Publicações | Destaques

No mês dos Direitos Humanos, lembramos que a leitura é um direito

Foto: Equipe SP Leituras

Entramos no terceiro mês de site. E dezembro sempre chega carregado de reflexões. Vem com o balanço geral do ano e a data mais simbólica do ocidente. Para muitos, é hora de renovar a crença no Deus Menino. Para todos, é o momento de estar juntos, de repensar o fluxo da rotina. 

Como 2020 ecoará por muitos anos no imaginário coletivo, este dezembro cala mais fundo, desejoso de uma vida sã e salva do vírus fatal. Traz consigo, ainda, o Dia dos Direitos Humanos, 10 de dezembro, que, mais do que nunca, traduz-se em direito à vida, à saúde e à arte de superar crises nunca dantes imaginadas.

Ler é um direito humano ainda não exercido plenamente por milhões de brasileiros analfabetos, com baixo letramento ou sem acesso à livros físicos e virtuais. Diante do isolamento social imposto pela Covi-19, da necessidade de significar os recentes acontecimentos, a leitura nunca foi tão companheira das atuais gerações. Velhos e jovens descobriram ou redescobriram que ser humano é também ser leitor de si, é (con)fabular nossas dúvidas e medos.

O projeto Literatura Brasileira no XXI, por meio de ações incluídas na programação da Biblioteca de São Paulo e Biblioteca Parque Villa-Lobos, não podia deixar de tocar essa tecla: a leitura é a água que vem aplacar nossa sede de sonhar e ter esperança. 

Daí ser tão importante o debate proposto por Lilian Borba na oficina “O texto desvendado: estratégias discursivas em diferentes gêneros textuais”. Aí, leitores, antes silenciosos ou anônimos, compartilharam suas experiências. Em resenhas diretas e sensíveis, eles transbordam a sensação da descoberta literária, a criança diante do novo. Quem duvida que a leitura é, de fato, a brincadeira que jogamos para sempre? É essa bola que as resenhas deste mês passam a você, leitor. 

Leia também

Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP