/ governosp

Publicações | Destaques

Minicontos de trabalho

Foto: Equipe SP Leituras

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente – a divisão do trabalho exaurindo braços para ampliar a produção – a matéria veio para o centro da cena.

Num país erguido à escravidão e subemprego, drama presente em qualquer ramo da atividade econômica brasileira, escritores haveriam de flagrar as relações de trabalho. Machado de Assis mostra o cinismo com que um Brás Cubas normaliza a servidão de mucamas e meninos de recados. Muitas letras de canções revelam o desespero de quem muito trabalha para comer pouco.

Chega a ser difícil não encontrar em contistas contemporâneos, como Marçal Aquino e Cida Sepúlveda, situações em que o trabalho, em lugar de edificar pessoas, destrói corpos e psicologias. Quando dependente de aplicativos, o trabalhador pode estar sujeito a acidentes e arbitrariedades fatais, num drama que ganha novos contornos, tensão entre dois extremos: empreendedorismo individual e escravidão moderna.

Os minicontos da oficina Personagens do trabalho, sob a batuta de Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller, acertam em cheio a violência das atuais relações trabalhistas. Olhares afiados, às vezes do tamanho de uma linha, desmontam o mito de que todo trabalho é digno. O trabalho pode e deveria ser o espaço da partilha social e do desenvolvimento individual. Mas para isso, o Estado precisaria, de fato, garantir a justiça entre os entes geradores da riqueza nacional.

Empresas, públicas ou privadas, não podem ser moendas de gente. A população, mais ou menos capacitada, tampouco se conforma à esmola de governantes ou patrões. Tudo isso foi amplificado pela pandemia, que tanto ceifa empregos como pessoas. Estes minicontos de trabalho, tão mínimos quanto ardidos, estão aqui para lembrar o Primeiro de Maio. Para contar, na linha dos velhos cantos de trabalho, aqueles que perderam a batalha contra a covid-19 buscando ganhar a vida.

Leia também

O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Uma semana muitos ângulos

O projeto Literatura Brasileira no XXI segue abordando o centenário da Semana de Arte Moderna de 22. A cada oficina de 2022 sempre um olhar renovado sobre o relevante evento. Evita-se, assim, narrativas romanescas – dois ou três gênios que decidiram o rumo das artes nacionais – ou mesmo anedóti...

Leia Mais!
Estação de chegada: 1922

O ano de 2022 carrega duas efemérides de peso: o bicentenário da Independência do Brasil e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A primeira significa a rompimento com Portugal, antiga metrópole que se apossou e colonizou o país a partir de 1500.Uma ruptura controversa, evidente, pois qu...

Leia Mais!
E no Dia do Palhaço tem poesia

O Dia Universal do Palhaço é celebrado em 10 de dezembro. A palavra palhaço, com suas variantes, é tão presente quanto controversa em nossa cultura. Se essa figura, com sapatos maiores que os pés, é sinônimo de festa, também pode servir de ofensa. Por isso mesmo, o palhaço caminha feito a enc...

Leia Mais!