/ governosp

Publicações | Criação Literária

Versos de Horácio são ponto de partida para desvendar a métrica da poesia

Foto: Adriana Nogueira.

Muitos segredos da poesia não são segredos, mas a aplicação consciente e a variação criativa de certas técnicas. Na oficina online “O poeta é um fazedor: ritmos antigos e versos contemporâneos”, realizada em janeiro na programação da Biblioteca de São Paulo, o professor Érico Nogueira compartilhou algumas de suas referências literárias e deu dicas para quem desejasse produzir textos no gênero. Esta atividade integra o Literatura Brasileira no XXI, projeto realizado em parceria com a Unifesp. 

O pesquisador, que atualmente é visitante na Universidade de Oxford, partiu da análise da obra do poeta romano Horácio nas aulas e visou, assim, que os alunos tivessem contato com a técnica, refinando o pensamento e afinando a imaginação.

Aprendidos os conceitos fundamentais da poética e desvendados os mistérios da métrica utilizada por Horácio, chegou a vez dos participantes colocarem os conhecimentos em prática. Houve espaço para exercitar poesias lúdicas e composições mais sérias, usando o verso metrificado e regular, segundo o que foi aprendido durante as aulas. O professor Érico compartilhou algumas de suas referências e dicas. Confira, a seguir:

Quais são as cinco dicas que daria para quem quer começar a escrever poesia?

Essa pergunta é difícil de responder – mas vou tentar, com o máximo de exatidão de que sou capaz. Note-se que vou me ater a uma descrição quanto possível objetiva da vocação e do ofício, de que não sei se sairão propriamente cinco conselhos ou sugestões. Bom, acredito que a primeira providência que o aspirante a poeta deva tomar é fazer um impiedoso exame de consciência. Isso mesmo. Com o mesmo grau de escrúpulo e detalhe com que se faz o exame de consciência antes de uma boa confissão. Deve prestar atenção em si, ser objetivo, preciso, e examinar se tem paixão pela leitura, se tem certa habilidade inata com as palavras, se ama a própria língua, se tem uma curiosidade vital, irreprimível, por línguas estrangeiras, se está disposto a estudar muito, e dedicar sua vida a um objeto esquivo, a uma sombra impalpável, se está ciente de que o ofício é duro, paga mal, e que o reconhecimento, quando vem, é absolutamente fortuito e aleatório, e não tem ligação direta com a qualidade do que você produz – e assim por diante. Se, depois disso, o aspirante ainda assim quiser ser poeta, a vida vai ensinar-lhe como proceder, e não há necessidade de conselho nenhum. Eu obviamente descrevo o caso do poeta profissional; quanto ao poeta amador, ou bissexto, que escreve versos ocasionalmente, e sem grandes pretensões artísticas, esse aí geralmente sabe muito bem o que quer, e como fazer o que quer, já que a poesia é um seu dileto passatempo.

Qual a sua opinião sobre o “lugar” da métrica na poesia?

Poesia pressupõe ritmo, que pode ser regular ou irregular, constante ou variado. Métrica é medição do ritmo, é aferição do ritmo, e pode ser teórica, como nos tratados de versificação, ou simplesmente prática, elaborada em poemas. Todo poeta, com maior ou menor grau de consciência técnica e apuro rítmico, mede e metrifica o que escreve. Com isso quero dizer que, a rigor, não há poema sem métrica, porquanto o ritmo, mesmo capenga, do poema mais reles e chinfrim que se possa imaginar, sempre pode ser medido e metrificado. Agora, o que ocorreu depois da gloriosa Semana de 22 aqui no Brasil, e já o grande Manuel Bandeira (exímio conhecedor de métrica, aliás) deplorava, é um desprezo irresponsável pela tradição e pelas formas tradicionais, uma espécie de execração da rima e dos tropos e da “métrica” entendida como ciência e habilidade de compor formas fixas, como se não fosse mais necessário conhecer ou saber fazer um soneto ou uma sextina, ora vejam… O resultado está aí: gerações e gerações de autoproclamados “poetas” que não sabem o básico do seu ofício – algo como gerações e gerações de carpinteiros que, desejando romper com o passado e fabricar o absolutamente novo, desaprenderam como se faz uma mesa, para só produzir geringonças. Esse meu curso, portanto, ainda que breve e incompleto, é uma espécie de re-alfabetização em poesia.

Quais são os pilares da obra do poeta romano Horácio, autor central desta oficina, e o que podemos aprender com eles?

Há bibliotecas sobre Horácio, que é um dos autores mais lidos, mais influentes, mais importantes do Ocidente e do mundo. Ele é daqueles autores que sempre serão lidos e estudados – isto é, enquanto o homem for homem, e não se transformar no cão de Pavlov que as redes sociais, a propaganda, os governos, e os meios de comunicação de massa querem que ele seja. Enfim: enquanto formos humanos, continuaremos a ler e a aprender com Horácio. É quase impossível resumir em duas linhas por que sua obra é tão importante. Seguindo Montaigne, acho que a sua principal característica é o indestrutível bom senso, o riso leve e inteligente, a desconfiança de si, a sadia desilusão. Mas isso é o lado filosófico da coisa. Do ponto de vista poético, Horácio é o poeta “numeroso” – isto é, “de muitos ritmos” – por excelência. É o mestre da forma, da perfeição técnica. É isso o que procuro transmitir aos alunos nesta oficina. 

Quais os três livros que daria como referências neste gênero literário e como sugestões para quem quer se aprofundar no tema poesia?

Vamos entrar na brincadeira, gostei. Supondo que sejam três e não três mil, não dá para querer ser poeta em português sem ler “Os Lusíadas” e as “Rimas” de Camões, a “Obra Poética” de Fernando Pessoa, e a “Nova Reunião” de Carlos Drummond de Andrade. Isto é, Camões, Pessoa e Drummond são os maiores poetas de língua portuguesa, sem choro nem vela. Sem eles, não dá para viver. – Dos poetas em atividade hoje no Brasil, destaco os recentes “As Asas do Albatroz”, de Marco Catalão; “Arte Nova”, de Wladimir Saldanha; e “Um Sol de Bolso”, de João Filho.

Sobre seu trabalho na literatura, qual seria o livro que indicaria para que o leitor começasse a conhecer sua trajetória tão premiada?

Acho que meu segundo livro – não por acaso intitulado “Dois” –, sendo o mais curto de todos, contém, de forma concentrada, a maior parte de minhas obsessões artísticas: o dever moral de atualizar a tradição poética, o culto dos poetas mortos, a tensão entre passado e presente, a investigação do significado da vida, o riso… Motivos esses que orquestro com a maior perícia técnica de que sou capaz. Se não encontrarem esse livro (parece que está esgotado), sugiro que esperem um pouco, já que o meu mais recente –”Aqui, Ali, Além” – está no prelo, e sairá em meados do ano pela editora Filocalia.

Sabemos que atualmente é pesquisador visitante na Universidade de Oxford, onde estuda e traduz o poeta britânico Geoffrey Hill. O que poderia nos dizer sobre este trabalho em desenvolvimento?

Sir Geoffrey Hill (1932-2016) é poeta dificílimo. Quando digo a meus amigos britânicos que o estou traduzindo em português, eles invariavelmente me respondem que “Nós também temos de traduzi-lo em inglês” – por aí vocês já veem. Meu interesse em sua obra se deu justamente por causa da métrica. Em seu livro “Odi Barbare” (assim mesmo em italiano), que é homenagem aos poetas Sir Philip Sidney (1554-1586) e Giosuè Carducci (1835-1907), ele faz uso da estrofe sáfica, que é uma das mais utilizadas por Horácio em suas “Odes”, e isso chamou de cara a minha atenção, quando o livro foi publicado em 2012. Eu já tinha lido vários livros do Hill por indicação do meu finado amigo Bruno Tolentino (1940-2007), um dos grandes poetas da língua também, mas quando descobri sua relação com Horácio aí comecei a lê-lo profissionalmente. Traduzi as “Odi Barbare” mais uma vintena de poemas que integrarão uma antologia. Ler é conversar – e é uma satisfação conversar com gente inteligente. Aproveito para agradecer a colaboração de Chris Miller, sem o qual não teria podido traduzir com o grau de exatidão que creio ter alcançado, e o apoio do professor Stephen Harrison, do Corpus Christi College, aqui da Universidade de Oxford.  


Leia também

O peso da caneta

Certa vez perguntei à minha mãe como ela fazia para viajar. E dela ouvi: “Ué, eu observo tudo ao meu redor. Quando o ônibus para eu olho quem é o motorista, a cor, vejo quem sentou do meu lado...” Desse modo não se perde. Contou-me que tal modo de viajar aprendera com seu pai. A pergunta, apa...

Leia Mais!
Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condu...

Leia Mais!
Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A prim...

Leia Mais!
O sujeito indígena na literatura

A partir do século XVI, a figura do indígena vira um dos objetos preferidos entre aqueles que aqui aportavam. Uma curiosidade enorme sobre aqueles corpos descobertos, exibindo saúde e beleza superiores aos europeus, enfiados em roupas desenhadas para abafar pudores e falta de banho. Carcomidos pelo ...

Leia Mais!
A ponte que aproxima a ciência e a literatura

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado...

Leia Mais!
A ciência como thriller

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos a...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC