/ governosp

Notice: Undefined variable: autor in /home/lbxxiorg/public_html/publicacoes/ver.php on line 19

Publicações | Destaques

E no Dia do Palhaço tem poesia

Equipe SP Leituras

O Dia Universal do Palhaço é celebrado em 10 de dezembro. A palavra palhaço, com suas variantes, é tão presente quanto controversa em nossa cultura. Se essa figura, com sapatos maiores que os pés, é sinônimo de festa, também pode servir de ofensa. Por isso mesmo, o palhaço caminha feito a encarnação da poesia, essa arte de juntar opostos, de fazer renascer e nascer termos, de fazer tropeçar nos sentidos.

Tal o palhaço, o poeta (símbolo de todo escritor) conquistou espaço especial para falar o que ninguém consegue. Sim, conquistar, que nada é dado nessa vida. Eles é que fazem piada com o cabelo da rainha, criticam a inépcia do presidente, elogiam o dente quebrado da criança. Em situação normal, recebem riso e atenção em troca. Em regimes de exceção, ganham sopapos, quando não o cárcere.

O portal Literatura Brasileira no XXI destaca essa figura, portadora de uma máscara que mal esconde seu nariz. Neste tempo pandêmico, com todos virando mascarados, ao menos os cautos, também aprendemos algo de palhacaria às avessas. Pois no auge do morticínio por covid-19, xingava-se de “palhaço!” alguém com máscara no pescoço. Descobriu-se, mesmo, diversas “palhaçadas” que atrasaram a compra de vacinas.

Tensionando tais sentidos de palhaçada, poesia ou máscaras é que Suelen Santana (palhaça, poeta e estudiosa) propôs a oficina multi-artes “Foto-resenha: uma performance a partir da poética de Manoel de Barros”. Dos versos do poeta, ela fabricou máscaras concretas com os participantes. E foi além, revelou que poesia pode ser desfile de máscaras. Ler um poema, assim, é uma delicada prova de máscara, no mínimo entre poeta e leitor/ouvinte.

Leia também

Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
A (anti)festa do manifesto

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!