/ governosp

Notice: Undefined variable: autor in /home/lbxxiorg/public_html/publicacoes/ver.php on line 19

Publicações | Destaques

América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Áurea, que fez do Brasil o último país americano a abolir a escravidão. Ano das Poesias de Olavo Bilac, livro maior do parnasianismo nacional, leitura obrigatória inclusive entre modernistas.

Muito do que chamamos simbolista, e até parnasiano, foi assumido como modernista por nosso vizinhos. Nenhuma dessas experiências tornou-se hegemônica aqui sob o signo da ruptura. Mas antes e depois da Semana, autores como Manuel Bandeira, Ribeiro Couto e Mário de Andrade acompanhavam o movimento na região, num intenso intercâmbio de revistas, cartas, traduções e mesmo viagens. A chilena Gabriela Mistral ou o cubano Nicolas Guillén eram familiares à cena modernista brasileira.

Na oficina “Modernismo nas vizinhanças latino-americanas”, a professora Joana Rodrigues estabeleceu, e às vezes restabeleceu, diversas rotas para reconhecermos esse legado modernista. Especialista no assunto, é dela o livro Antonio Candido e Ángel Rama: críticos literários na imprensa (2018), em que aproxima o estudioso brasileiro ao uruguaio, ambos contemporâneos aos desdobramentos modernistas em seus países.

Sem dúvida, um estímulo e tanto para viajarmos em diálogo com nossos irmãos. Num instante em que o continente todo tensiona-se entre esperança e obscurantismo, é, de fato, salutar atendermos ao convite. Comecemos pelo suspense e pelo depoimento produzidos na própria oficina.

Leia também

Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
A (anti)festa do manifesto

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!