/ governosp

Publicações | Criação Literária

Canções e fábulas foram referências para a oficina online de minicontos

Foto: acervo pessoal

Canções, fábulas e minicontos foram alguns dos materiais que os professores Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller compartilharam com os participantes durante a oficina online "Personagens do trabalho", que aconteceu em março deste ano. O objetivo dos encontros foi promover uma reflexão sobre o labor, o emprego e outras questões relacionadas com o tema, e, a partir daí, estimular a criação de conteúdos autorais, no formato de miniconto.

Na teoria, esse gênero representa um tipo de texto muito curto, que usa o mínimo de elementos para exprimir uma ideia. Ele tem, entre suas principais características, a concisão e o subtexto. E, para introduzir o assunto, já estabelecendo conexão com os aspectos do trabalho, foram apresentadas referências como a canção “Um dia eu chego lá”, de Tim Maia, o documentário “Art é Arte”, sobre o sarau da Cooperifa, movimento cultural da zona Sul de São Paulo, e as fábulas “O estojo e as pérolas” e “Ajudando as plantas a crescerem”, extraídas do livro “Fábulas chinesas”, de Sérgio Capparelli e Márcia Schamltz.  

Milena, que é especialista em Literatura Brasileira e Teoria da Literatura, e Gustavo, professor do Departamento de Letras da Unifesp, traçaram paralelos entre as obras e direcionaram a dinâmica para que os participantes fizessem suas produções. O resultado: textos bem curtos, deixando lacunas significativas para a interpretação do leitor, seja na construção dos personagens, do cenário ou no desenlace da narrativa. Esses trabalhos estão disponíveis aqui no site do projeto Literatura Brasileira no XXI. Clique aqui para conferir.

Leia também

O peso da caneta

Certa vez perguntei à minha mãe como ela fazia para viajar. E dela ouvi: “Ué, eu observo tudo ao meu redor. Quando o ônibus para eu olho quem é o motorista, a cor, vejo quem sentou do meu lado...” Desse modo não se perde. Contou-me que tal modo de viajar aprendera com seu pai. A pergunta, apa...

Leia Mais!
Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condu...

Leia Mais!
Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A prim...

Leia Mais!
O sujeito indígena na literatura

A partir do século XVI, a figura do indígena vira um dos objetos preferidos entre aqueles que aqui aportavam. Uma curiosidade enorme sobre aqueles corpos descobertos, exibindo saúde e beleza superiores aos europeus, enfiados em roupas desenhadas para abafar pudores e falta de banho. Carcomidos pelo ...

Leia Mais!
A ponte que aproxima a ciência e a literatura

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado...

Leia Mais!
A ciência como thriller

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos a...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC