invariavelmente me respondem que “Nós também temos de traduzi-lo em inglês” – por aí vocês já veem. Meu interesse em sua obra se deu justamente por causa da métrica. Em seu livro “Odi Barbare” (assim mesmo em italiano), que é homenagem aos poetas Sir Philip Sidney (1554-1586) e Giosuè Carducci (1835-1907), ele faz uso da estrofe sáfica, que é uma das mais utilizadas por Horácio em suas “Odes”, e isso chamou de cara a minha atenção, quando o livro foi publicado em 2012. Eu já tinha lido vários livros do Hill por indicação do meu finado amigo Bruno Tolentino (1940-2007), um dos grandes poetas da língua também, mas quando descobri sua relação com Horácio aí comecei a lê-lo profissionalmente. Traduzi as “Odi Barbare” mais uma vintena de poemas que integrarão uma antologia. Ler é conversar – e é uma satisfação conversar com gente inteligente. Aproveito para agradecer a colaboração de Chris Miller, sem o qual não teria podido traduzir com o grau de exatidão que creio ter alcançado, e o apoio do professor Stephen Harrison, do Corpus Christi College, aqui da Universidade de Oxford.  


Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!