Publicações | Destaques

O bloco das crônicas

Foto: Equipe SP Leituras.

Em razão científica, a pandemia também barrou a principal expressão de ruas e salões do país. Em 2021 o folião precisará pular nas páginas, correr atrás do trio elétrico da imaginação. O Carnaval faz falta, porque a diversão também é um direito do povo, porque é a festa mais democrática do país. Pouco importa o dinheiro no bolso, quando a folia se espalha por calçadas e praças, todo estão convocados, ainda que só como rostos nas janelas.

O Carnaval é a festa do corpo que dança junto, este corpo na mira da Covid-19. Assim, é preciso preservá-lo, porque há muitos carnavais pela vida adentro. Mas se o corpo precisa de sossego, enquanto a vacina não chega de vez, a mente pede passagem. Como um dos fatores mais constitutivos da cultura brasileira, o Carnaval não poderia faltar como um dos destaques da nossa literatura desde sempre.

Tal evento, também objeto da sociologia e da antropologia, desfilou pela oficina “História e escrita de crônicas: um percurso pelo Carnaval a partir da produção cultural realizada no Brasil”. Uma verdadeira visita guiada por Danielle Crepaldi Carvalho, através de máscaras, perfumes, imagens e narrativas que povoaram e povoam o imaginário de gerações. E, de fato, dificilmente se explica ou se vivencia o Brasil sem entender o Carnaval enquanto fenômeno artístico, mas também religioso, comportamental, político e até econômico.

Neste Carnaval, você está convidado e curtir este bloco de crônicas, direto de nossa última oficina. Há enredos para muitos gostos, há seduções memoráveis, confissões inusitadas. Se “o importante é ser fevereiro”, como canta a letra do samba, ainda mais relevante é manter o corpo vivo e seguro. Enquanto o bloco da vacina não termina de passar, vamos ler estas deliciosas crônicas em serpentinas. E que elas nos inspirem a lembrar de nossos carnavais vividos na rua! E a ler a desfilar por tantos outros livros!


Leia também

Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP