Edição 25 - Outubro/2022 | Editorial

A (anti)festa do manifesto

Divulgação

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à inominável Ditadura Civil-Militar (1964-1985). Eventos políticos que manifestaram certa ruptura com um passando por querer outro futuro. 

O projeto
Literatura Brasileira no XXI aborda o gênero manifesto, um tipo de texto que, migrando da arena política, trouxe para as artes um modelo propositivo de lidar com seus intentos. A partir do século XIX, trouxe, mesmo, um modo, no final das contas também político, de transformar, quando não destruir, o presente.  A oficina “Estudo do manifesto de vanguarda” debateu o manifesto como gênero literário. Discutiu o quão nosso modernismo, em certo sentido, produziu poucos manifestos e ações radicalmente vanguardistas, se comparado aos movimentos europeus que o inspirou. Destrinchou as posturas éticas e retóricas que definem o gênero, fazendo do manifesto não apenas um projeto, mas uma obra com valor em si própria. 

Sob os cuidados de Marcelo Moreschi, um dos pesquisadores mais dedicados e sensíveis ao assunto, os participantes, além da leitura crítica, foram instigados a criarem esse tipo de texto. Porque uma coisa é a pessoa fazer poesia, por exemplo, a partir de um manifesto alheio; outra, bem mais emancipatória, é manifestar seus desejos em palavras que hão de gerar outros tantos produtos literários, outros quantos outubros.

Leia também

Canto que venta do Sul

Para Darcy Ribeiro (O Povo Brasileiro, 1995), a Brasil Sulino é a área mais heterogênea do país, estendendo-se pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Tal diversidade contrasta com a menor extensão desse território, se comparado ao Brasil Caboclo, e ocorre em apenas tr...

Leia Mais!
O preto em todos os Brasis

O Povo Brasileiro (1995), Darcy Ribeiro (1922-1997) fala do português como povo euro-africano, que vem implantar uma economia açucareira e escravista a partir, principalmente, do Nordeste. Mas para além da cor predominante na força de trabalho que fez rodar as engrenagens deste sistema, o chama...

Leia Mais!
Enorme Norte

Darcy Ribeiro (1922-1997), em O Povo Brasileiro (1995), estuda a predominância das populações caboclas na Região Norte do Brasil. Mesmo com a chegada de contingentes vindos da Europa e da África árabe e subsaariana, os povos originários determinaram cultural e geneticamente a maior parcela te...

Leia Mais!
O sertão em cada um

O Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), vem norteando oficinas do projeto Literatura Brasileira no XXI. Neste mês de março, o foco é o Brasil Sertanejo, cujos traços culturais, econômicos e sociais são localizados pelo estudioso principalmente na região que hoje chamamos de ...

Leia Mais!
Caipira: um causo do Brasil

Inspirado no Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), o projeto Literatura Brasileira no XXI segue com seu novo ciclo. Depois da primeira ação mais panorâmica, a segunda concentra-se numa das cinco unidades geográficas, econômicas, étnicas e culturais do país: o Brasil caipira.S...

Leia Mais!
Literaturas dos Brasis

O projeto Literatura Brasileira no XXI abre novo ciclo, voltado às nossas diversidades regionais. Inspiradas no Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), as oficinas visam discutir a literatura de cada Brasil descrito nessa obra fundamental: caipira, sertanejo, caboclo, crioulo e sulin...

Leia Mais!