/ governosp

Notice: Undefined variable: autor in /home/lbxxiorg/public_html/publicacoes/ver.php on line 19

Publicações | Destaques

A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Foto: Equipe SP Leituras.

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer que é um Fla-Flu sem sentido – e é – não altera o fato de que a divisão existe e determina muitas das escolhas feitas num momento crucial das nossas vidas.

Para ser um tanto do contra, como manda o espírito instigante das oficinas do projeto Literatura Brasileira no XXI, a Biblioteca de São Paulo apostou no inusitado. Que combinação sai se, para celebrar o Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador, agora em 8 de julho, colocarmos ciência e literatura lado a lado? De modo a dar mais uma volta nesse parafuso, fugiu-se ao lugar-comum (que nem por isso é desinteressante, reste claro) de não apostar todas as fichas na ficção científica, o filão que tende a dar forma literária à ciência.

Mas o inusitado da coisa é só uma das pontas dessa junção a que se propôs a Biblioteca de São Paulo. A outra é a urgência do tema. Só mesmo fechando os olhos com muita força para não perceber o véu obscurantista que se estendeu sobre o país. Um obscurantismo insidioso, perverso, que ataca em várias frentes, sem dúvida, mas que tem na dimensão humanista da literatura e na objetividade do pensamento científico dois dos seus principais alvos. Assim, uma literatura que põe em diálogo duas áreas do conhecimento indevidamente distanciadas também faz ver que a ciência tem uma forte grandeza humana e a literatura pode ser uma forma objetiva de conhecer o mundo.

Leia também

Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
A (anti)festa do manifesto

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!