/ governosp

Notice: Undefined variable: autor in /home/lbxxiorg/public_html/publicacoes/ver.php on line 19

Publicações | Destaques

Estação de chegada: 1922

Foto: Equipe SP Leituras

O ano de 2022 carrega duas efemérides de peso: o bicentenário da Independência do Brasil e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A primeira significa a rompimento com Portugal, antiga metrópole que se apossou e colonizou o país a partir de 1500.

Uma ruptura controversa, evidente, pois que capitaneada por um português, Pedro I, financiada a juros pela Inglaterra e sem participação popular.

A segunda foi anunciada, a seu tempo, como libertação intelectual do Brasil, cem anos depois da autonomia política. Tal exagero era parte da retórica dos modernistas, empenhados em conseguir espaço público e institucional. A independência para criar e interpretar tinha muito de metafórica, posto que os ideais vanguardistas pulsavam, por exemplo, antes da Europa branca que do pensamento miscigenado nacional. 

Além disso, a Semana de 22 não inventou a invenção entre nós, embora tenha sido, sem dúvidas, um dos principais capítulos inventivos de nossas artes cultas. Com a oficina Modernos, antes de 1922, Francine Ricieri revela, justamente, todo um legado moderno e experimental praticado, desde o século XIX, por nomes como Cruz e Souza ou Gilka Machado.

Nessas práticas literárias – e até comportamentais – parte daqueles que seriam modernistas, como Manuel Bandeira e Guilherme de Almeida, se formaram escritores. Isso nos leva a festejar a Semana numa chave crítica, percebendo seu valor enquanto enorme estação em que se cruzam diversas linhas, e não como partida inovadora materializada do nada.


Leia também

Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
A (anti)festa do manifesto

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!