Edição 19 - Abril/2022 | Editorial

Modernismos em rede

Foto: Reprodução

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural do Rio de Janeiro para São Paulo, mas como sintoma de uma proliferação de muitos centros simultâneos pelo país. 

Com sua pujança econômica, uma população em franco crescimento, São Paulo, evidente, destacou-se na circulação dos intentos modernistas. Atraindo enormes empreendimentos industriais, agrícolas e imobiliários, a cidade surgia finalmente como potência cultural, posição ocupada no passado apenas por localidades como Salvador, Outro Preto (quando Vila Rica), Recife e, sobretudo, Rio de Janeiro. 

Mas em vez de mostrar São Paulo como novo polo ideológico, preferiu-se abrir uma perspectiva ainda pouco explorada: a de que os modernismos não teriam se fixado sem o trabalho de muitos grupos que, cheios de especificidades e divergências, plantaram e colheram novas maneiras de se criar e pensar literatura e cultura no Brasil.

Desviando da suposta peleja Rio-São Paulo, que se existiu não foi o que instalou as novidades de Porto Alegre à Belém, Pasini enquadra um ambiente mais exuberante que as narrativas que temos lido na impressa, por ocasião do centenário da Semana. Em lugar da seleção dos paulistas contra a dos cariocas, o professor e pesquisador descortinou outros caminhos, com gentes e questões ainda a serem sondadas a fundo.

Os participantes tiveram notícias, para além dos tubarões já reconhecidos, de outros peixes, como o paulista Tácito de Almeida, o pernambucano Ascenso Ferreira,  o carioca Prudente de Moraes (o neto), o gaúcho Augusto Meyer, o mineiro Emílio Moura ou a paraense Eneida. Um cardápio nada convencional, com diálogos de mãos duplas, triplas ou quádruplas. Modernismos em rede! 


Leia também

Caipira: um causo do Brasil

Inspirado no Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), o projeto Literatura Brasileira no XXI segue com seu novo ciclo. Depois da primeira ação mais panorâmica, a segunda concentra-se numa das cinco unidades geográficas, econômicas, étnicas e culturais do país: o Brasil caipira.S...

Leia Mais!
Literaturas dos Brasis

O projeto Literatura Brasileira no XXI abre novo ciclo, voltado às nossas diversidades regionais. Inspiradas no Povo Brasileiro (1995), de Darcy Ribeiro (1922-1997), as oficinas visam discutir a literatura de cada Brasil descrito nessa obra fundamental: caipira, sertanejo, caboclo, crioulo e sulin...

Leia Mais!
Em todos os tempos: vozes indígenas

O projeto Literatura Brasileira no XXI fecha o ciclo de oficinas em defesa da democracia. Sabíamos que o tema era relevante, diante do ambiente político tomado por sectarismos. Queríamos contribuir para o debate, exercendo nossa função cultural, educacional e social. E de saída, com os ataque...

Leia Mais!
Em todos os tempos: vozes indígenas

O projeto Literatura Brasileira no XXI fecha o ciclo de oficinas em defesa da democracia. Sabíamos que o tema era relevante, diante do ambiente político tomado por sectarismos. Queríamos contribuir para o debate, exercendo nossa função cultural, educacional e social. E de saída, com os ataque...

Leia Mais!
Corpo negro de mulher: consciência

Desde o início em 2020, o projeto Literatura Brasileira no XXI vem propondo ações pelo Dia da Consciência Negra (20/11). Já são quatro oficinas que geraram tanto produções literárias quanto críticas, um rico material disponível em nosso portal. Nunca é demais defender a igualdade racial...

Leia Mais!
A Psicanálise lendo a Política

Outubro traz o Dia Mundial da Saúde Mental (10)  e o Dia da Democracia (25). O projeto Literatura Brasileira no XXI reúne os dois temas na mesma ação. Num país marcado por racismos, desigualdades e períodos autoritários, imaginemos quantas pessoas, através da história da ex-colônia e...

Leia Mais!