Publicações | Destaques

América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Áurea, que fez do Brasil o último país americano a abolir a escravidão. Ano das Poesias de Olavo Bilac, livro maior do parnasianismo nacional, leitura obrigatória inclusive entre modernistas.

Muito do que chamamos simbolista, e até parnasiano, foi assumido como modernista por nosso vizinhos. Nenhuma dessas experiências tornou-se hegemônica aqui sob o signo da ruptura. Mas antes e depois da Semana, autores como Manuel Bandeira, Ribeiro Couto e Mário de Andrade acompanhavam o movimento na região, num intenso intercâmbio de revistas, cartas, traduções e mesmo viagens. A chilena Gabriela Mistral ou o cubano Nicolas Guillén eram familiares à cena modernista brasileira.

Na oficina “Modernismo nas vizinhanças latino-americanas”, a professora Joana Rodrigues estabeleceu, e às vezes restabeleceu, diversas rotas para reconhecermos esse legado modernista. Especialista no assunto, é dela o livro Antonio Candido e Ángel Rama: críticos literários na imprensa (2018), em que aproxima o estudioso brasileiro ao uruguaio, ambos contemporâneos aos desdobramentos modernistas em seus países.

Sem dúvida, um estímulo e tanto para viajarmos em diálogo com nossos irmãos. Num instante em que o continente todo tensiona-se entre esperança e obscurantismo, é, de fato, salutar atendermos ao convite. Comecemos pelo suspense e pelo depoimento produzidos na própria oficina.

Leia também

Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Uma semana muitos ângulos

O projeto Literatura Brasileira no XXI segue abordando o centenário da Semana de Arte Moderna de 22. A cada oficina de 2022 sempre um olhar renovado sobre o relevante evento. Evita-se, assim, narrativas romanescas – dois ou três gênios que decidiram o rumo das artes nacionais – ou mesmo anedóti...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP