Publicações | Destaques

Ano Novo, novos leitores

Freepik/Mego-Studio

Viradas de ano são simbólicas, mesmo que, mais das vezes, dia primeiro de janeiro não seja lá tão diferente assim do dia 31 de dezembro. Teme-se inclusive, e com bastante razão, que o ano que entra vá seguir o mesmo rumo do que o que vai se encerrando.

Este site, contudo, talvez pela sua juventude — são apenas quatro meses de estrada — se apega ao simbolismo da virada e traz novidades. A começar pelo novo destaque, que celebra aqueles e aquelas que são a nossa razão der ser: os leitores, cujo dia é 7 de janeiro.

E não celebramos apenas o leitor solitário, fechado em si mesmo, de costas para o mundo. Ninguém aqui está negando que o silêncio e a reclusão podem mesmo ser uma benção para quem está mais interessado, nem que por apenas algumas horas (minutos?), no mundo que tem diante dos olhos do que naquele que o cerca.

Os leitores são de muitos tipos. Imaginar que só haverá leitores diante das condições ideais de temperatura e pressão é excluir todos aqueles e todas aquelas que leem diariamente. Não se trata nem da leitura formulada em sua dimensão metafórica, de quem olha para o céu em busca de indícios de chuva, também ela legítima, claro. Estou falando no tuíte, no textão do Facebook, daquele romance ouvido no trajeto para casa, do capítulo em PDF passado pelo professor e lido na minúscula tela do celular, em pé, no caminho entre o trabalho e a faculdade etc.

Ler não é um privilégio, mesmo que não se negue que haja leitores privilegiados. Ler é um dos gestos mais cotidianos que existem, os quais praticam, todo santo dia, mesmo aqueles e aquelas que não se consideram leitores.

Leia também

Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP