/ governosp

Notice: Undefined variable: autor in /home/lbxxiorg/public_html/publicacoes/ver.php on line 19

Publicações | Destaques

Luiz Gama: vacina antirracismo

Reprodução


Uma vez mais, o portal Literatura Brasileira no XXI destaca o 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, sob o símbolo de Zumbi dos Palmares. E quantas vezes mais será preciso frisar o significado dessa efeméride? Com tantas balas perdidas que preferem achar corpos negros, com tamanha inflação que faz mais vitimas entre famílias negras, urge batermos sempre na tecla: é preciso reconhecer e agir contra o racismo à brasileira.

Nada mais apropriado, para essa tarefa, do que uma oficina sobre Luiz Gama, esse herói negro do século XIX que segue inspirando a luta pela igualdade racial no Brasil. Ler sua prosa e seus versos, refletir a partir daí sobre a estrutura escravocrata de nossa sociedade, não nos enganemos, é uma das coisas mais contemporâneas que podemos experimentar enquanto leitores.

Luiz Gama, ainda antes de Lima Barreto, descortinou o nacionalismo faz de conta do Império, depois retificado e até turbinado pelo primeira República, que ele não chegou a ver. Mas Gama sempre soube da inviabilidade de qualquer projeto nacional sem a participação dos negros e seus descendentes. Um pais que escolhe escravizar e explorar uma parte substancial de sua população jamais será democrático, jamais gozará de paz social.

E para sorte do nosso projeto, a oficina dedicada ao tema foi ministrada por ninguém menos que Ligia Fonseca Ferreira, hoje a principal estudiosa de Luiz Gama. Com “Inspiração Luiz Gama: escrever sobre si, o Brasil e o mundo hoje”, ela demostrou quão atuais são as bandeiras defendidas pelo grande abolicionista.

É aterrador e necessário conhecer, a partir da leitura do agudo escritor, que ainda não somos uma república racialmente democrática. Felizmente, hoje temos o trabalho de Ligia Ferreira e mesmo o filme de Jeferson De para tomarmos essa poderosa vacina antirracismo: Luiz Gama!

Leia também

Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
A (anti)festa do manifesto

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!