/ governosp

Publicações | Destaques

Modernismos em rede

Foto: Reprodução

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural do Rio de Janeiro para São Paulo, mas como sintoma de uma proliferação de muitos centros simultâneos pelo país. 

Com sua pujança econômica, uma população em franco crescimento, São Paulo, evidente, destacou-se na circulação dos intentos modernistas. Atraindo enormes empreendimentos industriais, agrícolas e imobiliários, a cidade surgia finalmente como potência cultural, posição ocupada no passado apenas por localidades como Salvador, Outro Preto (quando Vila Rica), Recife e, sobretudo, Rio de Janeiro. 

Mas em vez de mostrar São Paulo como novo polo ideológico, preferiu-se abrir uma perspectiva ainda pouco explorada: a de que os modernismos não teriam se fixado sem o trabalho de muitos grupos que, cheios de especificidades e divergências, plantaram e colheram novas maneiras de se criar e pensar literatura e cultura no Brasil.

Desviando da suposta peleja Rio-São Paulo, que se existiu não foi o que instalou as novidades de Porto Alegre à Belém, Pasini enquadra um ambiente mais exuberante que as narrativas que temos lido na impressa, por ocasião do centenário da Semana. Em lugar da seleção dos paulistas contra a dos cariocas, o professor e pesquisador descortinou outros caminhos, com gentes e questões ainda a serem sondadas a fundo.

Os participantes tiveram notícias, para além dos tubarões já reconhecidos, de outros peixes, como o paulista Tácito de Almeida, o pernambucano Ascenso Ferreira,  o carioca Prudente de Moraes (o neto), o gaúcho Augusto Meyer, o mineiro Emílio Moura ou a paraense Eneida. Um cardápio nada convencional, com diálogos de mãos duplas, triplas ou quádruplas. Modernismos em rede! 


Leia também

O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Uma semana muitos ângulos

O projeto Literatura Brasileira no XXI segue abordando o centenário da Semana de Arte Moderna de 22. A cada oficina de 2022 sempre um olhar renovado sobre o relevante evento. Evita-se, assim, narrativas romanescas – dois ou três gênios que decidiram o rumo das artes nacionais – ou mesmo anedóti...

Leia Mais!
Estação de chegada: 1922

O ano de 2022 carrega duas efemérides de peso: o bicentenário da Independência do Brasil e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A primeira significa a rompimento com Portugal, antiga metrópole que se apossou e colonizou o país a partir de 1500.Uma ruptura controversa, evidente, pois qu...

Leia Mais!
E no Dia do Palhaço tem poesia

O Dia Universal do Palhaço é celebrado em 10 de dezembro. A palavra palhaço, com suas variantes, é tão presente quanto controversa em nossa cultura. Se essa figura, com sapatos maiores que os pés, é sinônimo de festa, também pode servir de ofensa. Por isso mesmo, o palhaço caminha feito a enc...

Leia Mais!
Luiz Gama: vacina antirracismo

Uma vez mais, o portal Literatura Brasileira no XXI destaca o 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, sob o símbolo de Zumbi dos Palmares. E quantas vezes mais será preciso frisar o significado dessa efeméride? Com tantas balas perdidas que preferem achar corpos negros, com tamanha inflação que...

Leia Mais!