Edição 41 - Fevereiro/2024 | Editorial

Caipira: um causo do Brasil

Reprodução tela “Caipira picando fumo” (Almeida Júnior, 1893, Pinacoteca do Estado de São Paulo). Wikipedia.

Inspirado no Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), o projeto Literatura Brasileira no XXI segue com seu novo ciclo. Depois da primeira ação mais panorâmica, a segunda concentra-se numa das cinco unidades geográficas, econômicas, étnicas e culturais do país: o Brasil caipira.

São Paulo foi o primeiro e principal irradiador dos valores caipiras, conforme seus habitantes expandiam as fronteiras da Colona Portuguesa pelo interior da América do Sul. Por chão e por rios eles farejaram riquezas, materializadas em nativos cativos, pedras preciosas, produtos do sertão e terras boas para o cultivo.

Longas viagens perigosas, muitas acompanhadas à viola, foram gestando narrativas e costumes, das maneiras de preparar habitações e comida, até os modos de cantar e contar o que se vivia e imaginava. Um legado presente nas canções de duplas como Zé Carreiro e Carreirinho ou Tonico e Tinoco, e na prosa de Valdomiro Silveira ou Guimarães Rosa.

Poeta, músico, pesquisador e professor, o piracicabano Fábio Casemiro, especialista no autor de Grande Sertão: veredas (1956), tocou a oficina “Dois dedos de Prosa: o caipira e a literatura brasileira”. Destacou, por exemplo, a capacidade para performar enredos de medo ou graça. Sem ser caraterística sua exclusiva, o caipira é um sabido contador de causos, vide o personagem Riobaldo e o ator Rolando Boldrin.

Assim, vale a pena chegar olhos e ouvidos ao que os participantes têm para contar.

 

 

 

 

Leia também

Canto que venta do Sul

Para Darcy Ribeiro (O Povo Brasileiro, 1995), a Brasil Sulino é a área mais heterogênea do país, estendendo-se pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Tal diversidade contrasta com a menor extensão desse território, se comparado ao Brasil Caboclo, e ocorre em apenas tr...

Leia Mais!
O preto em todos os Brasis

O Povo Brasileiro (1995), Darcy Ribeiro (1922-1997) fala do português como povo euro-africano, que vem implantar uma economia açucareira e escravista a partir, principalmente, do Nordeste. Mas para além da cor predominante na força de trabalho que fez rodar as engrenagens deste sistema, o chama...

Leia Mais!
Enorme Norte

Darcy Ribeiro (1922-1997), em O Povo Brasileiro (1995), estuda a predominância das populações caboclas na Região Norte do Brasil. Mesmo com a chegada de contingentes vindos da Europa e da África árabe e subsaariana, os povos originários determinaram cultural e geneticamente a maior parcela te...

Leia Mais!
O sertão em cada um

O Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), vem norteando oficinas do projeto Literatura Brasileira no XXI. Neste mês de março, o foco é o Brasil Sertanejo, cujos traços culturais, econômicos e sociais são localizados pelo estudioso principalmente na região que hoje chamamos de ...

Leia Mais!
Literaturas dos Brasis

O projeto Literatura Brasileira no XXI abre novo ciclo, voltado às nossas diversidades regionais. Inspiradas no Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), as oficinas visam discutir a literatura de cada Brasil descrito nessa obra fundamental: caipira, sertanejo, caboclo, crioulo e sulin...

Leia Mais!
Em todos os tempos: vozes indígenas

O projeto Literatura Brasileira no XXI fecha o ciclo de oficinas em defesa da democracia. Sabíamos que o tema era relevante, diante do ambiente político tomado por sectarismos. Queríamos contribuir para o debate, exercendo nossa função cultural, educacional e social. E de saída, com os ataque...

Leia Mais!