/ governosp

Notice: Undefined variable: autor in /home/lbxxiorg/public_html/publicacoes/ver.php on line 19

Publicações | Destaques

A (anti)festa do manifesto

Divulgação

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à inominável Ditadura Civil-Militar (1964-1985). Eventos políticos que manifestaram certa ruptura com um passando por querer outro futuro. 

O projeto
Literatura Brasileira no XXI aborda o gênero manifesto, um tipo de texto que, migrando da arena política, trouxe para as artes um modelo propositivo de lidar com seus intentos. A partir do século XIX, trouxe, mesmo, um modo, no final das contas também político, de transformar, quando não destruir, o presente.  A oficina “Estudo do manifesto de vanguarda” debateu o manifesto como gênero literário. Discutiu o quão nosso modernismo, em certo sentido, produziu poucos manifestos e ações radicalmente vanguardistas, se comparado aos movimentos europeus que o inspirou. Destrinchou as posturas éticas e retóricas que definem o gênero, fazendo do manifesto não apenas um projeto, mas uma obra com valor em si própria. 

Sob os cuidados de Marcelo Moreschi, um dos pesquisadores mais dedicados e sensíveis ao assunto, os participantes, além da leitura crítica, foram instigados a criarem esse tipo de texto. Porque uma coisa é a pessoa fazer poesia, por exemplo, a partir de um manifesto alheio; outra, bem mais emancipatória, é manifestar seus desejos em palavras que hão de gerar outros tantos produtos literários, outros quantos outubros.

Leia também

Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!