Publicações | Destaques

A poesia está morta

Foto: Equipe SP Leituras.

A poesia está morta, dizem por aí. Não rende na bolsa, não ajuda na infraestrutura precária em que vive uma parte considerável da população mundial, sequer aplaca as dores da alma — quando muito, as potencializa. Em suma, um desserviço. 

Contudo, a despeito do senso comum, não foi bem isso o que se viu na oficina ministrada por Érico Nogueira, "O poeta é um fazedor: ritmos antigos e versos contemporâneos", a mais recente novidade para o projeto Literatura Brasileira no XXI, que celebrou o dia mundial da poesia (21 de março para quem ainda não sabe).

O desafio é dos maiores, porque ata duas (dentre várias) pontas de um longo arco temporal, uma que se nutre de uma tradição antiga, latina, e outra mais nossa contemporânea. O combinado, como não poderia deixar de ser, é instigante porque nem o passado nem o presente saem os mesmos, renovados e amadurecidos ambos. 

E pra quê isso tudo?, há de se perguntar o cético.  Cada participante da oficina tem sua própria resposta, mas certamente nenhuma delas há de satisfazer o nosso senso comum dessensibilizado — o que só nos enche de alegria. A poesia está morta! Vida longa à poesia!

Leia também

Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP