Publicações | Destaques

Modernismo veste

Reprodução

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduziam posições hierárquicas. Daí funcionarem, hoje, como um dos traços importante para entendermos aquela sociedade.  

Na oficina “O guarda-roupa modernista”, a professora Carolina Casarin trouxe a moda para o debate do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. Autora de livro luminoso sobre o assunto, O guarda-roupa modernista: o casal Tarsila e Oswald e a moda (2022), ela interpretou a dinâmica do modernismo brasileiro, inclusive em suas contradições, a partir não apenas da descrição de roupas, mas do papel que a alta costura desempenhou nas vanguardas.

O vestuário que Tarsila do Amaral e Oswald de Andrade usavam em exposições, lançamentos e saraus confirma, por exemplo, que foram gente da classe dominante paulista. Além disso, tipos humanos retratados por Tarsila, assim como personagens figuradas em poemas e romances de Oswald, trazem corpos com roupas. São vestidos confeccionados em Paris, ternos da juventude rentista americana ou a indumentária popular dos menos favorecidos.

Os debates e materiais ora apresentados convidam, assim, a olharmos a iconografia do período de modo menos ilustrativo. Educa nossa percepção para o protagonismo da moda nas relações entre artistas, nas suas concepções estéticas e dentro das obras modernistas. Convida a notar, finalmente, que vestimos a nossa própria identidade.

Leia também

Lendo Brasil como distopia

O projeto Literatura Brasileira no XXI, em 2023, oferece oficinas que afirmam os valores democráticos. Pensar isso a partir da literatura é uma resposta aos ataques sofridos, mais gritantes a partir de 2018. Não previmos, todavia, que, neste fevereiro, estaríamos varrendo cacos de um atentado contr...

Leia Mais!
Democracia sempre

No ano de 2023, o projeto Literatura Brasileira no XXI debruça-se sobre um tema que, no fundo, é um valor: a democracia. Com suas tenções e imperfeições, em seus vários modelos, ela só pode ser alguma coisa construída. Algo que, nas mais diversas esferas da vida, não é natural, tal como um m...

Leia Mais!
Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
A (anti)festa do manifesto

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!

Governo do Estado de SP