/ governosp

Publicações | Destaques

Estação de chegada: 1922

Foto: Equipe SP Leituras

O ano de 2022 carrega duas efemérides de peso: o bicentenário da Independência do Brasil e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A primeira significa a rompimento com Portugal, antiga metrópole que se apossou e colonizou o país a partir de 1500.

Uma ruptura controversa, evidente, pois que capitaneada por um português, Pedro I, financiada a juros pela Inglaterra e sem participação popular.

A segunda foi anunciada, a seu tempo, como libertação intelectual do Brasil, cem anos depois da autonomia política. Tal exagero era parte da retórica dos modernistas, empenhados em conseguir espaço público e institucional. A independência para criar e interpretar tinha muito de metafórica, posto que os ideais vanguardistas pulsavam, por exemplo, antes da Europa branca que do pensamento miscigenado nacional. 

Além disso, a Semana de 22 não inventou a invenção entre nós, embora tenha sido, sem dúvidas, um dos principais capítulos inventivos de nossas artes cultas. Com a oficina Modernos, antes de 1922, Francine Ricieri revela, justamente, todo um legado moderno e experimental praticado, desde o século XIX, por nomes como Cruz e Souza ou Gilka Machado.

Nessas práticas literárias – e até comportamentais – parte daqueles que seriam modernistas, como Manuel Bandeira e Guilherme de Almeida, se formaram escritores. Isso nos leva a festejar a Semana numa chave crítica, percebendo seu valor enquanto enorme estação em que se cruzam diversas linhas, e não como partida inovadora materializada do nada.


Leia também

E no Dia do Palhaço tem poesia

O Dia Universal do Palhaço é celebrado em 10 de dezembro. A palavra palhaço, com suas variantes, é tão presente quanto controversa em nossa cultura. Se essa figura, com sapatos maiores que os pés, é sinônimo de festa, também pode servir de ofensa. Por isso mesmo, o palhaço caminha feito a enc...

Leia Mais!
Luiz Gama: vacina antirracismo

Uma vez mais, o portal Literatura Brasileira no XXI destaca o 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, sob o símbolo de Zumbi dos Palmares. E quantas vezes mais será preciso frisar o significado dessa efeméride? Com tantas balas perdidas que preferem achar corpos negros, com tamanha inflação que...

Leia Mais!
Um salve a quem ensina!

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigos...

Leia Mais!
Persona analfabeta

Uma oficina de criação literária focada em analfabetos soa como para você? Se falamos de leitura e escrita, o que isso teria a ver com quem, justamente, não lê e tampouco escreve? Bem, o Brasil foi construído por trabalhadores majoritariamente analfabetos – contando povos ameríndios, africano...

Leia Mais!
Para se fazer ouvir e ler

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada...

Leia Mais!
A hora e vez da ciência e da literatura – juntas e combinadas

Se há duas coisas que não só não andam juntas, como quase que se repelem, é o par literatura e ciência. Na escola, é bem fácil encontrar aqueles e aquelas que ou preferem as aulas de ciência (matemática, física, biologia) e quem é das humanas (literatura, história, geografia etc.). Dizer q...

Leia Mais!