/ governosp

Publicações | Criação Literária

Canções e fábulas foram referências para a oficina online de minicontos

Foto: acervo pessoal

Canções, fábulas e minicontos foram alguns dos materiais que os professores Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller compartilharam com os participantes durante a oficina online "Personagens do trabalho", que aconteceu em março deste ano. O objetivo dos encontros foi promover uma reflexão sobre o labor, o emprego e outras questões relacionadas com o tema, e, a partir daí, estimular a criação de conteúdos autorais, no formato de miniconto.

Na teoria, esse gênero representa um tipo de texto muito curto, que usa o mínimo de elementos para exprimir uma ideia. Ele tem, entre suas principais características, a concisão e o subtexto. E, para introduzir o assunto, já estabelecendo conexão com os aspectos do trabalho, foram apresentadas referências como a canção “Um dia eu chego lá”, de Tim Maia, o documentário “Art é Arte”, sobre o sarau da Cooperifa, movimento cultural da zona Sul de São Paulo, e as fábulas “O estojo e as pérolas” e “Ajudando as plantas a crescerem”, extraídas do livro “Fábulas chinesas”, de Sérgio Capparelli e Márcia Schamltz.  

Milena, que é especialista em Literatura Brasileira e Teoria da Literatura, e Gustavo, professor do Departamento de Letras da Unifesp, traçaram paralelos entre as obras e direcionaram a dinâmica para que os participantes fizessem suas produções. O resultado: textos bem curtos, deixando lacunas significativas para a interpretação do leitor, seja na construção dos personagens, do cenário ou no desenlace da narrativa. Esses trabalhos estão disponíveis aqui no site do projeto Literatura Brasileira no XXI. Clique aqui para conferir.

Leia também

Modernismo trouxe novos ares para o teatro brasileiro

Um fato curioso ronda a Semana de Arte Moderna de 22. Por que não tivemos apresentação teatral a exemplo da música, da arte e da literatura nos três dias do evento? A resposta é bem objetiva e direta. “Simplesmente porque não existiam textos modernistas para serem encenados na época”, resum...

Leia Mais!
O teatro e os modernistas (1922-1942)

A relação entre alguns modernistas e o teatro é intrigante e bonita. O teatro entrou para a história como sendo a arte que faltou ao movimento inicial do modernismo brasileiro. O tom de lamento dos primeiros historiadores do teatro moderno, quando abordavam a Semana de Arte Moderna, sentindo-se ór...

Leia Mais!
Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920

A oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920” partiu da seguinte pergunta: qual foi a dimensão nacional concreta no movimento modernista em sua primeira década? Ainda que o ciclo de oficinas em que esta se insere ocorra por ocasião dos 100 anos da Semana de Arte Modena, o foco ...

Leia Mais!
Modernismo pelo Brasil

Quando o assunto é a Semana de Arte Moderna de 22, os principais nomes de escritores e artistas vinculados ao movimento estão concentrados no eixo Rio-São Paulo. Mas será que só existia poesia modernista nas duas cidades nos anos 1920? Em busca de respostas, Leandro Pasini, professor de literatura...

Leia Mais!
Foto-resenha: performance nascida da poesia

Por qual perspectiva podemos olhar o poeta Manoel de Barros? Este pode ser um ponto de partida, um recorte ou fotografia para entendermos a oficina “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”, realizada no mês de outubro, dentro do projeto Literatura Brasileira no XXI,...

Leia Mais!
O palhaço e o poeta

As palavras de Manoel de Barros são feitas de graça, aquela graça considerada sublime, bela e elegante. O palhaço também usa a graça como ofício, mas aquela graça da gargalhada, da alegria, da diversão. O que os dois afazeres tão distantes têm em comum? A resposta está na oficina Foto-resen...

Leia Mais!