Publicações | Destaques

A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Foto: Equipe SP Leituras.

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer que é um Fla-Flu sem sentido – e é – não altera o fato de que a divisão existe e determina muitas das escolhas feitas num momento crucial das nossas vidas.

Para ser um tanto do contra, como manda o espírito instigante das oficinas do projeto Literatura Brasileira no XXI, a Biblioteca de São Paulo apostou no inusitado. Que combinação sai se, para celebrar o Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador, agora em 8 de julho, colocarmos ciência e literatura lado a lado? De modo a dar mais uma volta nesse parafuso, fugiu-se ao lugar-comum (que nem por isso é desinteressante, reste claro) de não apostar todas as fichas na ficção científica, o filão que tende a dar forma literária à ciência.

Mas o inusitado da coisa é só uma das pontas dessa junção a que se propôs a Biblioteca de São Paulo. A outra é a urgência do tema. Só mesmo fechando os olhos com muita força para não perceber o véu obscurantista que se estendeu sobre o país. Um obscurantismo insidioso, perverso, que ataca em várias frentes, sem dúvida, mas que tem na dimensão humanista da literatura e na objetividade do pensamento científico dois dos seus principais alvos. Assim, uma literatura que põe em diálogo duas áreas do conhecimento indevidamente distanciadas também faz ver que a ciência tem uma forte grandeza humana e a literatura pode ser uma forma objetiva de conhecer o mundo.

Leia também

Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP